A sincronização do ciclo menstrual em mulheres

17 Novembro, 2020
A sincronização do ciclo menstrual entre mulheres que moram juntas ainda persiste como crença popular 50 anos depois do estudo que a "descobriu". No entanto, este fenômeno não foi totalmente comprovado.

A sincronização do ciclo menstrual é um mito popular que é ouvido há cerca de 50 anos. Essa ideia foi introduzida pela psicóloga Martha McClintock, resultado de um estudo que ela realizou na época com mulheres que viviam em uma residência estudantil. Ele foi inclusive publicado pela revista científica Nature.

Essa teoria diz que entre as mulheres que vivem juntas, ou passam muitas horas juntas, o ciclo menstrual se sincroniza ao longo do tempo. De acordo com McClintock, sua teoria foi confirmada. Mais tarde, foi dito que os feromônios seriam responsáveis por esta sincronização.

O que são os feromônios?

Os feromônios são ecto-hormônios que têm sido muito estudados em camundongos e outros mamíferos. Eles desempenham um papel importante na comunicação e comportamento entre indivíduos da mesma espécie.

No caso dos humanos, a comunicação com feromônios não foi demonstrada em termos rigorosos. Por essa razão, não foi possível concluir que a teoria da sincronização do ciclo menstrual entre as mulheres é endossada por este mecanismo hormonal. A verdade é que mais estudos seriam necessários para afirmar ou negar essa teoria.

Você pode estar interessado: 6 hormônios que interferem no ciclo de ovulação

O que regula o ciclo menstrual normal?

Período menstrual
O ciclo menstrual segue a ação dos hormônios femininos no organismo.

Atualmente, há muito conhecimento sobre a fisiologia feminina. Este é um tema que tem sido estudado em profundidade e que continua se desenvolvendo.

Desde o nascimento, os óvulos são encontrados nos ovários. Estes permanecem lá, inalterados, até o início da puberdade. A partir das alterações puberais e durante toda a fase fértil, a mulher experimentará mês a mês um processo chamado ciclo menstrual.

A regulação dos ciclos ocorre através de efeitos estimulantes e inibitórios de hormônios no cérebro e nos ovários. Os hormônios hipotalâmicos envolvidos (LH e FSH) são periodicamente liberados por uma área do cérebro chamada hipotálamo, com ação direta nos ovários.

Como resultado da secreção hormonal, o ovário responderá liberando um óvulo maduro e hormônios esteroides, diferente daqueles liberados pelo hipotálamo. O óvulo liberado estará pronto para ser fertilizado e, se alcançado por um espermatozoide em condições, dará lugar ao embrião.

Durante esta etapa também haverá um espessamento do endométrio, que é a camada interna do útero. Se o óvulo for fertilizado, ele será implantado no endométrio espessado alguns dias depois. Se, por outro lado, a fertilização não ocorrer, o endométrio sofrerá certas alterações que levarão ao seu desprendimento.

Todo o processo que descrevemos será repetido regularmente de 28 a 35 dias. Por convenção médica, o primeiro dia da menstruação será chamado de primeiro dia do ciclo, e a partir daí a contagem será feita para estabelecer os dias mais férteis, por exemplo.

O que se sabe sobre a variabilidade entre os ciclos?

Em geral, os ciclos menstruais são pouco variáveis entre as idades de 20 e 40 anos. Ou seja, esta é a etapa mais regular em termos de datas e repetições mensais de sinais de menstruação.

Antes dos 20 anos, e depois dos 40, são experimentadas as maiores mudanças entre ciclos sucessivos. Isso significa que eles podem ser irregulares com uma frequência maior. Várias situações podem levar à variabilidade na regularidade menstrual, além da idade.

Na adolescência, a irregularidade do ciclo é frequente porque o sistema hormonal ainda não atingiu a maturidade adequada. Isso também acontece em mulheres com mais de 40 anos, até a menopausa, já que a reserva ovariana está acabando.

Além disso, estresse, obesidade, baixo peso, problemas de tireoide, medicamentos e certas doenças como diabetes também podem causar irregularidades no ciclo. As alterações podem ser pontuais, em um ciclo específico, ou prolongadas ao longo do tempo por vários meses.

Ciclo menstrual
A regularidade ou irregularidade da menstruação depende de múltiplos fatores.

Veja também: 7 mitos mais famosos sobre a gravidez

As evidências sobre a sincronização do ciclo menstrual são inconclusivas

Em 2006, Ziomkiewicz, professor associado da Universidade Jagiellonian, realizou um estudo semelhante ao de McClintock, concluindo que não foi observada nenhuma sincronização entre as mulheres que participaram dele. Podemos dizer, então, que ainda não há evidências conclusivas a respeito da existência do fenômeno da sincronização menstrual, nem dos feromônios em humanos.

É por isso que, embora muitas mulheres continuem a acreditar nesta possibilidade, este se mantém sendo um mito. Talvez, no futuro, alguma pesquisa consiga comprová-lo.

  • Corrine K Welt, MD., retrieved on 14 May 2020, Physiology of the normal menstrual cycle, Evidence-based Clinical Decision Support- UpToDate. https://www.uptodate.com/contents/physiology-of-the-normal-menstrual-cycle?search=menstruaci%C3%B3n%20sincronixaci%C3%B3n&source=search_result&selectedTitle=3~150&usage_type=default&display_rank=3.
  • B. David Vantman and col., Reproductive physiology and evolutive changes with women age, Tema central: Infertilidad, Vol. 21. Núm. 3, páginas 348-362 (Mayo 2010).
  • Precone V and cols, Pheromone receptors and their putative ligands: possible role in humans, Eur Rev Med Pharmacol Sci. 2020 Feb;24(4):2140-2150. doi: 10.26355/eurrev_202002_20394.