Sopro no coração em crianças

24 Agosto, 2020
A maioria dos sopros no coração em crianças é inofensiva e não deve nos preocupar. No entanto, às vezes são necessários exames médicos para descartar a existência de algum problema nesse órgão.

Os sopros no coração em crianças podem preocupar os pais. No entanto, são mais comuns do que podemos imaginar. Muitas crianças têm um sopro cardíaco detectado em algum momento de suas vidas. A maioria dos casos não deve ser motivo de preocupação e não afeta em nada a saúde da criança.

O batimento cardíaco humano costuma ser estável e geralmente é descrito da seguinte forma: “lub-dub”, “lub-dub”. No entanto, em algumas pessoas, o sangue emite um som adicional quando passa pelo coração. Esse som é conhecido como sopro cardíaco.

O que exatamente são os sopros no coração?

Cada batimento cardíaco, como vimos, consiste em dois sons diferentes: “lub-dub”:

  • O primeiro som é produzido quando as válvulas que controlam a passagem do sangue das cavidades superiores – átrios – para as inferiores – ventrículos – se fecham.
  • O segundo som é produzido quando as válvulas que controlam o saída do sangue para o resto do corpo se fecham.

Um sopro cardíaco é um som extra que se ouve além do “lub-dub”. Às vezes, esses sons são apenas o resultado do fluxo sanguíneo normal em um coração normal. Outras vezes, um sopro pode ser um sinal de um problema cardíaco.

Sopros no coração em crianças

Criança segurando coração de pano

Em crianças em idade pré-escolar e escolar, os sopros no coração quase nunca são uma preocupação. Os pequenos não precisam de atendimento especial e o som vai desaparecendo eventualmente. Essas crianças apresentam sopros no coração conhecidos como funcionais ou inofensivos.

Se uma criança tiver um sopro, essa existência será descoberta entre um e cinco anos de idade, por meio de um exame de rotina. Normalmente, o pediatra pode dizer se o sopro é inofensivo apenas ouvindo seu som. Se necessário, ele consultará um cardiologista pediátrico para ter certeza.

Em casos raros, o pediatra ouve um sopro no coração que parece anormal o suficiente para indicar que algo pode estar errado com este órgão.

Leia também: 7 dicas para manter uma dieta saudável para o coração

Anomalias cardíacas congênitas

Alguns sopros cardíacos em crianças podem indicar que existe um problema nesse órgão. Nesses casos, o médico encaminha a criança a um cardiologista pediátrico. Esse especialista vai indicar se é preciso fazer alguns exames, como:

  • Radiografia do tórax ou peito: É uma imagem do coração e dos órgãos adjacentes.
  • Eletrocardiograma ou ECG: É um registro da atividade elétrica do coração.
  • Ecocardiograma: Consiste em uma imagem do coração obtida a partir de ondas sonoras.

É importante destacar que apenas 1 em cada 100 bebês nasce com um problema cardíaco estrutural ou uma anomalia cardíaca congênita. Eles podem apresentar sintomas da anomalia durante os primeiros dias de vida ou só manifestá-los mais tarde, na infância.

Alguns dos sintomas que podem aparecer nesses casos são:

Os adolescentes podem desenvolver outros sintomas, como:

  • Cansaço.
  • Problemas para fazer atividades físicas.
  • Dor no peito.

Você pode se interessar: 5 hábitos que ajudam a prevenir um ataque cardíaco

Problemas cardíacos mais comuns

Cuidar da saúde do coração

São várias as anomalias que o coração pode apresentar e que, consequentemente, provocam o aparecimento de um sopro. Algumas dessas alterações são:

  • Anormalidades no septo cardíaco: afetam o septo que separa os átrios dos ventrículos. Quando esse septo tem um orifício, o sangue pode fluir através dele para outras cavidades do coração e causar um sopro. Os orifícios pequenos tendem a se fechar com o tempo.
  • Anomalias nas válvulas: algumas vezes, as válvulas do coração são muito estreitas, pequenas, grossas, ou apresentam algum outro tipo de anormalidade que não permite que o sangue flua adequadamente. Isso pode fazer com que o sangue regurgite e provoque um sopro no coração.
  • Problemas no músculo cardíaco ou cardiomiopatias: nessa situação, o músculo do coração pode estar muito grosso ou muito fraco. Por esse motivo, ele perde a capacidade de bombear sangue para o resto do corpo de forma eficiente e provoca um sopro cardíaco.

Em suma, poderíamos dizer que a presença de sopros cardíacos em crianças não é um problema sério. Os pais não devem perder a calma ao descobrir a sua existência.

No entanto, é conveniente monitorar sua evolução ao longo do tempo, especialmente se surgirem sintomas que possam estar relacionados a esse problema.

  • Pineda, L. F., & Zea, M. L. (2005). Exploración cardiológica. AEPAP.
  • Díaz, H. S., Danglot-Banck, C., & Gómez, M. G. (2002). Soplos cardiacos patológicos en los niños. Revista Mexicana de Pediatria.
  • PEREZTREVINO, C. (1963). SOPLOS CARD’IACOS FUNCIONALES. REVISI’ON DE 68 CASOS. Bolet??N m??Dico Del Hospital Infantil de M??Xico. https://doi.org/10.1109/ISSPA.2003.1224760