Diga adeus às birras em público!

· 6 de fevereiro de 2019
Quando a criança atinge seus primeiros 2 anos de vida, aparecem os temidos acessos de raiva ou birras. Entre as causas mais frequentes está o interesse crescente na criança de reafirmar sua autonomia.

Quando a criança atinge a idade de dois anos, se abre a possibilidade de que as temidas birras em público ocorram. A qualquer momento e por qualquer circunstância, pode ocorrer uma explosão de emoções encontradas que alteram a crianças, a seus pais e a todos.

 Como controlar uma birra?

Marcelo tem 2 anos e meio. Como todos os domingos, seus pais o levam ao parque. A diferença desta vez é que ele irá só com a mamãe, porque o pai não poderia acompanhá-los. Marcelo brincou com outras crianças mas sentiu falta do papai. Quando a hora chegou de voltar para casa, Marcelo pediu a sua mãe que lhe comprasse um brinquedo que vendia no lugar. Ela negou.

Marcelo começou a chorar e a pedir o brinquedo. Sua mãe, sem perder a paciência, lhe disse que não podia comprá-lo e que deveriam ir embora naquele momento. Marcelo ainda chorava e se recusava a sair do lugar. A frustração de Marcelo estava aumentando. A birra havia começado.

A mãe se afastou da vista de todos, agachou-se até a altura de Marcelo, olhou-o nos olhos, abraçou-o e sentou-o em suas pernas. Falou com ele em um tom muito baixo e calmo.

Diga adeus às birras deixando o nenem chorar

Lhe disse suavemente, que entendia sua raiva, porque o papai não pôde ir, explicou por que não poderia comprar o brinquedo e que já era hora de irem para casa. Marcelo chorou abraçado com sua mãe e descarregou suas frustrações. Depois de alguns minutos ele se acalmou.

Por que as birras acontecem?

Birras ou acessos de raiva em público são um estado próprio das crianças pequenas, que não sabem como expressar sua impaciência, sua frustração ou sua raiva.

Eles geralmente se originam por uma razão muito leve e, neste caso, geralmente duram pouco. Para saber como agir diante desses comportamentos, é importante identificar a causa que o origina:

  • A criança quer mostrar sua autonomia de uma maneira desafiadora e exigente, é difícil para eles esperar.
  • necessidades fisiológicas insatisfeitas. A criança está com fome, sono, cansada ou com mal-estar físico.
  • ausência ou confusão com as normas e limites da casa. Os pais são ou muito permissivos ou muito autoritários.
  • Em casos mais graves, os acessos de raiva podem indicar depressão, irritabilidade, problemas ou distúrbios de comportamento.

Você deve ler: Como controlar a rebeldia de seu filho?

Como lidar com birras em público?

As birras em público começam quando a criança é surpreendida por sentimentos que desconhece, não controla e não sabe lidar, por mudanças em seu ambiente ou porque não acontece o que espera ou deseja.

A criança dirige sua raiva ou frustração para seus pais, acreditando que eles deveriam ter previsto ou evitado o que aconteceu.  Nesse sentido, deixamos nossas recomendações para gerenciar e controlar melhor as birras em público.

Mantenha a calma

Embora pareça impossível, é importante que os pais mantenham o controle total de suas emoções no momento da birra. Caso contrário, eles estariam agindo no mesmo nível que as crianças, que se deixam levar por impulsos.

O exemplo dos pais é a chave para ensinar as crianças a se autorregular. Da mesma forma, se nos deixarmos levar pelas emoções, é possível cair em situações como mau trato infantil.

Se antecipe a birra

Os pais devem aprender a identificar os gatilhos da birra em público. Por exemplo, se você leva a criança contigo na hora de resolver algo no banco ou no supermercado, é normal que ela se sinta cansada ou facilmente entediada, porque esses são espaços que não oferecem nada de seu interesse.

Se você já determinou que o cansaço o domina, não será suficiente dizer “se comporte bem“. Você tem que explicar que vocês estão indo para um lugar onde ela terá que esperar um pouco, haverá muitas pessoas, onde ela não pode correr ou fazer barulho.

Diga adeus às birras deixando o nenem chorar

Uma explicação lhe dá segurança e tranquilidade à criança. Ela sabe o que se espera dela e pode agir de acordo. Diante dessas saídas “chatas”, é bom que inclua um brinquedo ou algo que possa distraí-lo em sua bolsa, um lanche e água, caso você precise.

Seja firme com sua decisão

Você tem que manter com firmeza a decisão que você tomou. No entanto, é possível ser firme com palavras amorosas e sem gritar. Nisto é importante que ambos os pais concordem. Um pai não deve mudar ou desrespeitar a decisão que o outro tomou.

A firmeza vai dar uma mensagem clara para o seu filho: birras em público não são necessárias para conseguir o que você quer. Isso é fundamental para evitar que as birras se tornem um comportamento habitual.

