Suplementos de probióticos: quando devemos tomá-los?

21 Fevereiro, 2020
Os suplementos de probióticos ajudam a prevenir doenças em pessoas saudáveis ​​e a melhorá-las em pacientes com certas patologias. Além disso, é conveniente ingeri-los em caso de tratamento com antibióticos. Saiba mais neste artigo.
 

Os suplementos de probióticos são micro-organismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem um benefício à saúde do hospedeiro. De forma geral, todos podemos suplementar nossa dieta com probióticos, mas existem certos grupos populacionais que serão mais beneficiados. Continue lendo este artigo para saber mais sobre o tema.

Suplementos de probióticos: tudo que você precisa saber

Como dissemos, os probióticos são bactérias que trazem benefícios à saúde. Eles estão presentes em diferentes alimentos, como:

  • Iogurte
  • Kefir
  • Jocoque (típico da culinária mexicana)
  • Chucrute, kimchi (origem coreana)
  • Picles
  • Kombucha
  • Tempeh
  • Suplementos alimentares

Embora estejam presentes em alguns alimentos devido ao seu processo de elaboração, essas bactérias não podem chegar até o cólon, sobrevivendo ao longo caminho do intestino, como mostram alguns estudos.

Teríamos que ingerir probióticos com frequência e em uma quantidade grande o suficiente para que eles fossem benéficos. Por isso, é importante saber que os suplementos de probióticos encapsulados adequadamente podem sobreviver em nosso sistema digestivo e executar a ação correta.

Leia também:  Os 15 melhores probióticos e prebióticos para cuidar da sua saúde

Quando tomar suplementos de probióticos?

Suplementos de probióticos
Os suplementos de probióticos podem contribuir para a prevenção de doenças. Além disso, é bom ingeri-los após um tratamento com antibióticos.
 

Atualmente, reconhece-se que os probióticos não apenas servem para melhorar o estado funcional e os sintomas do indivíduo que tem uma doença, mas também podem ser úteis para manter a saúde ou impedir o aparecimento de doenças.

No entanto, há grupos da população que são duplamente beneficiados, como as pessoas que acabaram de passar por um tratamento com antibióticos. Esses medicamentos matam patógenos ruins e bons (microbiota, flora vaginal e outras membranas mucosas, etc…).

Por isso, depois de tomar antibióticos é muito conveniente fazer uso dos suplementos de probióticos por pelo menos um mês.

A maior evidência sobre a eficácia dos probióticos foi descrita para o tratamento da diarreia aguda infecciosa, principalmente em crianças.

Existem outros grupos que podem se beneficiar, como aqueles com disbiose intestinal. Esta condição costuma surgir em pessoas que sofrem de:

  • Obesidade
  • Diabetes mellitus do tipo 1 e 2
  • Síndrome metabólica
  • Lúpus eritematoso sistêmico
  • Artrite reumatoide
  • Síndrome de supercrescimento bacteriano
  • Doença inflamatória intestinal
  • Colón irritável
  • Doença celíaca

Os suplementos de probióticos também são benéficos para os idosos. Isso ocorre porque, à medida que envelhecemos, ocorre uma redução da diversidade microbiana, o que diminui a presença dos micro-organismos mais benéficos.

Além disso, seu uso está sendo estudado em outras doenças, como a asma, a dermatite atópica, doenças neurológicas, depressão, ansiedade, câncer e algumas relacionadas à saúde bucal.

 

Como já dissemos, o consumo de probióticos é considerado seguro para a maioria das pessoas. No entanto, eles podem desencadear infecções em pessoas imunossuprimidas. Essas pessoas nunca devem iniciar a suplementação com probióticos sem receita médica.

Você também pode gostar de ler: O que é a água de kefir? Benefícios, usos e prescrição

Como escolher um bom suplemento?

Mulher tomando suplemento
O melhor suplemento de probióticos é aquele com o maior número de cepas diferentes.

Para que as cepas probióticas administradas por via oral exerçam seus efeitos benéficos, elas devem resistir às condições ambientais do sistema digestivo e, principalmente, ao efeito microbicida da saliva, acidez gástrica, bile, secreção pancreática e assim por diante.

Também devemos levar em consideração a composição das diferentes secreções, o tempo de esvaziamento gástrico e a motilidade intestinal, que podem variar dependendo da idade e do estado de saúde do hospedeiro.

Além disso, é importante escolher as cepas de micro-organismos dependendo do estado de saúde, pois quanto maior a variedade de cepas, melhor. Por isso, o probiótico que tem um número maior de cepas diferentes é a melhor escolha.

Outro fato interessante é que os suplementos devem conter pelo menos 1 bilhão de bactérias UFC (unidades formadoras de colônias). Um probiótico com um número menor do que esse não terá efeito algum.

 

Como fazer uso do suplemento de probióticos?

Nunca consuma o suplemento com alimentos muito ácidos (frutas cítricas, tomate, vinagre, etc…) ou bebidas quentes (chá, café, infusões, sopas, etc…), pois ele pode não fazer efeito.

A melhor maneira é ingeri-lo em jejum pela manhã, com água morna. Nesse momento, tanto o pH do estômago quanto o seu baixo nível de ácido clorídrico são fatores que favorecem a sobrevivência das bactérias.

Pela mesma razão, é aconselhável esperar de 10 a 15 minutos antes de comer. Além disso, se você estiver tomando antibióticos, deixe passar pelo menos 3 horas antes de tomar o suplemento.

Finalmente, se você deseja consumir suplementos de probióticos, está tomando antibióticos ou tem alguma doença que possa melhorar ao tomá-los, consulte um médico para saber qual é o mais apropriado para a sua condição.

 
  • Sociedad Española de Probióticos y Prebióticos (SEPyP)
  • Guandalini S. (2011). Probiotics for prevention and treatment of diarrhea. Journal of clinical gastroenterology45 Suppl, S149–S153. doi:10.1097/MCG.0b013e3182257e98
  • Razmpoosh, E., Javadi, M., Ejtahed, H. S., & Mirmiran, P. (2016). Probiotics as beneficial agents in the management of diabetes mellitus: a systematic review. Diabetes/metabolism research and reviews32(2), 143–168. doi:10.1002/dmrr.2665
  • Wilkins, T., & Sequoia, J. (2017). Probiotics for Gastrointestinal Conditions: A Summary of the Evidence. American family physician96(3), 170–178.