Fluxo vaginal excessivo: remédios para controlá-lo

23 de abril de 2018
Para obter melhores resultados ao regular os problemas de fluxo vaginal é aconselhável combinar tratamentos tópicos e orais e, ante a menor dúvida, consultar um ginecologista

O fluxo vaginal desempenha um papel importante na saúde íntima das mulheres, pois não só é um lubrificante natural, como também possui bactérias saudáveis ​​que ajudam a prevenir a propagação de agentes infecciosos.

No seu estado natural tem uma cor transparente ou esbranquiçada, não gera maus odores e geralmente ocorre em pequenas quantidades.

Isso significa que o pH da área está em níveis estáveis ​​e, portanto, está protegida contra bactérias e leveduras.

No entanto, às vezes, o fluxo vaginal pode ser alterado em cor, odor e textura, indicando a presença de microrganismos nocivos.

Por conseguinte, apresentam-se sintomas desconfortáveis, como o mau cheiro, a coceira, e a produção excessiva de fluidos, o que provoca insegurança e desconforto na vida sexual.

Felizmente, existem vários remédios naturais, que por suas propriedades, regulam o pH vaginal para acelerar o alívio desses problemas.

No próximo espaço compartilharemos os 5 melhores remédios caseiros que ajudam a controlar o fluxo vaginal excessivo.

Remédios para controlar o fluxo vaginal excessivo

1. Calêndula

Uma xícara de chá de calêndula ajuda a controlar o fluxo vaginal excessivo

Tanto a infusão quanto o óleo de calêndula são soluções naturais que ajudam a diminuir o excesso de secreção vaginal, bem como irritação e mau cheiro.

Os seus compostos antibióticos e anti-inflamatórios protegem a flora microbiana da área inibindo o crescimento de fungos, bactérias e vírus.

Ingredientes

  • 2 colheres de sopa de flores de calêndula (20 g)
  • 2 copos de água (500 ml)

Modo de preparo

  • Coloque as flores do calêndula na água fervente e deixe descansar por 15 ou 20 minutos.
  • Quando esteja morno e concentrado, filtre e aplique.

Modo de usar

  • Faça banhos de assento com a infusão e enxágue as áreas externas da vagina.
  • Repita a sua utilização todos os dias até que o pH seja restaurado.

Você quer saber mais? Leia: Alivie os sintomas da vaginose bacteriana com estes 6 remédios naturais

2. Vinagre de maçã orgânico

O vinagre de maçã orgânico contém ácidos naturais que ajudam a controlar o crescimento de fungos e bactérias na área vaginal.

Além disso, suas propriedades antimicrobianas e antifúngicas impedem a proliferação de agentes infecciosos; e, por outro lado, protegem as bactérias saudáveis da flora vaginal.

Ingredientes

  • 6 colheres de sopa de vinagre de maçã (60 ml)
  • 2 copos de água (500 ml)

Modo de preparo

  • Simplesmente, adicione o vinagre de maçã em água morna e mexa-o para torná-lo bem diluído.

Modo de usar

  • Enxágue as áreas externas da área íntima com a solução.
  • Repita seu uso 2 vezes ao dia, todos os dias.

3. Babosa

A babosa ajuda a controlar o fluxo vaginal excessivo

A aplicação direta de aloe vera na área vaginal pode controlar o crescimento de microrganismos que causam alterações no fluxo.

Esta sobrepõe os lubrificantes naturais na área e, além disso, alimenta as bactérias saudáveis que retardam a ação de agentes prejudiciais.

Ingredientes

  • 3 colheres de sopa de babosa (45 g)
  • 2 gotas de óleo essencial de árvore do chá

Modo de preparo

  • Simplesmente, combine o gel de babosa com algumas gotas de óleo essencial da árvore do chá

Modo de usar

  • Primeiramente, esfregue o gel nas áreas externas da vagina e deixe-o agir por 30 minutos.
  • Em seguida, enxágue com água morna, e repita a utilização duas vezes ao dia.
  • Faça o mesmo tratamento até controlar a infecção e o excesso de fluxo.

4. Coentro

O consumo de infusão de coentro é um dos remédios que pode reduzir o excesso de secreção vaginal de forma interna.

Além disso, suas propriedades antibacterianas e anti-inflamatórias retardam a ação dos agentes infecciosos; e, ademais, restauram o pH alterado.

Ingredientes

  • 1 colher de chá de sementes de coentro (5 g)
  • 1 copo de água (250 ml)

Modo de preparo

  • Em primeiro lugar, adicione as sementes de coentro em um copo de água fervente.
  • Em seguida, deixe repousar por 20 minutos

Modo de usar

  • Simplesmente, coe a infusão e consuma-a em jejum, pelo menos durante 7 dias

Visite este artigo: Para que serve o coentro? Descubra todas as suas incríveis propriedades!

5. Feno-grego

Fenogrego para controlar o fluxo vaginal excessivo

As sementes de feno-grego ajudam a controlar a atividade hormonal, para diminuir os fluidos vaginais excessivos e o mau odor.

De fato, as sementes possuem efeitos semelhantes aos do estrogênio, o que é determinante para o ciclo menstrual e para a saúde reprodutiva.

Ingredientes

  • 1 colher de sopa de sementes de feno-grego (10 g)
  • 1 copo de água (250 ml)

Modo de preparo

  • Primeiramente, mergulhe uma colher de sopa de sementes de feno-grego em um copo de água.
  • Em seguida, deixe-a descansar durante a noite.

Modo de usar

  • Simplesmente, filtre o líquido com um coador e consuma-o em jejum, por 7 ou 10 dias.

Percebe mudanças em seu fluido vaginal? Em caso afirmativo, experimente qualquer um dos remédios acima mencionados e controle-as, antes que gerem infecções que exijam maiores cuidados.

  • Fahami, R. (2013). Abnormal vaginal discharge. BMJ (Clinical Research Ed.). https://doi.org/10.1136/bmj.f4975
  • Anderson, M. R., Klink, K., & Cohrssen, A. (2004). Evaluation of Vaginal Complaints. Journal of the American Medical Association. https://doi.org/10.1001/jama.291.11.1368
  • Hay, P. (2018). Vaginal discharge. Medicine (United Kingdom). https://doi.org/10.1016/j.mpmed.2018.03.006
  • Pazhohideh Z, Mohammadi S, Bahrami N, Mojab F, Abedi P, Maraghi E. The effect of Calendula officinalis versus metronidazole on bacterial vaginosis in women: A double-blind randomized controlled trial. J Adv Pharm Technol Res. 2018;9(1):15–19. doi:10.4103/japtr.JAPTR_305_17
  • Ozen, B., & Baser, M. (2017). Vaginal Candidiasis Infection Treated Using Apple Cider Vinegar: A Case Report. Alternative Therapies in Health and Medicine. Retrieved from http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29112940
  • Surjushe A, Vasani R, Saple DG. Aloe vera: a short review. Indian J Dermatol. 2008;53(4):163–166. doi:10.4103/0019-5154.44785