6 sinais de carência afetiva em crianças

· 13 de julho de 2018
Imagine não receber amor das pessoas mais importantes da sua vida. Bom, é assim que se sentem as crianças com carência afetiva. Seja um pai amoroso e faça seus filhos sentirem o quanto são valiosos para você.

Os beijos, abraços, carinhos e conselhos são sinais de afeto que os pais devem demonstrar aos filhos para evitar a carência afetiva em crianças. Não é por capricho ou dependência; tratar nossos pequenos com afeto contribui para um bom desenvolvimento psicossocial.

Na infância, a criança depende quase inteiramente dos pais ou adultos responsáveis. Não apenas do ponto de vista financeiro ou educacional, mas também dos aspectos emocionais e psicológicos.

Não há nada mais recompensador do que um pai demonstrando afeição, amor e compreensão por seus filhos. Isso permitirá que eles cresçam em um ambiente saudável e desenvolvam hábitos que imitam o que aprenderam em casa.

No entanto, muitas crianças carecem de afeto, seja por causa da família ou do ambiente ao seu redor. Quando isso acontece, as consequências da carência afetiva aparecem, o que influencia diretamente o seu comportamento.

Quais são os sinais de carência afetiva em crianças?

Durante a infância, as crianças precisam de demonstrações de afeto das pessoas mais próximas para se sentirem amadas e protegidas. Conforme a criança cresce, os pais tendem a ter menos sinais de afeição.

Menina olhando pela janela

Ocasionalmente, as longas jornadas de trabalho e o estilo de vida moderno e agitado fazem com que os adultos esqueçam algumas de suas obrigações familiares, inclusive a de demonstrar aos filhos gestos de amor que reforcem o quanto são importantes.

A carência afetiva nas crianças faz com que elas se sintam constantemente solitárias ou abandonadas, enfraquece a comunicação entre pais e filhos e pode ter repercussões negativas na autoestima.

Para saber se o seu filho precisa que você demostre mais afeto, você deve estar ciente dos problemas a seguir.

  • É uma criança problemática e tem dificuldade para interagir com outras pessoas.
  • Está sempre na defensiva e alerta para o que está acontecendo ao seu redor.
  • Ela sofre de estresse na infância.
  • Seu sistema imunológico é fraco devido ao seu alto nível de depressão.

Leia também: Dia contra o abuso infantil: proteger as crianças é responsabilidade de todos

1. Desobediência

A partir da carência afetiva nas crianças, surge a necessidade de receber atenção. Para ser o centro das atenções, as crianças tendem a desobedecer às ordens de seus pais e a apresentar um comportamento inadequado, como birras e choro em locais públicos.

As crianças que querem amor e atenção de seus pais costumam fazer cenas, e se elas não alcançam seu objetivo, aumentam os ataques em intensidade e frequência. Os sinais típicos de desobediência em crianças são:

  • Choros exagerados
  • Agressividade
  • Ira
  • Impulsividade
  • Mudanças de humor repentinas

2. Agressividade

Quando as crianças são agressivas, é melhor ouvi-las e dar importância ao que elas dizem. Dessa forma, elas se sentirão levadas em conta e terão confiança suficiente para falar sobre o que estão sentindo.

Menino emburrado sem querer estudar

3. Insegurança

Diante do vazio emocional e da falta de afeto nas crianças, elas se sentem desprotegidas, levando-as a ter medo ao interagir com as outras pessoas. Como elas não se sentem seguras e constantemente temem por sua integridade física, estão sempre na defensiva e muito alertas para o que acontece em seu ambiente. Portanto, a desconfiança é um sinal claro de que algo não está indo bem.

4. Medo

As carências afetivas em crianças que não são tratadas por um especialista, ou aquelas que a criança não consegue superar, podem gerar uma sensação de vazio e desconfiança que estará presente nos relacionamentos à medida que ela cresce.

O medo do abandono é adquirido pelos pequenos quando eles não recebem o afeto de que necessitam de seus pais e parentes. Esse padrão é difícil de deixar para trás e, normalmente, é necessário levar a criança a um psicólogo ou terapeuta familiar para ajudá-la a superar seu medo e fortalecer o relacionamento entre pais e filhos.

5. Baixo desempenho acadêmico

A falta de atenção e carinho em crianças pode resultar em distúrbios de aprendizagem e falta de motivação ao fazer a lição de casa. Segundo vários psicólogos, as crianças que sofrem de carência afetiva apresentam problemas de linguagem e baixo desempenho acadêmico.

Elas normalmente demoram mais do que as outras crianças para desenvolver a linguagem e têm poucas habilidades sociais. Elas censuram suas emoções e geralmente evitam qualquer tipo de afeto com aqueles que as rodeiam.

6. Apego a dispositivos eletrônicos

Alguns pais optam por deixar a babá digital cuidar de seus filhos. Essa tendência de deixar as crianças se distraírem com dispositivos eletrônicos ou assistir à televisão cria um método parental impessoal. Isso inclui os pequenos em uma bolha tecnológica que deixa a interação humana de lado.

Menino jogando videogame

Conclusão

A carência afetiva em crianças faz com que elas desenvolvam um medo de perder seus pais e cuidadores. O resultado é que a criança está sempre alerta em relação ao que acontece ao seu redor.

Os bebês que crescem em uma casa com falta de afeto permanecem em estado de ansiedade permanente. Estão sempre em busca de relacionamentos emocionais que satisfaçam suas necessidades de se sentirem amados e seguros.

É necessário levar em conta que as crianças exigem constantes demonstrações de afeto e carinho, como carícias, beijos e abraços para crescer. Os sinais de afeto são decisivos para formar sua personalidade e beneficiar sua maturação cerebral. Sem essas demonstrações de afeto, o desenvolvimento neuronal da criança não é completo e suas habilidades cognitivas ficam enfraquecidas.

A carência afetiva pode causar uma personalidade insegura, caracterizada por imaturidade emocional, egoísmo e problemas de identidade. Quando as crianças crescem em um ambiente sem amor, elas têm problemas para manter relacionamentos interpessoais estáveis ​​e, muitas vezes, têm grandes conflitos de valores.