5 traços psicológicos das pessoas submissas

28 Fevereiro, 2020
As pessoas submissas costumam carregar em suas costas um passado de dor. Isso pode ser o que fez elas adquirirem essa característica, para que pudessem se proteger e não sofrer mais.

As pessoas submissas se caracterizam por não levantar a voz, manter-se sempre em segundo lugar e acatar tudo aquilo que as pessoas mais autoritárias podem exigir.

Às vezes, uma atitude deste tipo pode levar uma pessoa a se envolver em relações prejudiciais nas quais pode sair claramente machucada. No entanto, mudar esta forma de ser pode ser complicado.

Não é que este tipo de pessoa não queira deixar de ser submissa, e sim que, pelas experiências que já viveram, adquiriram determinados traços psicológicos dos quais não conseguem se livrar facilmente. Vejamos neste artigo quais são eles.

Leia também: Síndrome da mulher maltratada: como obter ajuda

1. As pessoas submissas não são assertivas

As pessoas submissas não são assertivas

As pessoas submissas não priorizam suas necessidades nem o que possam querer. Em vez disso, sempre pensam primeiro no que os outros precisam ou desejam.

Sua falta de assertividade as leva, por exemplo, a adotar um papel totalmente secundário em um grupo de trabalho. Tudo isso por causa da grande dificuldade que têm para expressar seus pontos de vista e suas opiniões.

Embora desejem fazê-lo, elas mesmas se coíbem e se deixam para trás. Acreditam que o que pensam não será levado em conta e até duvidam de suas próprias opiniões, sobre se elas são, na verdade, bobeiras.

2. Seu passado está repleto de dor

As pessoas submissas talvez não tenham nascido com esta maneira de ser e se comportar. As experiências vividas podem ter feito com que, pouco a pouco, fossem se fechando em si mesmas.

Uma infância onde a relação entre os pais não foi saudável, ou uma adolescência carregada de momentos de bullying, podem ser razões suficientes para quem apresenta uma postura totalmente submissa.

A baixa autoestima e a insegurança que sentem faz com que acreditem que não são úteis se não estiverem se colocando à disposição de outras pessoas. De acordo com este estudo realizado pela Universidade da Costa Rica, a autoestima é um fator determinante em nosso desenvolvimento. Além disso, precisamos nos sentir apreciados ao nosso redor.

Isso não é saudável para elas, porque se transformam em pessoas muito vulneráveis, a quem qualquer um pode machucar de forma gratuita.

Não deixe de ler: 5 feridas emocionais da infância que persistem quando somos adultos

3. Sempre evitam qualquer tipo de conflito

As pessoas submissas se caracterizam por não levantar a voz

Nunca veremos as pessoas submissas buscando conflitos com as pessoas, e sim o contrário, evitando-os a qualquer custo. Os conflitos são algo que as deixam muito nervosas, talvez porque se lembrem de alguma experiência vivida no passado.

O problema é que, para evitar conflitos, às vezes têm que abaixar a cabeça, assumir o que não estão dispostas a aceitar e não dar a si mesmas o lugar que merecem. Esta preocupação para evitar qualquer tipo de problema, incômodo ou discussão lhes causa um grande desgaste.

4. Não querem chamar a atenção

Alguns poderiam confundir este traço com a timidez mas, na realidade, trata-se de uma maneira de passar despercebidas, de não se destacar.

As pessoas submissas têm uma preocupação extrema com o que os outros podem pensar delas. Por isso, tendem a se vestir e se comportar de uma maneira extremamente discreta. Isso lhes permite evitar qualquer momento que possa ser humilhante ou que tenha alguma possibilidade de gerar conflitos.

5. Tendem a ser emocionalmente dependentes

As pessoas submissas não priorizam suas necessidades nem o que possam querer

As pessoas submissas pensam tanto nos outros e são tão vulneráveis que precisam de uma pessoa que as proteja.

Por isso, é completamente natural que acabem em relações dependentes em que a outra pessoa dá sentido à sua vida, ao mesmo tempo em que a protege. Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade de Oviedo, nas Astúrias, isso é conhecido como Síndrome de Artemis.

Isso pode acontecer inclusive naquelas relações em que ocorrem maus-tratos, já que, embora a outra pessoa não as trate bem, ao menos elas têm alguém. Um ponto de vista que as leva a sofrer muito em suas relações.

Você já esteve em contato com pessoas submissas? Já fez parte deste grupo? Sair deste estado de submissão máxima é possível, mas requer um grande trabalho e consciência sobre o que está acontecendo.

É possível aprender a ser mais assertivo, conseguir elevar a autoestima, desfazer-se da insegurança que te faz se sentir inútil.

As pessoas submissas, devido a seus traços psicológicos, costumam sofrer muito. Sua atitude atrai pessoas violentas, agressivas, ou que tentam lhes fazer algum mal. Assim, com o tempo, devem se dar conta de que têm que começar a dar a si mesmas o valor que merecem.

  • Moors, A., & De Houwer, J. (2005). Automatic processing of dominance and submissiveness. Experimental Psychology. https://doi.org/10.1027/1618-3169.52.4.296
  • Fournier, M. A., Moskowitz, D. S., & Zuroff, D. C. (2009). The interpersonal signature. Journal of Research in Personality. https://doi.org/10.1016/j.jrp.2009.01.023
  • Yüksel-Şahin, F. (2015). An Examination of Bullying Tendencies and Bullying Coping Behaviors Among Adolescents. Procedia – Social and Behavioral Sciences. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2015.04.415
  • Perren, S., & Alsaker, F. D. (2006). Social behavior and peer relationships of victims, bully-victims, and bullies in kindergarten. Journal of Child Psychology and Psychiatry and Allied Disciplines. https://doi.org/10.1111/j.1469-7610.2005.01445.x
  • Olweus, D. (2000). Bullying. In Encyclopedia of Psychology. https://doi.org/10.1016/B978-012617955-2/50012-6