Vacina da poliomielite: tudo que você precisa saber

Existem duas versões da vacina contra a poliomielite, e ambas contribuíram para a quase erradicação da doença no mundo. Compartilhamos aqui o que você deve saber sobre esta imunização.
Vacina da poliomielite: tudo que você precisa saber

Última atualização: 18 Janeiro, 2021

Atualmente, a vacina da poliomielite é o exemplo claro de que planos de imunização sustentados ao longo do tempo dão resultados, independentemente do que dizem os seus detratores. Devido a este medicamento, a poliomielite, que é uma doença grave, está quase desaparecendo do mundo.

Este método simples, barato e difundido, com eficácia comprovada, reduz a transmissão do vírus na população geral, tanto em crianças quanto em adultos. Em que ele consiste? Quando a vacina é aplicada? Saiba todos os detalhes a seguir.

O que é a poliomielite?

A poliomielite é uma doença causada pelo poliovírus, do qual são conhecidos 3 tipos. Um deles já desapareceu e não há novos registros de surtos. Os outros 2 ainda estão ativos, mas com baixa incidência, em decorrência das vacinações globais.

Uma pessoa contrai poliomielite quando entra em contato com outra pessoa infectada ou quando o vírus usa alimentos para se transportar e, então, infectar. Isso ocorre pelo mecanismo ânus-mão-boca, que consiste na contaminação de bebidas e alimentos pela matéria fecal.

A maioria dos infectados é assintomática, ou seja, não apresenta sinais da doença. No entanto, o pequeno grupo com síndromes clínicas tem potencial para evoluir para complicações graves, como a paralisia.

A forma paralítica é a mais grave de poliomielite. As pessoas sofrem o efeito da fraqueza muscular que se estende a todas as regiões do corpo, incluindo a área do peito. Na verdade, compromete a dinâmica respiratória, o que leva à morte por asfixia.

Não há cura para a poliomielite. Portanto, a vacinação passou a representar uma abordagem possível para prevenir a propagação descontrolada do vírus.

Vírus da poliomelite
A poliomielite é uma doença que pode causar complicações graves. É contraída pelo contato com uma pessoa infectada ou pelo consumo de alimentos ou água contaminados.

Quais são as vacinas contra a poliomielite?

A ciência conseguiu desenvolver duas versões de vacinas contra a poliomielite. Elas são conhecidas pelos nomes de seus criadores, e são chamadas de Sabin e Salk. A primeira é administrada por via oral, e a segunda por via intramuscular.

Vacina Sabin

A vacina Sabin é uma imunização com vírus vivo atenuado. Para isso, os laboratórios provocam mutações genéticas nas partículas virais para torná-las menos virulentas. Dessa forma, uma vez inoculados, podem gerar sintomas, mas muito leves. O que não se altera é a produção da imunidade.

Uma característica da vacina Sabin é seu poder de replicação no sistema digestivo. Isso causa o “efeito de manada”, pois quem foi inoculado expele, com suas fezes, partículas atenuadas que ajudam a imunizar os coabitantes de um mesmo domicílio.

Vacina Salk

A versão Salk , como antecipamos, é intramuscular. É aplicada, como as demais vacinas, por meio de uma punção que penetra no músculo e ali deixa a substância. Nesse caso, os vírus não são atenuados, mas inativos.

O procedimento é diferente e o resultado varia um pouco em relação à vacina Sabin. Todo o processo intestinal não é realizado, por isso esta imunização é eficaz na prevenção de formas graves da doença, mas não tem efeito de rebanho nem impede que os indivíduos transportem o vírus no seu sistema digestivo.

Quem deve tomar a vacina contra a poliomielite?

As indicações para a vacina contra a poliomielite variam de país para país. Os países desenvolvem protocolos para administração de imunizações de acordo com a epidemiologia local e a legislação vigente. Em termos gerais, a maioria concorda com o seguinte:

  • As crianças devem receber um esquema repetitivo para obter imunidade. São o grupo populacional que corre o maior risco, por isso o objetivo é chegar a todos, de uma forma ou de outra.
  • Geralmente, são 5 doses. A aplicação é feita aos 2 meses, depois aos 4 e 6, continua aos 18 meses e uma última dose é dada aos 6 anos. As datas podem variar um pouco.

