Transtorno negativista desafiante em crianças: como agir?  

27 de julho de 2019
Você conhece a transtorno negativista desafiante em crianças? É possível que não tenha ouvido falar sobre isso ou que esteja procurando informações para saber se seu filho está sofrendo com esse problema.  

Você conhece a transtorno negativista desafiante em crianças? É possível que você não tenha ouvido falar sobre isso ou que esteja procurando informações para saber se seu filho está sofrendo com esse problema. Neste artigo detalhamos o que é, e como você deve agir.

O transtorno negativista desafiante (TND) é geralmente diagnosticado na infância. Caracteriza-se por comportamentos muito negativos e desafiantes, como o próprio nome sugere. A criança se mostra pouco cooperativa, irritável, e chateada diante das pessoas à sua volta: seus pais, colegas, professores, etc…

Transtorno negativista desafiante em crianças: meu filho tem isso? 

Esse transtorno comportamental afeta um percentual entre 1 e 16% das crianças em idade escolar, mais nos meninos do que nas meninas. No entanto, devemos diferenciar quando ocorrem os sintomas de maneira preocupante ou como algo transitório, por exemplo, quando a criança está com fome, com sono ou cansada.

Isso pode ser comum quando a criança tem entre 2 e 3 anos de idade como um estágio transitório. No entanto, devemos prestar atenção quando a atitude desafiadora e de oposição é repetida com mais frequência. Também quando está dificultando o processo de aprendizagem, as aulas, ou os relacionamentos com seus colegas.

Sintomas frequentes 

As crianças com Transtorno negativista desafiante não querem estudar

Os sintomas mais frequentes do transtorno desafiador de oposição em crianças são os seguintes:

  • Birras e raiva.
  • Discussões constantes com as pessoas ao seu redor.
  • Negativa e questionamento para fazer com o que lhe dizem os adultos.
  • Atitude de incomodar os outros  e suscetibilidade quando os outros incomodam.
  • Linguagem fria e desrespeitosa.
  • Atitudes vingativas.

Leia também: Por que algumas crianças se comportam mal na presença de sua mãe?

Como agir diante do transtorno negativista desafiador em crianças? 

1. O diagnóstico correto 

Em primeiro lugar, esses sintomas também podem ser confundidos com outros transtornos de comportamento. Portanto, se eles são constantes devemos ir ao médico para que seja ele quem faça o diagnóstico apropriado. Desta forma podemos saber como agir corretamente.

Na maioria dos casos, pais e professores são os que detectam essas características nas crianças. No entanto, é necessário que um psiquiatra infantil ou profissional de saúde mental  os avalie mediante sua história e de alguns testes específicos.

2. Tratamento à base de terapia 

Um psicólogo pode ajudar a combater o Transtorno negativista desafiante em crianças

No nível terapêutico, pode-se agir de maneiras diferentes. Primeiro, a criança pode participar da psicoterapia de maneira individual. A terapia cognitivo-comportamental é frequentemente usada para melhorar suas habilidades sociais e interpessoais, bem como o controle de seus impulsos e emoções.

Além disso, também é importante incluir toda a família na terapia , especialmente os pais. A terapia familiar pode promover boa comunicação e resolução de conflitos. Também se apresenta como um apoio emocional e prático para os pais, muitas vezes sobrecarregado pela situação.

Por outro lado, a terapia a nível familiar também visa resolver esse transtorno desde sua causa. Atualmente, ela aponta para padrões de comportamento aprendidos nos primeiros anos de pessoas referentes, como origem desse desequilíbrio. Também se relaciona com a falta de disciplina, abuso, situações traumáticas e estressantes, ou falta de harmonia familiar, entre outros fatores.

Confira ademais: Animais de Estimação: Você sabe por que são tão bons para a saúde física e mental?

3. Medicação 

A medicação não é o tratamento usual para o transtorno negativista desafiante em crianças, uma vez que também acarreta efeitos secundários para a saúde. No entanto, em alguns casos, o médico pode avaliar este tratamento com antipsicóticos.

Especialmente quando a criança apresenta comportamento agressivo, se há um agravamento significativo, ou quando nenhuma outra opção terapêutica não traz resultados. Além disso, se representa perigo a permanência da criança em casa ou na escola.

Em alguns casos, se esse distúrbio é acompanhado por outros problemas comportamentais, outros tipos de medicamentos podem ser prescritos. Por exemplo, estimulantes se você sofre de TDAH, ou antidepressivos se tiver que lidar com estágios de depressão e ansiedade. O objetivo é melhorar sua qualidade de vida, mas os efeitos adversos dos medicamentos devem ser sempre levados em conta.

Finalmente, tanto a criança quanto seus familiares e entes queridos terão que fazer um grande esforço de amor e paciência. Esse tipo de transtorno mental causa grande angústia e desespero em todo o ambiente, além de constante sensação de impotência. Mas com o tratamento certo e uma atitude positiva, esse distúrbio pode ser superado.

 

  • Ghosh, A., Ray, A., & Basu, A. (2017). Oppositional defiant disorder: Current insight. Psychology Research and Behavior Management. https://doi.org/10.2147/PRBM.S120582
  • Gale, B. M. (2011). Oppositional defiant disorder. In Stepped Care and e-Health: Practical Applications to Behavioral Disorders. https://doi.org/10.1007/978-1-4419-6510-3_10
  • Greene, R. W., Biederman, J., Zerwas, S., Monuteaux, M. C., Goring, J. C., & Faraone, S. V. (2002). Psychiatric comorbidity, family dysfunction, and social impairment in referred youth with oppositional defiant disorder. American Journal of Psychiatry. https://doi.org/10.1176/appi.ajp.159.7.1214