Mejor con Salud
 

Como os gritos prejudicam as crianças

Diferentes investigações sugeriram que gritar poderia prejudicar as crianças a nível emocional, cerebral e físico. Descubra tudo a respeito neste artigo.

Como os gritos prejudicam as crianças

Última atualização 31 Maio, 2019

Gritar com as crianças nunca é a melhor opção para educá-las. Acredite ou não, os gritos também são uma forma de violência que pode causar danos a longo prazo à personalidade, e ao cérebro da criança.

Em seguida, dizemos por que é melhor educar de maneira respeitosa, evitando gritar com as crianças. Não perca este artigo e descubra como você pode disciplinar com amor e empatia.

Os gritos dos pais

Pessoa gritando

De acordo com os dados publicados no livro “Vencendo a Raiva: 7 estratégias para desarmar nossa emoção mais perigosa” do psiquiatra Joseph Shrand, Ph.D., quando você começa a levantar a voz é ativado o sistema límbico da criança. O mesmo é responsável pela resposta instintiva «lutar ou fugir».

Assim, quando você grita para as crianças em vez de fazê-las escutar e prestar atenção, alcança o efeito contrário. Isso faz com que elas gritem, sozinhas, ou escapem e se fechem.

Além disso, gritar não é bom nem para você nem para seus filhos. Vamos ver juntos que consequências podem chegar a ter os gritos nas mentes dos pequenos.

Não perca: Dia contra o abuso infantil: proteger as crianças é responsabilidade de todos

Por que evitar gritar com as crianças

1. Gritar geraria mudanças no cérebro infantil

Mãe gritando

Um estudo de 2011 concluiu que a exposição precoce e contínua ao estresse gerado pelos gritos pode mudar a forma como o cérebro processa as informações recebidas através da linguagem.

Gritar com as crianças pode mudar o modo como o cérebro infantil se desenvolve, processando as informações e os eventos negativos de maneira mais exaustiva e rápida que a positiva.

2. Gritar com as crianças causaria depressão e a baixa autoestima

Você se lembra de como se sentiu quando sua mãe, pai, ou professor gritavam com você? Quando você grita com as crianças provoca medo, frustração e tristeza. No entanto, além dessas emoções transitórias, pode afetar seriamente a psique da criança.

Elevar a sua voz para que seus filhos ouçam você transmite uma mensagem alta e clara: “eles não são bons o suficiente para fazer as coisas direito, como você espera”. A falta de paciência e tolerância pode fazê-los sentir que não estão à altura das suas expectativas, prejudicando assim a sua autoestima.

Por outro lado, algumas pesquisas sugerem que o abuso verbal pode ser a causa de problemas psicológicos na vida adulta. De fato, gritar tem sido associado com a depressão e ansiedade, e até mesmo com ações autodestrutivas, como abuso de álcool e drogas, ou atividades sexuais de risco.

3. O abuso emocional agravaria os problemas comportamentais

Os gritos machucam

Como explicamos no início do artigo, gritar com as crianças faz com que o sistema límbico responda, por meio de um processo de defesa ou de fuga. Em muitos casos, longe de consertar um problema, elevar a voz aos seus filhos pode piorar a situação, aumentando a rebeldia e a teimosia, chegando até mesmo a se colocar em perigo.

Os pesquisadores observaram que as crianças de 13 anos estudadas, que vivenciaram situações estressantes devido aos gritos de seus pais, aumentaram os comportamentos negativos a médio prazo. Por isso, agora que você sabe, evite gritar com as crianças se não quiser que a situação se torne ainda mais complicada.

4. Gritar ensina-lhes um caminho errado para lidar com o que lhes acontece

Sem dúvida alguma, os pais são o espelho no qual as crianças se olham. Se não soubermos administrar nossas emoções, como podemos esperar que elas saibam? Ao perder o controle nós os ensinamos a se comportarem como nós. Quando gritamos, mostramos a eles que esta é a maneira de conseguir o que desejam.

Por que não falamos em vez de gritar? Por que não ensinamos as crianças a lidarem com suas frustrações de maneira positiva? Vamos dar o exemplo para que amanhã elas se tornem adultos confiantes, empáticos e respeitosos com os outros.

Descubra ademais: 7 modos de começar bem o dia para combater o estresse e ansiedade

5. Gritar pode afetar a saúde física das crianças

Pai gritando com o filho

Alguns estudos chegaram à conclusão de que o estresse que as crianças experimentam diante da exposição aos gritos contínuos pode levar a doenças crônicas. Essas doenças podem ser causadas pela descarga endócrina gerada pelo estresse.

Entre os possíveis problemas físicos encontramos:

  • Artrite
  • Enxaqueca ou dores de cabeça severas
  • Problemas nas costas e pescoço
  • Outras dores crônicas

Em conclusão, se quisermos que nossos filhos se tornem adultos felizes, emocionalmente empáticos, resilientes e saudáveis, precisamos aprender a administrar nossas emoções primeiro. Gritar com as crianças não é a solução para nossos problemas, nem fará nossos filhos aprenderem ou se vestirem mais rápido.

Finalmente, desista de gritar hoje mesmo, e tente técnicas de educação respeitosa e positiva. Quando você sentir que está prestes a explodir, afaste-se, respire, e recupere a calma. Raciocine e volte ao seu nível. Lembre-se de que você é o espelho no qual seus filhos se olham, e que a valorização que terão de si mesmos depende em grande parte de você.

Como parar de gritar com as crianças?

Como parar de gritar com as crianças?

Você não consegue parar de gritar com as crianças? Às vezes, devido às nossas responsabilidades e ocupações, acabamos perdendo o controle com os menores