8 razões para amar a dança e praticá-la todo dia

· 3 de fevereiro de 2016
Não é preciso ser um dançarino ou dançarina profissional para se deixar contagiar com os ritmos alegres, que nos convidam a mover o corpo sozinho, em par ou em grupo.

A dança é uma das atividades mais prazerosas que existe na opinião de muitas pessoas. Não é preciso ser um dançarino ou dançarina profissional para se deixar contagiar com os ritmos alegres, que nos convidam a mover o corpo sozinho, em par ou em grupo.

Por ser um exercício com muitos benefícios para a saúde, na atualidade, considera-se a dança um tipo de exercício, que todos podem praticar para manter a forma, tanto física quanto mental.

Para muitas pessoas, é muito mais fácil se exercitar ao som da música do que com os tradicionais movimentos de aeróbica ou em máquinas de musculação.

Desde a antiguidade, a dança faz parte de rituais, celebrações e momentos em que queremos expressar emoções livremente. Hoje em dia, tornou-se uma grande terapia contra os transtornos que afetam o organismo e as emoções.

O melhor de tudo é que não existe um limite de idade; a dança é muito dinâmica e pode ser adotada como uma rotina diária saudável para desfrutar de todos os seus benefícios.

A seguir, compartilharemos 8 boas razões para amar e praticar a dança regularmente. Você vai se surpreender!

1. A dança fortalece os músculos

Mulher-mostrando-musculos

Cada um dos estilos de dança requer o trabalho de certos grupos de músculos que se fortalecem com a repetição dos movimentos.

Isso quer dizer que, com sua prática regular, pode-se aumentar a resistência física sem sofrer de fadiga ou de outros efeitos indesejados.

Estilos como o balé, a salsa ou o forró são muito bons para fortalecer e tonificar as pernas. Já o flamenco é bom para fortalecer as coxas, glúteos e braços.

2. Faz bem para a saúde cardiovascular

Como todo exercício aeróbico, a dança ajuda a proteger a saúde cardíaca e de todo o sistema cardiovascular.

Essa atividade diminui a pressão arterial, melhora a circulação e promove a eliminação do colesterol, evitando danos cerebrais e ataques cardíacos.

Para obter esses benefícios, é preciso praticar entre 30 e 40 minutos de dança, cerca de três a quatro vezes por semana.

3. Ajuda a emagrecer

Mulher-dancando

Quanto mais rápido e alegre for o ritmo que você estiver dançando, maior o gasto calórico e a perda de peso. Com uma rotina de 40 minutos de dança, podem-se queimar entre 200 e 400 calorias, o que contribui para manter o corpo em forma.

4. Dançar faz bem para a saúde do cérebro

Os efeitos da dança também chegam até o cérebro. Dançar contribui para manter a memória ativa e as habilidades que permitem fazer várias coisas ao mesmo tempo.

Leia também: Vitaminas caseiras que podem ajudar a melhorar a memória

Está comprovado que as pessoas que dançam com regularidade têm menor probabilidade de desenvolver demência e doenças degenerativas, como o Mal de Alzheimer.

5. Proporciona a sensação de bem-estar

Mulher-sorrindo

A dança é uma grande terapia para diminuir os sintomas da depressão, do estresse, da ansiedade e de outras emoções negativas que afetam de forma direta a qualidade de vida.

A prática da dança estimula a secreção de serotonina e de endorfinas, também conhecidas como hormônios da felicidade.

6. A dança melhora a autoestima e a autoconfiança

Mais do que uma atividade física, a dança é uma maneira de expressar as emoções e a personalidade. Dançar é uma forma de conectar corpo e alma para cultivar boas emoções, como a autoestima e a confiança.

Aprender a dançar é uma maneira de se superar e de transmitir uma experiência que causa certa satisfação.

Por tudo isso, é uma boa forma de aumentar o amor por si mesmo e a segurança para fazer muitas outras atividades em sociedade.

7. Aumenta a flexibilidade, a agilidade e a coordenação motora

Aula-de-danca

Antes de começar as aulas de dança, é recomendado fazer exercícios de aquecimento e alongamento. Os movimentos que se realizam com o corpo para seguir cada ritmo contribuem para desenvolver a flexibilidade, a agilidade e a coordenação.

Essas habilidades proporcionam importantes benefícios para o corpo em geral, sobretudo quando há o risco de apresentar a doença de Parkinson.

8. Fortalece as articulações e os ossos

A prática regular da dança contribui para conservar a densidade óssea, que tende a diminuir nas mulheres que chegam à menopausa.

Por outro lado, as articulações também são beneficiadas, já que a dança ajuda a mantê-las lubrificadas para evitar o desgaste das cartilagens e o desenvolvimento da artrite.

Conheça: Remédios caseiros para a artrite

Pronta para começar a dançar? Como você pode ver, é muito bom para o organismo e representa uma maneira muito divertida de trabalhar e modelar o corpo.

Comece a praticar a dança várias vezes por semana e, pouco a pouco, converta este exercício em um complemento de suas atividades para tonificar o corpo e manter o peso.

  • Assunção Júnior, José Cortez et al. Zumba dancing can improve the pain and functional capacity in women with fibromyalgia. Journal of Bodywork and Movement Therapies , Volume 22 , Issue 2 , 455 – 459. https://www.bodyworkmovementtherapies.com/article/S1360-8592(17)30246-2/fulltext
  • Donoso Archibaldo. La enfermedad de Alzheimer. Rev. chil. neuro-psiquiatr.  [Internet]. 2003  Nov [citado  2018  Nov  18] ;  41( Suppl 2 ): 13-22. Disponible en: https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&;pid=S0717-92272003041200003&lng=es.  http://dx.doi.org/10.4067/S0717-92272003041200003.
  • Rehfeld, K., Müller, P., Aye, N., Schmicker, M., Dordevic, M., Kaufmann, J., … Müller, N. G. (2017). Dancing or Fitness Sport? The Effects of Two Training Programs on Hippocampal Plasticity and Balance Abilities in Healthy Seniors . Frontiers in Human Neuroscience . Retrieved from https://www.frontiersin.org/article/10.3389/fnhum.2017.00305
  • Zhu, Y., Wu, H., Qi, M., Wang, S., Zhang, Q., Zhou, L., Wang, S., Wang, W., Wu, T., Xiao, M., Yang, S., Chen, H., Zhang, L., Zhang, K. C., Ma, J., … Wang, T. (2018). Effects of a specially designed aerobic dance routine on mild cognitive impairment. Clinical interventions in aging13, 1691-1700. doi:10.2147/CIA.S163067