Síndrome carcinoide: causas, sintomas e tratamento

A síndrome carcinoide é caracterizada por rubor, ondas de calor, taquicardia e diarreia, entre outros sintomas. Explicamos por que esses sintomas aparecem e como podem ser tratados em oncologia.
Síndrome carcinoide: causas, sintomas e tratamento

Última atualização: 21 Maio, 2021

A síndrome carcinoide se refere a um conjunto de sinais e sintomas que podem aparecer como complicações de certos tumores. São os tumores carcinoides, capazes de secretar substâncias químicas como a serotonina.

Embora não sejam o tipo de câncer mais comum, esses tumores e a síndrome carcinoide podem ser muito agressivos. Muitas pessoas experimentam falta de ar ou taquicardia. Neste artigo, explicamos tudo que você precisa saber e como este distúrbio é tratado.

O que é a síndrome carcinoide?

A síndrome carcinoide é um conjunto de sinais e sintomas decorrentes da ação de certas substâncias liberadas por um tumor. De acordo com um artigo publicado na Revista Médica de Costa Rica y Centroamerica, a maioria dos tumores carcinoides se desenvolve a partir de células neuroendócrinas do trato digestivo.

Estima-se que cerca de 50% de todos os cânceres de intestino delgado sejam desse tipo. No entanto, eles também podem aparecer no pulmão, pâncreas e fígado. A verdade é que a síndrome carcinoide afeta apenas cerca de 8% das pessoas que têm esses tumores.

É mais comum quando há metástases extensas no fígado. O tumor libera substâncias como serotonina, histamina e prostaglandinas. Todas elas podem agir em várias partes do corpo e produzir os sintomas característicos.

Sintomas da síndrome carcinoide

De acordo com especialistas da Clínica Mayo, um dos sintomas mais frequentes é a vermelhidão da pele. Geralmente afeta a face e a parte superior do tórax. Isso ocorre porque muitos dos compostos químicos mencionados causam vasodilatação.

A vermelhidão aparece abruptamente e dura entre minutos e horas. Às vezes, é desencadeada por certos agentes que também causam vasodilatação, como exercícios ou álcool. É acompanhada por hipotensão, tontura e fadiga.

Outro sintoma comum é a diarreia, principalmente quando o tumor libera serotonina, pois atua na motilidade intestinal. As fezes costumam ser aquosas e podem aparecer cólicas abdominais.

A síndrome carcinoide também provoca taquicardia e falta de ar. É semelhante a um ataque de ansiedade. Algumas pessoas experimentam uma diminuição do desejo sexual, sopros no coração e sons respiratórios adicionais.

Dores abdominais
A diarreia da síndrome carcinoide é causada pela liberação excessiva de serotonina, que afeta a motilidade intestinal.

Possíveis complicações

A síndrome carcinoide pode levar a inúmeras complicações. De acordo com um estudo publicado na Revista Chilena de Cardiologia, uma das mais relevantes é a cardiopatia carcinoide. Ela ocorre porque as placas de tecido fibroso se formam nas válvulas do coração.

Especificamente, as áreas mais afetadas são as válvulas cardíacas direitas (tricúspide e pulmonar). Isso faz com que a insuficiência cardíaca se desenvolva com o tempo.

Outra complicação muito importante é a crise carcinoide. Ocorre quando um gatilho agrava a síndrome e os sintomas se intensificam. Por exemplo, quando os anestésicos são usados ​​para a cirurgia. A pressão arterial pode cair muito e levar a um choque fatal.

A obstrução intestinal também é considerada uma das complicações da síndrome carcinoide. No entanto, tende a ser uma consequência do próprio tumor. Quando atinge um tamanho significativo ou se estende aos gânglios linfáticos, as alças intestinais podem girar sobre si mesmas.

O que causa a síndrome carcinoide?

Os sinais e sintomas que caracterizam a síndrome carcinoide são derivados dos produtos químicos que o próprio tumor produz. São os que mencionamos antes: serotonina, histamina, prostaglandinas.

A explicação de por que a síndrome carcinoide não ocorre em todos os tumores é que o fígado geralmente neutraliza esses agentes químicos antes que eles produzam sua ação. No entanto, nos casos em que há muitas metástases hepáticas, o órgão é danificado.

Fatores de risco para a síndrome carcinoide

O principal fator de risco para uma síndrome carcinoide é claramente um tumor carcinoide. Por sua vez, existem circunstâncias que podem aumentar a probabilidade de sofrer deste tipo de câncer.

O principal indicador é ter histórico familiar do mesmo tipo de tumor. Também se houver casos na família de neoplasia endócrina múltipla 1 ou neurofibromatose tipo 1.

Como os tumores carcinoides geralmente se desenvolvem no trato digestivo, é importante observar que existem certos aspectos que podem levar ao seu aparecimento. A anemia perniciosa e a gastrite atrófica são alguns deles.

Como é diagnosticada?

Geralmente, o profissional diagnostica a síndrome carcinoide através dos sintomas que apresenta. É fundamental que o paciente descreva todos os detalhes ao médico. Além disso, é possível que já se conheça a existência de um tumor subjacente.

No entanto, em alguns casos, a síndrome carcinoide é a primeira manifestação do câncer. Por isso é importante fazer uma série de exames complementares para confirmar. Os exames de sangue e urina são muito úteis. Eles permitem ver se alguma substância está acima da sua concentração normal.

A ressonância magnética e a tomografia computadorizada analisam a existência de um tumor e onde ele está. Existem outros, como PET-CT, que ajudam a localizar metástases.

Tratamento da síndrome carcinoide

Ressonância magnética
O profissional pode usar os estudos de imagem para localizar o tumor que causa a síndrome.

Para tratar a síndrome carcinoide, é essencial tratar o câncer subjacente. Um estudo publicado em Endocrinología y Nutrición explica quais tipos de terapias estão disponíveis atualmente. Eles variam dependendo das características do tumor e, principalmente, da presença de metástases.

Uma opção é a cirurgia para tentar remover parte ou a totalidade do tumor. Além disso, utilizam-se com frequência drogas biológicas, como o interferon alfa. Essas drogas estimulam o sistema imunológico a lutar contra o câncer.

Se houver metástases no fígado, pode-se usar a embolização da artéria hepática. Desta forma, interrompe-se o fluxo sanguíneo principal para o órgão, inibindo o crescimento do tumor. A quimioterapia também pode ser útil, assim como a ablação por radiofrequência.

É importante ressaltar que existem vários medicamentos que podem ser usados ​​para aliviar os sintomas da síndrome carcinoide. Octreotide e lanreotide, que são análogos de uma substância importante para o sistema digestivo chamada somatostatina, podem reduzir a diarreia e a vermelhidão.

A síndrome carcinoide deriva de um tumor

É importante enfatizar novamente que a síndrome carcinoide é produzida pela ação de substâncias geradas por um tumor carcinoide. São tumores que, na maioria das vezes, se desenvolvem no trato digestivo. No entanto, eles também podem aparecer no pulmão ou causar metástase no fígado.

É fundamental reconhecer os sintomas dessa síndrome, como ondas de calor, falta de ar e taquicardias. Quando aparecem, é sempre necessário descartar que se trate de uma neoplasia.

Pode interessar a você...
Células cancerosas: tudo que você precisa saber
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Células cancerosas: tudo que você precisa saber

As células cancerosas apresentam mutações em seu DNA, ou seja, alterações que modificam o material genético presente em cada uma delas.