Usar o medo para educar é efetivo?

· 8 de janeiro de 2019
A educação é fundamental para o bom desempenho de seus filhos. Porém, é possível cometer erros sem saber. Um deles consiste em inculcar obediência baseada em medo.

O medo tem sido usado há décadas como forma habitual de ensinamento na hora de educar.

A frase “a criança obediente e dócil” não perdeu vigência em nossos dias.

Entretanto, ao contrário do que a maioria pode crer, a obediência baseada na severidade não garante sucesso.

Uma criança feliz não é só aquela que ri, também é aquela que se sente motivada a explorar, perguntar e satisfazer sua curiosidade sem a sensação de medo de estar fazendo algo ruim.

Evite aplicar o medo na hora de educar

Ainda que todos os pais sonhem em ter filhos bem-educados e obedientes às normas que estabelecem, é preciso ter cuidado para não cair na educação severa e depreciativa. Ameaçar seu filho com castigos psicológicos ou físicos só serve para anular o critério do pequeno.

Educar com medo transformará a criança em um adulto incapaz de tomar decisões por si mesmo. Portanto, deve-se instruir com amor.

É de vital importância fomentar a confiança de seu filho desde muito pequeno. Com isso, terá segurança em suas capacidades e habilidades, o que permitirá um desenvolvimento correto para o seu futuro.

Assim, se você é dos pais que consideram que a obediência é sinônimo de respeito, deve entender que isso não é certo.

Uma pessoa obediente não é necessariamente respeitosa. Entretanto, a obediência que nasce da compreensão é uma maneira muito saudável de promover a convivência familiar e social.

A criança deve ter muito claro quais são os benefícios de respeitar certas regras ou pautas.

Quando não o tem, o pequeno quer ir mais além das normas para provar a si mesmo. É precisamente aí quando deve evitar gritar ou ameaçar.

Veja também: 5 efeitos das brigas em casa nas crianças

Recomendações para educar seu filho em amor e confiança

Quando nos iniciamos na educação de nossos filhos tratamos de difundir condutas que, em geral, são baseadas em nossa própria criação.

Entretanto, devemos nos esforçar em aplicar cada regra com total ternura, carinho e compreensão que nossos filhos precisam. A seguir, apresentamos algumas recomendações que te servirão de base para educar seu pequeno em amor e confiança.

Não use o medo para educar, estabeleça limites

Estabeleça limites com clareza

É importante instaurar normas de convivência familiar, mas devem ser estabelecidas de uma maneira clara e simples. As normas poderiam ser, por exemplo, limitar o número de horas diárias que seu pequeno poderá assistir televisão ou acessar a Internet.

Explique a ele as consequências de ignorar as regras, sem cair em ameaças, gritos ou condutas intimidantes. Assim, a criança aprenderá a organizar seu tempo e a se responsabilizar por sua conduta. Seus filhos compreenderão melhor as regras se forem ditas de forma clara, concisa e simples.

Seja um modelo de como fazer isso bem

É importante ter claro que a melhor maneira de educar é com o exemplo. Os pais são o melhor modelo que as crianças têm para determinar como devem se comportar em família e na sociedade. Se estamos tentando inculcar em nossos filhos alguma conduta que nós quebrantamos, a criança não entenderá porque ele deve cumpri-la.

Um exemplo disso é o uso de palavrões. Se se pretende que os filhos usem um vocabulário adequado, os pais também devem usá-lo.

Leia também: Castigo físico nas crianças e suas consequências

Atribua responsabilidades

Atribua responsabilidades aos seus filhos

Dependendo da idade de seu filho é essencial inculcar certas responsabilidades. Isso lhe ajudará a fomentar sua autonomia e confiança, o que beneficiará seu crescimento.

Da mesma forma, a criança irá formando seu próprio critério sobre o que é bom e mau, reconhecendo se está cumprindo com a responsabilidade atribuída.

Neste caso, não deve fomentar o medo na hora de educar seu filho. Ao contrário, aproveite para falar com ele sobre a ética e outros valores. Isto lhe permitirá reconhecer seus erros de forma adequada e assumir as consequências, as quais não devem ser castigos que promovem o medo no pequeno.

Ninguém disse que educar uma criança é uma tarefa simples. Porém, a criação que se baseia em sanções faz com que o pequeno permaneça focado só no reconhecimento exterior. O objetivo principal de evitar o medo, na hora de educar, é desenvolver em seu filho a habilidade de entender o caminho a seguir.

Em resumo, quanto antes reforçar a conduta reflexiva e consciente na criança, ela aprenderá e desfrutará mais do processo de aprendizagem e seu desenvolvimento implícito.

Natalia Dobrianskyj Weber, L., Müller Prado Ana Paula Viezzer, P., & Justen Brandenburg, O. (2004). Identificação de Estilos Parentais: O Ponto de Vista dos Pais e dos Filhos. Psicologia: Reflexão e Crítica. https://doi.org/10.1590/S0102-79722004000300005

Patias, N. D., Siqueira, A. C., & Dias, A. C. G. (2013). Práticas Educativas e Intervenção com Pais: A Educação como Proteção ao Desenvolvimento dos Filhos. Mudanças – Psicologia Da Saúde. https://doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v21n1p29-40

Patias, N. D., Siqueira, A. C., & Dias, A. C. G. (2012). Bater não educa ninguém!práticas educativas parentais coercitivas e suas repercussões no contexto escolar. Educação e Pesquisa. https://doi.org/10.1590/S1517-97022012000400013

Gomide, P. I. C., Salvo, C. G. de, Pinheiro, D. P. N., & Sabbag, G. M. (2005). Correlação entre práticas educativas, depressão, estresse e habilidades sociais. PsicoUSF. https://doi.org/10.1590/S1413-82712005000200008