12 consequências de dormir mal

· 12 de setembro de 2015
A privação de sono nos afeta física e psicologicamente. Um sono reparador está relacionado à uma maior expectativa de vida.

Os estudos científicos comprovam cada vez mais que dormir mal pode afetar nossa vida diária e a nossa saúde. Existem inúmeras consequências a nível físico e psicológico quando não conseguimos ter um sono reparador.

Segundo especialistas, uma pessoa deve dormir entre sete e oito horas diárias para manter um excelente estado físico, emocional e mental.

Entretanto, as mudanças no estilo de vida do mundo atual fizeram decair a qualidade do sono e o tempo ideal de descanso.

Veja a seguir as 12 consequências que dormir mal pode trazer.

Ansiedade e vontade de comer excessivamente

A falta de sono está relacionada com o desejo de comer exageradamente, sobretudo à noite, quando o metabolismo está mais lento. Frente a essa situação, a tendência é consumir calorias em excesso, que levará ao aumento de peso.

Ainda assim, quando não dormimos o suficiente temos uma tendência maior a desejar comidas rápidas, devido à sua praticidade, mesmo que na verdade não estejamos com fome.

Maior risco de sofrer um acidente
Medo-de-dirigir

Segundo uma pesquisa realizada pela Fundação Nacional do Sono dos Estados Unidos, as pessoas que não dormem por pelo menos 6 horas diárias, triplicam o risco de sofrer um acidente de carro por dirigir com sono devido aos efeitos do cansaço na coordenação ocular.

Caso você não dirija, ainda assim poderá sofrer tonturas.

Enfraquecimento do sistema imunológico

Quando não temos um sono reparador e impedimos que o nosso corpo descanse corretamente, o sistema imunológico se debilita e, como consequência, temos uma maior tendência a sofrer de gripes, resfriados e infecções respiratórias.

Emoções descontroladas

Quando não dormimos bem, as regiões emocionais do cérebro ficam até 60% mais ativas, o que pode provocar reações e emoções mais descontroladas e inadequadas. Isso foi comprovado em um estudo realizado pela Universidade da Califórnia e a Escola Médica de Harvard em 2007.

Menos atrativo físico

Envelhecimento-precoce

Não resta dúvida de que um sono reparador é o segredo para uma melhor aparência física e para nos mantermos em forma.

Segundo demonstraram várias pesquisas, quando se dorme mal, temos um aspecto pouco saudável que é refletido principalmente em nosso rosto. Com o tempo, esta situação pode progredir e ser a causa do envelhecimento precoce.

Descubra: Hábitos alimentares para combater o envelhecimento precoce

Enfraquecimento do tecido cerebral

Passar uma noite sem dormir pode ocasionar enfraquecimento e perda de tecido cerebral. Este valor é calculado pelos níveis sanguíneos de duas moléculas cerebrais, a enolase, neurônio-específica, e a proteína S-100B, que tende a aumentar se houver um dano.

Problemas de concentração e memória

O fato de dormir mal e ter um sono pouco reparador influi em nossa capacidade de concentração e nos deixa mais esquecidos. Estes problemas podem afetar a nossa capacidade de aprendizagem e a capacidade de retenção de informações.

Leia também: Alimentos naturais para combater a perda de memória

Aumenta o risco de um derrame cerebral

derrame-cerebral

A longo prazo, dormir mal e ter maus hábitos de sono podem aumentar o risco de ter um derrame cerebral, principalmente nos adultos e idosos.

Dormir mal aumenta o risco de obesidade

A ansiedade alimentar aumenta nas horas em que não conseguimos dormir. Numerosos estudos afirmam que não dormir bem afeta o metabolismo e hormônios como a grelina e a leptina, que regulam o apetite, mudando seus níveis consideravelmente.

Maior risco de contrair câncer

Mesmo que uma coisa não pareça ter nada a ver com a outra, as pesquisas determinaram que pessoas que não dormem bem, correm maior risco de desenvolver pólipos colorretais, que podem se tornar malignos com o passar do tempo.

Além disso, outros estudos relacionaram os problemas do sono com o desenvolvimento do câncer de mama.

Doenças cardíacas

consequências de dormir mal

Um estudo publicado pela Harvard Health Publications assegura que a falta de um bom sono está relacionada ao aumento da hipertensão, obstrução das artérias e problemas cardíacos.

Menor expectativa de vida

Dormir bem é sinônimo de qualidade de vida e longevidade, assim revelou uma pesquisa da revista Sleep, que durante muito tempo se dedicou a estudar os hábitos de sono de 1.741 homens e mulheres.

Foi descoberto que as pessoas que dormiam menos corriam maior risco de morte precoce quando comparadas às que descansavam bem.