Mejor con Salud
 

Terapia magnética para esclerose múltipla: o que dizem as evidências?

Pesquisas recentes determinaram que a terapia magnética pode servir como um adjuvante contra a sintomatologia da esclerose múltipla. Quer saber mais sobre isso? Não deixe de ler o artigo a seguir.
Terapia magnética para esclerose múltipla: o que dizem as evidências?

Última atualização: 10 Dezembro, 2020

Nos últimos anos, alguns pesquisadores observaram os efeitos da terapia magnética nos sintomas da esclerose múltipla. Embora os resultados ainda sejam limitados, estudos recentes têm obtido dados interessantes quanto ao uso dessa opção terapêutica.

A terapia magnética, também chamada de magnetoterapia, pode envolver campos eletromagnéticos estáticos ou campos eletromagnéticos pulsados variados ao longo do tempo. Estes, segundo evidências, parecem melhorar a circulação sanguínea e a oxigenação do corpo em pacientes com esclerose múltipla.

Pesquisa sobre a terapia magnética para esclerose múltipla

A esclerose múltipla é uma doença neuroinflamatória na qual a mielina é afetada, ou seja, a membrana que se forma ao redor dos nervos cuja função é permitir que os impulsos nervosos sejam transmitidos rapidamente pelos neurônios.

De acordo com uma publicação do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e AVC, esta é a doença neurológica incapacitante mais comum entre adultos jovens. Muitas vezes se desenvolve entre as idades de 20 e 40 anos. No entanto, também pode ocorrer em idosos e crianças.

Até o momento não há uma cura definitiva para a doença, mas existem tratamentos para reduzir os ataques, controlar sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Na verdade, opções terapêuticas ainda estão sendo investigadas, e descobertas interessantes foram feitas.

Por exemplo, pesquisas publicadas através da revista Clinical Neurology and Neurosurgery reconhecem os benefícios da terapia magnética para a esclerose múltipla (EM). Especificamente, enfatiza que campos magnéticos pulsantes podem ajudar a controlar sintomas comuns de ESM, como a parestesia ou a sensação de “agulhadas”.

Terapia magnética para esclerose múltipla
A esclerose múltipla é uma das doenças mais incapacitantes da atualidade, por isso há muitas pesquisas sobre possíveis tratamentos em andamento.

Leia também: Esclerose múltipla: 14 sinais de alerta que você deve conhecer

Como funciona a terapia magnética para esclerose múltipla?

Como mencionamos, existem duas formas de terapia magnética: com campos eletromagnéticos estáticos, que envolve ímãs estáticos como os encontrados em pulseiras, palmilhas de sapatos, colares e outros dispositivos; e com campos eletromagnéticos pulsados, que usam ondas de energia para mudar a maneira como o corpo lida com a dor.

Defensores da terapia magnética estática sugerem que sua aplicação pode contribuir para o tratamento da dor graças ao efeito de ímãs e seu campo eletromagnético ao entrar em contato com tecidos. Na verdade, é uma opção que costuma ser usada na medicina alternativa.

A terapia com campos eletromagnéticos pulsados, entretanto, parece fornecer uma frequência elétrica que estimula os íons e eletrólitos do corpo. Como resultado, melhora a circulação e a energia, e diminui sintomas como dormência, formigamento e dor.

Até o momento, a aplicação dessas terapias ainda está sendo investigada e não está totalmente comprovada. Apesar disso, a terapia com campos eletromagnéticos pulsados vem se desenvolvendo em pacientes com esclerose múltipla, pois estes têm mostrado melhores efeitos.

De fato, em estudos anteriores, como um publicado na Pain Research and Management, foi determinado que essa terapia pode ser usada para reduzir a dor, a inflamação e os efeitos nocivos do estresse. Seu uso foi aprovado pelo FDA para o tratamento de condições como a enxaqueca.

Sintomas da esclerose múltipla
A esclerose múltipla é uma doença neuronal, e seus sintomas podem aparecer em regiões periféricas do corpo, como os membros, na forma de um formigamento.

Você pode estar interessado: Com que idade a esclerose múltipla pode aparecer?

O tratamento da esclerose múltipla é multidisciplinar

É importante deixar claro que a aplicação da terapia magnética não é a cura para a esclerose múltipla. De fato, a doença requer uma abordagem multidisciplinar, ou seja, envolvendo a participação de diversos profissionais de saúde.

O objetivo, em geral, é manter a qualidade de vida dos pacientes e reduzir, na medida do possível, a progressão da doença. Portanto, uma vez diagnosticada a patologia, o médico pode sugerir tomar medicamentos para reduzir e prevenir ataques e modificar sua progressão.

Estes incluem opções como as seguintes:

  • Corticosteroides.
  • Ocrelizumabe (Ocrevus).
  • Interferons beta.
  • Acetato glatiramer.
  • Dimetilfumarato (Tecfidera), entre outros.

Além disso, medicamentos podem ser necessários para controlar a fadiga e a insônia, e os relaxantes musculares também podem ser aliados importantes. Além disso, o tratamento requer a intervenção de profissionais de fisioterapia, nutrição e psicologia.

De qualquer forma, as opções terapêuticas devem ser escolhidas pelo especialista, dependendo da progressão da doença. Se você quiser tentar fazer terapia magnética, é aconselhável se informar com antecedência e fazê-lo com um profissional da sua confiança.

Neuroglúten: relação entre glúten e doenças neurológicas

Neuroglúten: relação entre glúten e doenças neurológicas

O consumo de glúten está associado, em certos casos, a uma maior sintomatologia de certas doenças neurológicas. É o chamado "neuroglúten".



  • The National Institute of Neurological Disorders and Stroke. (2012). Esclerosis múltiple: Esperanza en la investigación. Disponible en https://espanol.ninds.nih.gov/trastornos/esclerosis_multiple.htm
  • Afshari D, Moradian N, Khalili M, et al. Evaluation of pulsing magnetic field effects on paresthesia in multiple sclerosis patients, a randomized, double-blind, parallel-group clinical trial. Clinical Neurology and Neurosurgery. 2016 Oct;149:171-174. DOI: 10.1016/j.clineuro.2016.08.015.
  • Thomas AW, Graham K, Prato FS, et al. A randomized, double-blind, placebo-controlled clinical trial using a low-frequency magnetic field in the treatment of musculoskeletal chronic pain. Pain Res Manag. 2007;12(4):249‐258. doi:10.1155/2007/626072
  • Pieber, Karin & Herceg, Malvina & Paternostro-Sluga, Tatjana. (2010). Electrotherapy for the treatment of painful diabetic peripheral neuropathy: A review. Journal of rehabilitation medicine : official journal of the UEMS European Board of Physical and Rehabilitation Medicine. 42. 289-95. 10.2340/16501977-0554.