10 alimentos com propriedades anticancerígenas?

27 Outubro, 2020
Não existe nenhum alimento que possa tratar, curar ou prevenir o câncer. Portanto, o mais recomendável é manter uma dieta equilibrada e, em geral, um estilo de vida saudável.

Embora o câncer ainda seja uma doença incurável, várias pesquisas continuam procurando uma possível cura ou pelo menos maneiras de melhorar os tratamentos existentes e, assim, ajudar os pacientes.

Diversas investigações se aprofundaram nas propriedades e nos compostos de certos alimentos e bebidas, tentando encontrar alguma solução. No entanto, no momento, o que ficou claro é que o consumo de um determinado tipo de alimento ou bebida não tem a capacidade de prevenir ou curar o câncer.

Vamos revisar quais alimentos e bebidas foram pesquisas mais a fundo, mas antes vamos ver o que dizem os especialistas.

Câncer e dieta: uma relação complexa

De acordo com os especialistas da Associação Espanhola de Combate ao Câncer (AECC), seria aconselhável seguir “uma dieta rica em frutas e vegetais e pobre em gorduras, além de evitar a obesidade e fazer exercícios físicos para se proteger contra certos tipos de câncer”.

Da mesma forma, os especialistas apontam que, como não existem alimentos capazes de atender a todas as necessidades do organismo para que ele funcione adequadamente, é fundamental manter a variedade na alimentação e não depender apenas do consumo de um determinado alimento.

Por outro lado, lembram que é conveniente limitar o consumo de todos os produtos comestíveis que nada contribuem para a saúde: junk food, ultraprocessados, doces e snacks industriais.

Quais são os alimentos e bebidas com propriedades anticancerígenas?

Agora vamos ver quais são os diferentes alimentos e bebidas que foram considerados como possíveis possuidores de propriedades anticancerígenas e que podem ser benéficos para a saúde em geral.

1. Vinho tinto?

Embora o vinho tinto possa ter uma certa quantidade de antioxidantes, seu consumo diário não oferece proteção ao organismo contra o câncer. Além disso, também não ajuda a tratá-lo.

No âmbito popular, considerou-se que talvez pudesse ter tais efeitos devido ao seu teor de antioxidantes e resveratrol. No entanto, estudos em ratos mostraram que o consumo de vinho tinto NÃO previne o câncer

2. Romã?

Assim como outras frutas ricas em antioxidantes, considerou-se que a romã poderia ter um potencial anticâncer.

Foi considerado que os antioxidantes poderiam “retardar” a ação dos radicais livres, prevenir o envelhecimento prematuro e a multiplicação das células cancerígenas. No entanto, foi provado que isso não acontece. Portanto, o consumo de romã não ajuda a prevenir ou a curar o câncer, apenas complementa uma dieta equilibrada.

Leia mais: 8 incríveis benefícios do romã para a saúde

3. Chá verde?

Foi demonstrado que o chá verde, embora contenha antioxidantes e sulforafano, não é uma bebida capaz de prevenir ou curar o câncer. Portanto, não é necessário consumi-la diariamente.

4. Brócolis?

Embora o consumo de vegetais em uma dieta equilibrada possa trazer benefícios à saúde, o consumo de brócolis não previne o aparecimento de tumores na parte final do sistema digestivo. Acreditava-se que sim, devido ao seu teor de sulforafano, um fitoquímico com potencial anticâncer sob certas condições.

Saiba mais: Vitamina de brócolis para emagrecer

5. Café?

No âmbito popular, considerou-se que o consumo de café poderia ter um efeito positivo na prevenção de diferentes tipos de câncer. De acordo com uma revisão publicada em 2018, foi concluído o seguinte:

  • O consumo de café não está associado ao desenvolvimento de cânceres em geral, mas de determinados tipos.
  • Segundo vários estudos, beber uma xícara de café diariamente está associado a um risco reduzido de câncer de fígado. Também foi possível observar alguma redução no risco de câncer oral e câncer de próstata.
  • Embora pareça haver um efeito favorável no consumo de café em alguns estudos de controle do câncer colorretal, não há estudos de corroborem uma relação consistente entre as duas variáveis.
  • Por outro lado, em várias pesquisas realizadas, os dados obtidos são insuficientes e mistos, sendo necessário um maior aprofundamento nesse sentido. 