Além disso, é importante que os pais concordem sobre quais são as regras, com que flexibilidade essas regras serão tratadas (sim, é válido ser flexível e desistir em algum momento, mas ciente de que você está fazendo isso). Dar ordens não é o mesmo que propor limites e normas.

Promova o respeito mútuo

Assim como os pais devem manter a calma e evitar o excesso com os filhos, eles também devem fazer as crianças entenderem que não podem ser grosseiras ou exageradas com os pais.

Você deve insistir e explicar ao seu filho que você vai ouvir melhor se ele se acalmar, não só porque ele deve ser respeitoso, mas também porque se ele grita e chora, é muito mais difícil entender o que está acontecendo.

Nunca o deixe sozinho ou ignore seu filho durante a birra. Isso passa uma mensagem muito negativa para a criança: “Eu não estou interessado no que está acontecendo com você”. Claro que é verdade que a criança quer chamar sua atenção! Na verdade: ele precisa disso. Pelo amor e respeito que você tem, dê a atenção a ela.

Faça contato visual

Antes das birras em público, você deve falar com seu filho olhando-o diretamente nos olhos. Para fazer isso, ou você se põe no mesmo nível da altura física da criança, agachando do seu lado, ou a levanta a sua altura ou se senta e coloca-a em seu colo.

Enquanto você fala com ele, não deixe de olhá-lo diretamente nos olhos, até que a criança responda a esse olhar. No que acontece, é o melhor momento para dialogar e raciocinar com a criança.

Também é recomendável que você faça contenção física de seu corpo, especialmente se na explosão da birra houver algum perigo para você ou para os outros. Importante: afaste-se dos olhares para um ambiente mais calmo, para que você se acalme.

Valide a emoção do seu filho

Para promover a capacidade do seu filho de se controlar, nada é melhor do que afeição e empatia. Valide e acompanhe sua emoção. Por exemplo, você pode dizer: “Eu posso ver que você está muito chateado”, “Eu percebo que você está muito bravo”.

Diga adeus às birras deixando o nenem chorar

Reconhecer a emoção é o primeiro passo para regulá-la. Não se trata da criança reprimir suas emoções, porque isso pode transbordar em outras condutas ou problemas emocionais, mas que ele pode reconhecer o que sente e pode deixar ir. Abrace-o enquanto chora e alivie a energia que o transborda.

Você pode estar interessado em ler:  Ajude seu filho a alcançar os objetivos

Sancione a conduta, não a criança

Evite os castigos físicos, gritos e ameaças que violem a integridade de seu filho, já que não só têm direitos a nível jurídico, mas também este tipo de reprimenda ensina a ter medo de figuras de autoridade, mas não cultivam o respeito por elas.

O relacionamento com seu filho é prejudicado pelo maltrato, tanto físico quanto emocional. O dano emocional gera mais frustração, culpa e raiva do que a que inicialmente queria-se conter, quando apareceram as birras em público e não se conseguiu geri-las corretamente.

Considerações finais

Se antecipar as situações que podem desencadear uma birra não é tão fácil, mas não é impossível. Faz parte do processo de conhecer o seu filho, saber do que ele gosta e o que o deixa desconfortável. Nenhuma mãe nasce sabendo como fazer isso, estamos aprendendo a ser mães junto com nosso filho.

Se você perder a paciência com a birra de seu filho, é importante que você faça uma autoanálise necessária para que você possa se controlar melhor da próxima vez. Se perdoe e peça perdão ao seu filho. Juntos vocês encontrarão o caminho para aprender a gerencial suas emoções.

E, finalmente, esqueça do “que dirão” aqueles que estão testemunhando uma birra de seu filho. Não faltarão aqueles que querem dar opinião. A esses sim você pode ignorar, nunca a seu filho. Para que seu filho alcance a calma, ele precisa se conectar com você e seu amor.

Dedique-se a ele, que em alguns minutos a tormenta terá passado. Mais cedo ou mais tarde, você vai dizer adeus às birras.

  • Buss, K. A., and Goldsmith, H. H. (1998). “Fear and anger regulation in infancy: Effects on temporal dynamics of affective expression”, Child Development, 69 (2): 359-374.
  • Diener, M.; Mangelsdorf, S.; McHale, J., and Frosch, C. (2002). “Infants’ behavioral strategies for emotion regulation with fathers and mothers: Associations with emotional expressions and attachment quality”, Infancy, 3: 153-174.
  • Thompson, R. A. (1994). “Emotion regulation: a theme in search of definition”, Monographs for the Society for Research in Child Development, 59: 25-52.
  • Zeman, J.; Cassano, M.; Perry-Parrish, C., and Stegall, S. (2006). “Emotion regulation in children and adolescents”, Journal of Developmental and Behavioral Pediatrics, 27: 155-168.