5 cuidados para tratar a vaginose bacteriana

25 de fevereiro de 2020
A vaginose bacteriana é uma infecção vaginal que se desenvolve a partir de uma proliferação de bactérias. Embora os antibióticos contribuam para o seu alívio, outros cuidados também são fundamentais. Descubra-os!

Para tratar a vaginose bacteriana, o médico pode prescrever alguns antibióticos por via oral ou na forma de creme. No entanto, existem outros cuidados que são decisivos ao lidar com esta infecção. Como combatê-la corretamente? É isso que iremos explicar a seguir.

A vaginose bacteriana é um tipo de infecção vaginal que se desenvolve devido a um crescimento excessivo de bactérias na área íntima. Em seu estado natural, a vagina possui uma flora bacteriana que a protege contra micro-organismos nocivos. No entanto, quando seu pH é alterado, as bactérias crescem e a infecção ocorre.

Como resultado, surgem sintomas desconfortáveis, como corrimento intenso e espesso, cheiro desagradável e coceira na área íntima.

Acredita-se que esta doença esteja relacionada à aplicação de duchas vaginais, uso de produtos perfumados, sexo desprotegido e uso de certos medicamentos. Mas, como controlá-la? Confira a seguir.

Cuidados para tratar a vaginose bacteriana em casa

Casos leves de vaginose bacteriana ocorrem de forma assintomática e desaparecem sem a necessidade de tratamento. No entanto, quando ela provoca desconforto e sintomas, o médico pode sugerir medicamentos antibióticos como metronidazol, tinidazol ou clindamicina para uso tópico (aplicação local).

Além dos medicamentos, existem outros cuidados para tratar a vaginose bacteriana em casa. São estratégias simples que ajudam a bloquear o crescimento de bactérias nocivas, favorecendo a regulação do pH vaginal. Descubra-os!

Leia também: O que você deve saber sobre a vaginose bacteriana

1. Coma iogurte natural

Mulher tomando iogurte
O consumo de probióticos é benéfico para restabelecer as bactérias normais, seja em receitas ou em alimentos in natura, como o iogurte.

O iogurte natural com probióticos é um alimento muito benéfico no tratamento da vaginose bacteriana. Graças ao seu conteúdo de micro-organismos vivos, ajuda a restaurar a flora vaginal normal. Também fortalece as funções do sistema imunológico e melhora a resposta contra patógenos.

  • Para obter esses benefícios, coma pelo menos uma porção de iogurte por dia. Além disso, opcionalmente, aplique uma pequena quantidade de iogurte na parte externa da vagina.

2. Tome probióticos para tratar a vaginose bacteriana

O iogurte natural é uma fonte importante de probióticos. No entanto, existem muitas outras opções adequadas no tratamento da vaginose bacteriana. De acordo com uma pesquisa realizada em 2014, tomar suplementos de probióticos diariamente pode ajudar no combate a infecções vaginais.

  • Os probióticos podem ser adquiridos previamente preparados sob várias formas. Eles também são obtidos naturalmente pela ingestão de alimentos fermentados como, por exemplo, chucrute, kefir, kombucha, entre outros.

3. Use roupas íntimas de algodão respiráveis

Roupas íntimas confortáveis
As roupas íntimas transpiráveis de algodão evitam a umidade na região, que pode desencadear infecções.

Existem roupas íntimas cujos materiais de fabricação não são tão respiráveis ​​quanto o algodão. Peças feitas de tecidos sintéticos podem reter a umidade e criar o ambiente perfeito para a proliferação de bactérias.

  • Para ajudar a acelerar a recuperação da vaginose bacteriana e prevenir futuras infecções, o melhor é usar roupas íntimas de algodão respirável. Além disso, também é importante evitar usar calças muito apertadas.

Descubra: 5 remédios naturais para combater a vaginose bacteriana

4. Pratique uma boa higiene

A prática de bons hábitos de higiene íntima é fundamental quando se trata de prevenir e tratar a vaginose bacteriana. Ainda que muitos ignorem este fato, as áreas anal e vaginal estão muito próximas. Portanto, muitas vezes as bactérias do reto passam para a vagina. Por isso, é essencial manter alguns cuidados.

  • Sempre se limpar de frente para trás depois de usar o banheiro.
  • Trocar os tampões e os absorventes várias vezes ao dia durante o período menstrual.
  • No caso de usar brinquedos sexuais, estes devem ser muito bem limpos com sabão neutro e água quente.
  • Ao fazer sexo, é melhor usar camisinha.

5. Lave as mãos antes de tocar a região íntima

Lavar as mãos com frequência
Higienizar a região íntima e as mãos antes e depois de elas entrarem em contato uma com a outra ajuda a evitar infecções.

Embora lavar as mãos constantemente faça parte das boas práticas de higiene, é essencial fazer uma menção especial. Por que razão? A maioria das mulheres não lava as mãos antes de ter contato com a sua região íntima. No entanto, elas quase sempre fazem isso depois.

O ideal é fazê-lo antes e depois de ter qualquer contato com a vagina. As mãos entram em contato com muitas superfícies e bactérias. Portanto, tocar as partes íntimas sem uma lavagem prévia pode causar, ou piorar, uma vaginose bacteriana.

  • Certifique-se de lavar bem as mãos antes de entrar no banheiro ou de ter qualquer contato com a sua região íntima. Procure usar um sabonete antibacteriano para aumentar a segurança.

Você tem notado alguma anormalidade no seu corrimento vaginal? Sente um cheiro desagradável na sua área íntima? Talvez você tenha vaginose bacteriana. Coloque em prática as dicas mencionadas para auxiliar no seu tratamento. Por fim, se não notar melhora em pouco tempo, consulte seu médico ou ginecologista.

  • Rosca, A., & Cerca, N. (2018). Bacterial vaginosis. In Diagnostics to Pathogenomics of Sexually Transmitted Infections. https://doi.org/10.1002/9781119380924
  • Senok, A. C., Verstraelen, H., Temmerman, M., & Botta, G. A. (2009). Probiotics for the treatment of bacterial vaginosis. Cochrane Database of Systematic Reviews. https://doi.org/10.1002/14651858.CD006289.pub2
  • Neri, A., Sabah, G., & Samra, Z. (1993). Bacterial vaginosis in pregnancy treated with yoghurt. Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica. https://doi.org/10.3109/00016349309013342
  • Homayouni, A., Bastani, P., Ziyadi, S., Mohammad-Alizadeh-Charandabi, S., Ghalibaf, M., Mortazavian, A. M., & Mehrabany, E. V. (2014). Effects of probiotics on the recurrence of bacterial vaginosis: A review. Journal of Lower Genital Tract Disease. https://doi.org/10.1097/LGT.0b013e31829156ec
  • Wilson, J. (2004). Managing recurrent bacterial vaginosis. Sexually Transmitted Infections. https://doi.org/10.1136/sti.2002.002733