O que é a taxa de sedimentação de eritrócitos?

A velocidade de hemossedimentação é um exame laboratorial utilizado para confirmar a presença de doenças inflamatórias e neoplásicas. Saiba como é feito e quando pode ser prescrito.
O que é a taxa de sedimentação de eritrócitos?

Última atualização: 05 Março, 2021

Os exames laboratoriais clínicos são de grande importância na prática médica. Às vezes, esta é a única maneira de confirmar a presença de uma doença. Um dos exames mais realizados é o de velocidade de hemossedimentação, também conhecido como taxa de sedimentação de eritrócitos.

Trata-se de um exame que mede a rapidez com que os glóbulos vermelhos se depositam no fundo de um tubo de ensaio. Uma taxa de sedimentação maior ou menor do que o normal indica a presença de diferentes patologias.

Em condições normais, os eritrócitos ou glóbulos vermelhos têm carga negativa, o que os leva a se repelir, com uma taxa de sedimentação de 10 milímetros (mm) por hora. No entanto, isso pode variar dependendo do paciente e do seu estilo de vida.

Razões pelas quais a taxa de sedimentação de eritrócitos deve ser mensurada

A taxa de hemossedimentação é um exame que orienta o especialista e pode indicar a existência de doenças. Nesse sentido, pode ser útil na presença de qualquer uma das seguintes situações:

  • Febre de origem desconhecida.
  • Alguns tipos de artrite.
  • Sintomas que afetam os músculos.

Porém, o médico deve analisar o quadro clínico apresentado pelo paciente juntamente com os resultados dos exames laboratoriais para dar um diagnóstico preciso. A VHS pode ser usada como um importante critério diagnóstico para duas doenças: a polimialgia reumática e a arterite temporal, ambas muito raras. Elas aparecem em pacientes com mais de 50 anos.

A polimialgia reumática é uma doença inflamatória que afeta os músculos proximais das extremidades e do tronco, causando dor e limitando os movimentos. A arterite temporal causa dor de cabeça, diminuição da acuidade visual, febre, claudicação mandibular e anemia.

Mulher com dor muscular
O VHS um exame que os médicos podem solicitar quando há dores nos músculos ou ossos.

Você também pode se interessar:  Como posso saber se tenho anemia?

Como devo me preparar para este exame?

Este é um exame bastante simples e rápido, portanto não será necessário nenhum tipo de preparação extraordinária. Se for mensurada apenas a velocidade de hemossedimentação, não é requisito essencial estar em jejum, mas se outras análises forem feitas ao mesmo tempo, algumas medidas devem ser tomadas.

Para a realização do teste, o sangue venoso deve ser coletado com seringa. A picada é feita no braço. Isso pode causar dor leve ou desconforto durante o exame, que às vezes dura o resto do dia. Porém, não impede a realização das atividades diárias.

A análise do sangue é muito simples e geralmente é feita pelo método de Westergren, no qual 2 ml de sangue são misturados com 0,5 ml de citrato em um tubo de ensaio e a distância livre dos eritrócitos é medida. Após uma hora, a distância em mm da área sem glóbulos vermelhos é recalculada para saber a velocidade com que eles desceram.

Significado de uma alta taxa de sedimentação de eritrócitos

Quando a velocidade de sedimentação está acima dos valores normais, deve-se suspeitar da presença de patologias que levam à inflamação e algumas neoplasias. Segundo estudos, a taxa aumenta após 24 horas e geralmente não retorna aos valores normais antes da sua resolução.

Este tipo de patologia aumenta a concentração de várias proteínas no plasma sanguíneo. Todas essas proteínas, especialmente o fibrinogênio, afetarão a carga na superfície dos glóbulos vermelhos, fazendo com que desçam mais rapidamente.

Entretanto, várias situações que aumentam o fibrinogênio no sangue, como gravidez, diabetes ou insuficiência renal em estágio terminal, são capazes de aumentar a velocidade de hemossedimentação. Entre outras causas, podemos citar o seguinte:

  • Anemia
  • Macrocitose
  • Sangramento agudo
  • Infarto agudo do miocárdio
  • Linfoma
  • Carcinoma metastático

Significado de uma baixa taxa de sedimentação de eritrócitos

Na maioria das vezes, uma baixa taxa de sedimentação não tem grande relevância médica. Nesse sentido, pode chegar a 0 mm em pacientes normais, por isso não costuma ser motivo de preocupação para os especialistas.

No entanto, em alguns casos, uma baixa taxa de sedimentação de eritrócitos (entre 0 mm e 3 mm) está associada a vários problemas de saúde, incluindo os seguintes:

  • Poliglobulia ou número elevado de glóbulos vermelhos
  • Deformações nos glóbulos vermelhos
  • Síndromes de hiperviscosidade
  • Hábito de fumar
  • Insuficiência cardíaca

Como se não bastasse, doenças infecciosas como a dengue podem causar uma ligeira diminuição na taxa de sedimentação. Esse fato foi demonstrado em um estudo no qual a VHS de pacientes com a patologia foi muito baixa em comparação a outros com síndromes febris agudas.

Mosquito transmissor de doenças
Embora rara, a baixa VHS pode ser causada pela dengue, uma doença tropical infecciosa transmitida por mosquitos.

Um teste simples, mas eficiente

Como você pode ver, a taxa de hemossedimentação não é um exame complexo, porém é muito útil para identificar a presença de doenças que levam à inflamação. Ele pode orientar o médico e ajudá-lo a fazer um diagnóstico mais preciso.

Quanto ao paciente, ele não precisa ter nenhum preparo especial para fazê-lo. Além disso, após o procedimento, poderá continuar com suas atividades diárias sem nenhum inconveniente.

Pode interessar a você...
Jejum antes de um exame de sangue
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Jejum antes de um exame de sangue

O exame de sangue é um dos exames médicos mais usados porque fornece muitas informações sobre o estado de saúde de uma pessoa.



  • Márquez M, Chacón-Cardona J. Determinación de VSG: comparación de los métodos de Wintrobe y microhematocrito. Revista de Salud Pública. 2016;18(6):946-952.
  • Merino Romero J. Utilidad diagnóstica de la velocidad de sedimentación globular. Revista de Medicina Integral. 2002;39(7):325-329.
  • Acosta-García E, Peñate E, Sánchez A, Uban B, Colina W. Determinación de la velocidad de sedimentación
    globular: micrométodo versus Wintrobe en niños y adolescentes. Revista Latinoamericana de Patología Clínica y Medicina de Laboratorio. 2018; 65 (1): 39-44.
  • Lemus Varela M, Villaseñor Sierra A. Determinación de la velocidad de sedimentación globular mediante micrométodo comparado con el método Wintrobe. Revista de Enfermedades Infecciosas y Microbiología. 2009;29(2):66-69.
  • Villar Centeno L, Díaz Quijano F, Martínez Vega R. Utilidad de la velocidad de sedimentación globular en el diagnóstico temprano del dengue en un área endémica. Reista de la Asociación Colombiana de Infectología. 2007;11(4).
  • Erythrocyte Sedimentation Rate (ESR) [Internet]. MedlinePlus Medical Test. 2020 [cited 13 November 2020]. Available from: https://medlineplus.gov/lab-tests/erythrocyte-sedimentation-rate-esr.