7 recomendações para repreender os filhos

· 8 de fevereiro de 2019
Uma das tarefas mais difíceis ao ser pais é repreender. Muitos defendem o castigo e outros o criticam. A reflexão e uma boa comunicação são estratégias muito mais eficazes para orientar nossos filhos.

Todo aquele que inicia a etapa da maternidade e da paternidade, se perguntou mais de uma vez qual é a melhor maneira de repreender os filhos ante uma conduta inapropriada. É claro que não existem fórmulas mágicas.

Repreender os filhos é uma decisão que os pais vão construindo à medida que valorizam ou rejeitam a forma com a qual foram criados, suas crenças religiosas, seus costumes, sua cultura e até as leis vigentes do país onde vivem.

Por que uma criança se comporta mal?

Quando uma criança tem um comportamento que consideramos inadequado é bom que como pais nos coloquemos em seu lugar e analisemos quais são as possíveis razões que puderam levá-la a ter este tipo de comportamento.

Um bebê chora porque tem uma necessidade não atendida: está molhado, sente fome. Uma criança faz uma birra ou um adolescente é rebelde, certamente porque também tem necessidades não atendidas. Só que ao invés de uma fralda molhada, o que pode faltar é afeto, compreensão ou a atenção de seus pais.

Com os bebês, os pais agem imediatamente e atendem a necessidade. Com crianças e adolescentes, costuma-se sufocar o comportamento, mas poucas vezes é fixada a causa que a origina e se busca uma solução.

Não deixe de ler: Crianças desobedientes: o que podemos fazer com esta situação?

O castigo é útil?

Repreender os filhos dará a eles mais segurança

Aplicar um castigo para repreender os filhos é um tema complexo. O castigo vem sendo utilizado desde sempre e hoje em dia segue sendo usado. Este tipo de método é acolhido por alguns e rejeitado por outros.

Sem dúvida, o castigo gera uma resposta imediata no comportamento da criança. Mas, nem sempre existe um processo educativo-reflexivo em torno dessa conduta, e sim mais por medo de quem castiga, a criança evita ser castigada e não necessariamente modifica seu comportamento.

Para alguns pais é admissível o castigo físico, o que é até mesmo mais controverso. Recorrer à violência não só é ilegal em muitos países, como também danifica a criança física e emocionalmente; lesiona sua autoestima e sua confiança; a humilha e lhe ensina que é válido agredir alguém mais fraco.

Como repreender os filhos

1. Estabeleça regras claras

Se as normas da casa mudam com frequência, é difícil que a criança possa segui-las. Então, é necessário que a criança conheça os limites estabelecidos e que estes perdurem no tempo. Para isso, também é necessário que a mãe e o pai entrem em acordo com as medidas que serão tomadas quando se apresentem episódios de mal comportamento.

Isso é especialmente importante para os pais separados. Mas, por favor, moderem-se com o número de regras!

2.Seja firme com amabilidade

Seja consequente na hora de exigir que a criança respeite uma norma, além da firmeza com a qual exige ao seu filho deve estar subentendido o carinho e o respeito. Evite perder a calma enquanto corrige um comportamento. Seu bom exemplo e uma linguagem positiva serão fundamentais nesse momento.

3. Os atos têm consequências

Transgredir uma norma tem consequências e a criança tem que sabê-lo. O que fez mal, deve voltar a fazer da forma correta. O pequeno tem que pedir perdão a quem machucar, tem que ressarcir o dano na proporção de suas possibilidades e de sua idade.

4. Os erros são oportunidades para aprender

A criança deve aprender que pode melhorar se analisa os erros que comete. Para isso, pergunte ao seu filho como avalia seu comportamento, como se sentiu com esse comportamento inadequado ou lastimando o outro e qual teria sido a maneira correta de se comportar nesse momento.

5. Avise e ofereça opções

A criança deve saber que a hora de ir embora do parque ou de tomar banho se aproxima, que chegado o momento terá que fazer o que corresponde. Também é importante que a criança faça parte da decisão, pois isso a motiva a agir nessa direção (Vai tomar banho depois de brincar ou depois de fazer os deveres?). Convide a criança a pensar e a compreender o que deve cumprir.

6. Seja oportuno e moderado

O chamado de atenção tem que chegar a tempo, o mais recomendado é fazê-lo no momento no qual a falta é cometida e não quando a criança tenha esquecido a razão pela qual está sendo repreendida. Deve-se fazer uso de diferentes formas de sancionar, já que se usarmos reiteradamente um mesmo corretivo, este perde a efetividade.

Por exemplo, se você manda a criança para o quarto refletir sobre algo que aconteceu, evite fazê-lo em excesso, pois pode perder o significado.

7. Estabeleça responsabilidades de acordo com a idade

Não é o mesmo pedir para uma criança de 3 anos que recolha seus brinquedos que pedi-lo a uma de 10. O primeiro está aprendendo, mas para o segundo já deve ser uma tarefa cotidiana. Criar hábitos e ter rotinas ajuda a criança a seguir melhor as normas, pois entende e assume quais são suas responsabilidades.

Leia também: 9 regras para educar filhos fortes

Aplauda o bom comportamento

Fazer uso de palavras amorosas para destacar um bom comportamento inspiram a criança a seguir esse caminho; utilizar palavras duras para enfatizar uma situação que certamente é produto de algo que já fez a criança se sentir mal, a fará se sentir pior.

Se controlamos uma situação tensa com palavras amorosas, daremos o melhor exemplo para reforçar um comportamento positivo.

Repreender os filhos fará com que eles se comportem

O que devemos evitar ao repreender os filhos

  • As ameaças que não vamos cumprir.
  • As sanções as quais a criança não dá importância.
  • As proibições de atividades que a criança gosta.
  • Sanções inadequadas para a idade e nível de maturidade da criança.

O que nunca se deve fazer ao repreender os filhos

  • Compará-lo com outras crianças, muito menos com irmãos ou primos.
  • Desatender suas necessidades básicas, como a comida.
  • Humilhá-lo intencionalmente, em público ou no privado.
  • Ignorá-lo ou negar amor.