7 sintomas de um sopro cardíaco: conheça-os!

É muito importante não nos descuidarmos do nosso corpo e praticarmos algum tipo de exercício para estimular a circulação e favorecer o coração. Não é preciso fazer grandes esforços. Basta sair para caminhar.

Última atualização: 31 Agosto, 2020

São muitas as pessoas que sofrem com sopro cardíaco e mesmo que, na maioria das vezes, seja algo inofensivo, é melhor controlar.

Basicamente, devem-se a um fluxo sanguíneo desigual que origina um som estranho ao passar pelos vasos sanguíneos do coração e de suas válvulas: um sopro.

Os sopros cardíacos podem ser classificados de diferentes formas, de acordo com seu grau de incidência; sendo a maioria deles, como dizemos, inofensivos.

No entanto, às vezes, podem esconder alguma anomalia mais séria no coração, daí a importância de levá-los em consideração e de conhecer seus sintomas.  Saiba mais e tome nota!

1. Qual é a origem de um sopro cardíaco?

  • Problemas em uma das válvulas do coração: o sopro cardíaco pode ser originado, por exemplo, por uma válvula espessada. Um problema congênito que, a longo prazo, pode precisar de algum tipo de intervenção.
    Às vezes, doenças como a arteriosclerose também pode ocasionar esse problema; daí a importância de se cuidar e de estabelecer revisões periódicas com o cardiologista.
  • Anemia: sabia que a anemia também pode gerar um sopro cardíaco? Isso se deve ao fato de: frente à falta de glóbulos vermelhos e do nível adequado de oxigênio no sangue, o coração é obrigado a bombear mais depressa; podendo ocasionar um sopro cardíaco. Por isso, cuide dos seus níveis de ferro!
  • Problemas entre duas cavidades cardíacas: principalmente pela comunicação entre as duas aurículas, ou entre os dois ventrículos do coração. Sua origem também costuma ser congênita.
  • A arteriosclerose: é uma doença que deve ser levada em consideração, já que afeta tanto as artérias como as válvulas cardíacas, pois produz um estreitamento; que origina um ritmo anormal na circulação do sangue e emite um silvo muito particular nas artérias (o sopro cardíaco).
  • Outros problemas relacionados: às vezes, a febre ou um problema na tireoide também pode originar um sopro cardíaco. Fique atento.

Leia mais: Alimentos que afetam o coração

2. Sintomas de um sopro cardíaco

É frequente associar os sintomas de um sopro cardíaco ao cansaço. Mais do que isso, no caso das mulheres, os problemas cardíacos costumam passar despercebidos.

Fatores como o estresse, as preocupações ou o clássico esgotamento diário fazem com que com demos importância às coisas que etiquetamos como “normais”; porém, na realidade, não são tão assim.

Portanto, é importante se escutar, se cuidar e não descuidar de nenhum aspecto relacionado com a saúde, como os que mencionaremos abaixo:

  • Se ao fizer um pequeno esforço, como ao subir uma escada, dar uma pequena corrida para pegar o metrô ou levantar depressa de manhã, perceber o coração acelerado, seguido de uma fadiga característica imediata e uma elevação nas suas pulsações; fique de olho!
  • Custa respirar. Quando, por exemplo, está há um tempo andando, percebe que precisa parar porque falta o fôlego.
  • Sente dor no peito, como uma placa ardente aderida nessa zona do corpo, cada vez que faz um esforço.
  • Nos casos mais graves, é frequente que, depois de subir uma escada, ou de andar durante um bom tempo, os lábios e a ponta dos dedos adquiram uma tonalidade azulada.
    Esse seria um sintoma de falta de oxigênio no sangue que é conhecido como cianose; portanto, é necessário contar ao médico.
  • Apresentar inchaço e contínuas retenções de líquidos.
  • Frente a qualquer pequeno exercício, as veias de nosso pescoço incham chamativamente.
  • Fique muito atento no caso das crianças, pois se não se desenvolverem de acordo com a idade, e costumarem estar sempre muito cansadas, deve-se consultar o pediatra.

Saiba mais: Dicas para cuidar bem do coração

3. É possível prevenir um sopro cardíaco?

A saber, uma parte dos sopros cardíacos se deve a problemas congênitos; portanto, o mais adequado nesses casos, será sempre seguir as pautas e recomendações médicas.

Além disso, manter uma boa qualidade de vida e alguns hábitos saudáveis sempre permitirá prevenir muitos problemas cardíacos; então nunca é de mais seguir as seguintes dicas:

  • Cuide dos níveis de colesterol. Desse modo, é possível evitar o endurecimento de veias e artérias, assim como manter uma correta circulação do sangue.
  • Cuide dos níveis de ferro para evitar a anemia. Além disso, tente consumir alimentos ricos em ferro e vitamina C que ajudam a prevenir essa doença.
  • Mantenha uma alimentação equilibrada e variada, ainda restrinja o consumo de gorduras, alimentos processados ou industriais, farinhas refinadas e sal.
  • Existem infusões muito adequadas para cuidar da saúde cardíaca; tais como cavalinha, a erva-cidreira, a valeriana, o espinheiro branco, a infusão de alecrim e arruda ou inclusive o chá verde. Você vai adorar!
  • Um pouco de exercícios leves todos os dias. Caso não tenha nenhum problema cardíaco grave, nunca deixe de fazer algum exercício que mantenha o coração em movimento.
    Um passeio de 20 minutos ou um pouco de natação, é suficiente.
  • E por último e mais importante, estabeleça com o cardiologista revisões periódicas para descartar qualquer problema. Sua saúde merece.
Pode interessar a você...
Mejor con SaludLeerlo en Mejor con Salud
4 exercícios que ajudam no funcionamento do coração

Existe uma série de exercícios que ajudam no funcionamento de seu coração. Eles são, em sua maioria, exercícios cardiovasculares que fortalecem este órgão tão importante em seu corpo. Não importa se você é uma criança, um adulto ou uma pessoa mais velha.



  • Kobinger, M. E. B. (2003). Avaliação do sopro cardíaco na infância. Jornal de Pediatria.
  • Amaral, F., Granzotti, J. A., Manso, P. H., & de Conti, L. S. (2002). Quando suspeitar de cardiopatia congênita no recém-nascido. Medicina (Ribeirao Preto. Online)35(2), 192-197.
  • Amaral, F. T., Granzotti, J. A., & Nunes, M. A. (1995). Abordagem da criança com sopro cardíaco. Importância diagnóstica dos exames complementares não invasivos. Arq Bras Cardiol64(3), 195-9.