6. Alho?

Devido ao seu conteúdo em alicina e outros compostos, o alho foi considerado como um possível aliado na luta contra o câncer e outras doenças. No entanto, evidências encontradas em várias pesquisas deixaram claro que, em resumo, o consumo de alho (de qualquer forma e frequência) não tem efeito protetor contra o câncer.

7. Nozes?

Nos frutos secos, a presença de ácido linoléico é abundante. Esses alimentos representam sua melhor fonte.

Devido ao seu conteúdo em fitoesteróis, as nozes eram consideradas um possível alimento com potencial anticancerígeno. No entanto, os pesquisadores concluíram que é necessário continuar se aprofundando a esse respeito, uma vez que as evidências encontradas até o momento são inconclusivas.

8. Frutas cítricas?

Os alimentos cítricos (como o limão e a laranja), apesar de ricos em vitamina C e outros nutrientes, não possuem “propriedades anticancerígenas” e o seu consumo não protege o corpo de doenças. Contudo, chegou-se a afirmar o contrário, dada a crença popular de que a vitamina C “fortalece” o sistema imunológico.

Especialistas em nutrição e dieta, como Julio Basulto, afirmam que não há (e nem haverá) alimentos ou bebidas com propriedades anticancerígenas.

9. Pêssego?

Será que o pêssego tem propriedades anticancerígenas?

Considerou-se que, por ser rico em polifenóis, o pêssego poderia ser um alimento com potencial anticancerígeno. No entanto, ao aprofundar a questão, verificou-se que o consumo de pêssego não era decisivo na prevenção ou no tratamento do câncer e que era necessário continuar pesquisando a esse respeito.

10. Orégano?

Chegou-se a considerar que o contendo de carvacrol do orégano poderia ter propriedades anticâncer, principalmente nas células das mamas, do fígado e dos pulmões. No entanto, os estudos realizados não foram feitos em seres humanos e, portanto, não foi possível estabelecer conclusões relevantes sobre a sua possível relação com a saúde humana.

Existe um guia que possa esclarecer dúvidas?

Os especialistas da AECC desenvolveram um guia no qual explicam de forma clara, breve e concisa quais são as principais crenças incorretas, mitos e pseudoterapias errôneas sobre o câncer. Nele, fica muito claro que os remédios naturais não são aconselháveis.

  • Kris-Etherton, P. M., Hecker, K. D., Bonanome, A., Coval, S. M., Binkoski, A. E., Hilpert, K. F., … Etherton, T. D. (2002). Bioactive compounds in foods: their role in the prevention of cardiovascular disease and cancer. The American Journal of Medicine.
  • Jurenka, J. (2008). Therapeutic applications of pomegranate (Punica granatum L.): A review. Alternative Medicine Review.
  • Cabrera, C., Artacho, R., & Giménez, R. (2006). Beneficial effects of green tea–a review. Journal of the American College of Nutrition.
  • Czapski, J. (2009). Cancer Preventing Properties of Cruciferous Vegetables. Vegetable Crops Research Bulletin. https://doi.org/10.2478/v10032-009-0001-3
  • Gaascht, F., Dicato, M., & Diederich, M. (2015). Coffee provides a natural multitarget pharmacopeia against the hallmarks of cancer. Genes and Nutrition. https://doi.org/10.1007/s12263-015-0501-3
  • Iciek, M., Kwiecień, I., & Włodek, L. (2009). Biological properties of garlic and garlic-derived organosulfur compounds. Environmental and Molecular Mutagenesis. https://doi.org/10.1002/em.20474
  • Vadivel, V., Kunyanga, C. N., & Biesalski, H. K. (2012). Health benefits of nut consumption with special reference to body weight control. Nutrition. https://doi.org/10.1016/j.nut.2012.01.004
  • Matheyambath, A. C., Padmanabhan, P., & Paliyath, G. (2015). Citrus Fruits. In Encyclopedia of Food and Health. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-384947-2.00165-3
  • Noratto, G., Porter, W., Byrne, D., & Cisneros-Zevallos, L. (2009). Identifying peach and plum polyphenols with chemopreventive potential against estrogen-independent breast cancer cells. Journal of Agricultural and Food Chemistry. https://doi.org/10.1021/jf900259m
  • Gutiérrez-Grijalva, E., Picos-Salas, M., Leyva-López, N., Criollo-Mendoza, M., Vazquez-Olivo, G., & Heredia, J. (2017). Flavonoids and Phenolic Acids from Oregano: Occurrence, Biological Activity and Health Benefits. Plants. https://doi.org/10.3390/plants7010002