Você acorda com um sabor amargo na boca?

14 Outubro, 2018
A causa mais comum do mau hálito são as bactérias que vivem em nossa boca e se proliferam diante da falta de saliva. Beber água é o melhor remédio para acabar com elas.

Talvez você já tenha passado por isso alguma vez: levantar pela manhã e sentir um sabor amargo na boca. Por que isso acontece? É mais comum do que você imagina, mas não é nada grave. Em certas ocasiões, é indicativo de uma má alimentação, acúmulo de bactérias, entre outros. Explicaremos mais sobre o assunto neste artigo.

A simples realidade é que quase todos nós levantamos com um sabor estranho na boca; nossa língua acumula uma série de bactérias armazenadas durante a noite que provocam esse sabor amargo na boca, algo que incomoda em especial quando acordamos junto com o nosso parceiro.

É normal, mas os médicos dizem que, em certos casos, este sabor amargo na boca pode estar associado a algum tipo de doença.

Causas do mau hálito pela manhã

Causas do gosto amargo na boca

Bactérias

Esse sabor amargo na boca é geralmente produzido por bactérias anaeróbias que estão atrás da língua e secretam pequenas quantidades de enxofre.

Se durante o dia não tivermos esta incômoda sensação é porque a saliva a faz desaparecer, destruindo essas partículas de enxofre. Mas à noite, a produção de saliva reduz drasticamente e estes elementos ficam na nossa língua, causando este sabor desagradável. É algo que acontece com todas as pessoas.

Sinusite

A sinusite torna a mucosa nasal mais sensível, o que a faz liberar várias secreções. A mucosa nasal é rica em proteínas e proporciona um bom alimento para as mesmas bactérias que mencionamos antes. Estas se multiplicam e aparecem em maior quantidade, e por isso seguem produzindo mais enxofre, originando esse sabor ruim na boca.

O esôfago

Você pode sofrer com acidez no esôfago caso ele esteja inflamado. A digestão fica mais difícil. Esta acidez alimenta novamente as bactérias de nossa língua, e o sabor será especialmente ácido.

Leia também: Sintomas de inflamação no esôfago

Problemas no fígado

Já sabemos que o fígado cumpre a função essencial de limpar o nosso organismo de toxinas, de elementos nocivos e prejudiciais, além de cumprir outros mecanismos essenciais na metabolização de enzimas. Mas pode acontecer que, de repente, exista algum problema e um dos sintomas é precisamente esse sabor amargo na boca pela manhã.

Icterícia

A icterícia aparece quando temos algum problema na hora de metabolizar a bilirrubina, uma disfunção associada, por sua vez, com o fígado, que produz alterações nos glóbulos vermelhos, derivando depois em uma série de problemas em nosso organismo. Os sintomas mais evidentes são a cor da pele amarelada, assim como um sabor amargo na boca que aumenta pela manhã.

Recomendamos a leitura: Icterícia em bebês: sintomas e tratamento

Remédio para evitar o sabor amargo na boca pela manhã

Receita para evitar sabor amargo na boca

O melhor, sem dúvida, é recorrer a alimentos que nos ajudem a desintoxicar o corpo. Para isso, seria conveniente realizar as seguintes ações:

  • Começar o dia comendo um dente de alho em jejum. Se o consumo for constante, nos beneficiaremos do maior desintoxicante natural que existe. Não deixe de experimentá-lo.
  • Um suco desintoxicante para jantar: lembre-se de que esta simples receita deverá ser tomada durante a janta por, pelo menos, 8 dias seguidos no mês. Ingredientes: uma beterraba, um dente de alho, o suco de meio limão, um raminho de salsinha e uma colher de chá de mel. Leve todos os ingredientes ao liquidificador e bata até ficar bem homogêneo. O suco ajudará a limpar o corpo, eliminar toxinas e bactérias, e tirar o sabor ruim da boca. Experimente!
  • Delanghe G, bollen C, Vvan Steenberghe D, y feenstra L (1998). Halitose, foetor ex
    ore. Nederlands Tijdschrift Tandheelkunde 105, 314-317.
  • Iwakura M, Yasuno Y, Shimura M, y Sakamoto S (1994). Clinical characteristics of halitosis: differences in two patient groups with primary and secondary complaints of halitosis. Journal of Dental Research 73, 1568-1574.
  • Klokkevold PR (1997). oral malodor: a periodontal perspective. Journal of the Californian Dental Assocociation 25, 153-159.
  • Miyazaki H, Arao M, okamura K, Kawaguchi Y, Toyofuku A, Hoshi K, Yaegaki K. (1999) Tentative classification of halitosis and its treatment needs. Niigata Dental Journal32, 7-11.
  • Ratcliff PA y Johnson PW (1999). The relationship between oral malodor, gingivitis and periodontitis. A review.Journal of Periodontology 70, 485-489.
  • Schmidt Nf y Tarbet WJ (1978). The effect of oral rinses on organoleptic mouth odor ratings and levels of volatile sulfur compounds. Oral Surgery Oral Medicine Oral Pathology 45, 876-883.