No caso dos adultos, o consenso é menor. Se for comprovado que, quando criança, alguém não recebeu o esquema correspondente, aplicações semelhantes são feitas com os mesmos intervalos das crianças. Aqueles que viajam para países com alta prevalência de pólio e profissionais de saúde que trabalham com pacientes com a doença também devem ser imunizados.

Vacina contra a poliomielite
A vacina contra a poliomielite é uma prioridade no esquema de vacinação infantil.

Possíveis efeitos colaterais da vacina contra a poliomielite

De modo geral, a vacina contra a poliomielite, em qualquer versão, tem poucos efeitos adversos. No caso da Salk, a maioria deles se concentra no local da injeção e consiste em vermelhidão e inflamação.

Com a versão Sabin da imunização, há sintomas gastrointestinais leves que consistem em diarreia, algumas náuseas e até febre abaixo de 37,5ºC. Esta febre é autolimitada e não excede 48 horas.

Alguns artigos relataram reações mais graves, das quais a reação alérgica é a mais preocupante. Felizmente, não há tantos casos e estima-se que ocorra cerca de 1 evento adverso a cada 1 milhão de habitantes.

A vacina contra a poliomielite é eficaz e está disponível em todo o mundo

A vacina contra a poliomielite é uma forma muito eficaz de prevenir esta doença. Não são tantas as patologias que têm a propriedade de serem facilmente evitadas se o esquema de imunização for seguido.

Por isso, é fundamental que países e indivíduos aumentem seus esforços para realizar essa vacinação. Falta muito pouco para erradicarmos completamente a poliomielite do planeta, e seria uma perda de décadas de trabalho se isso não continuasse a ser desenvolvido.

Se você tem filhos pequenos, verifique com o centro de saúde mais próximo como fazer a vacinação. Se você já é adulto, verifique sua carteira de vacinação para ver se ela está atualizada. Nas salas de imunização dos hospitais, você pode encontrar as informações adequadas para se assegurar de que está tudo certo.

Pode interessar a você...
Será que teremos uma vacina contra o câncer no cérebro?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Será que teremos uma vacina contra o câncer no cérebro?

O jornal El País publicou, em dezembro de 2018, uma história que falava sobre uma vacina personalizada para pacientes que sofrem de câncer no céreb...



  • Mosquera Gordillo, Miguel Armando, Natalia Barón Cano, and Rosa Ballester Añón. “El camino hacia la erradicación de la poliomielitis a través de la Organización Panamericana de la Salud.” Revista Panamericana de Salud Pública 36 (2014): 185-192.
  • Ursei, M. “Parálisis del miembro inferior en el niño.” EMC-Aparato Locomotor 52.3 (2019): 1-14.
  • Jacobs, I. G., et al. “La poliomielitis.” MEDICINA (Buenos Aires) 71.5 (2011): 467-468.
  • Brown, El Dr Harold. “Albert Sabin:(1906-1993) Pionero en la vacunación contra la poliomielitis.”
  • Kumate, Jesús. “Cincuentenario de la vacuna Salk.” Boletín médico del Hospital Infantil de México 62.4 (2005): 239-241.
  • Martínez, M. Pilar Arrazola, José Ramón de Juanes Pardo, and Aurelia García de Codes Ilario. “Conceptos generales. Calendarios de vacunación sistemática del niño y del adulto en España. Impacto de los programas de vacunación.” Enfermedades Infecciosas y Microbiología Clínica 33.1 (2015): 58-65.
  • Moreno-Pérez, David, et al. “Calendario de vacunaciones de la Asociación Española de Pediatría (CAV-AEP): recomendaciones 2016.” Anales de Pediatría. Vol. 84. No. 1. Elsevier Doyma, 2016.
  • Rivas, Pablo, et al. “Vacunas en la población inmigrante adulta.” Enfermería Clínica 16.5 (2006): 275-279.
  • Dominguez, Angela, et al. “False beliefs about vaccines.” Atencion primaria 51.1 (2018): 40-46.
  • Fernández-Cruz Pérez, Eduardo, and Carmen Rodríguez-Sainz. “Inmunología de la poliomielitis: vacunas, problemas para la prevención/erradicación e intervenciones de futuro.” Revista Española de Salud Pública 87.5 (2013): 443-454.
  • Ejecutivo, Consejo. Poliomielitis: erradicación: informe del Director General. No. EB144/9. Organización Mundial de la Salud, 2018.