É possível fazer sexo sem penetração?

21 Agosto, 2020
Muitas pessoas não têm claros os limites no momento de afirmar se fizeram sexo ou não. O sexo se limita apenas à penetração? Descubra a seguir!

Você já ouviu sua amiga contar que saiu com um rapaz, que eles se beijaram, tocaram suas partes íntimas, mas não houve sexo? É comum que muitas pessoas se expressem dessa forma, principalmente as mulheres, já que muitos acreditam que não existe sexo sem penetração.

No entanto, é importante enfatizar a necessidade de deixar de lado esse tipo de crença. Ou seja, não podemos continuar a pensar que, se não houve penetração, então não se trata de sexo, porque a verdade é que não funciona assim.

Em qualquer tipo de encontro em que haja sexo oral, masturbação mútua ou fricção, mesmo que não haja penetração, pode-se dizer que houve sexo.

Espalhou-se a crença de que essas práticas sexuais são isoladas do próprio ato sexual, ou de que são apenas “preliminares”.

Mas esse tipo de pensamento só faz com que as mulheres concedam mais importância ao fato de ter um pênis dentro da vagina do que à necessidade de obter prazer.

O sexo sem penetração existe

Hoje em dia, os especialistas estão mais focados em esclarecer essas dúvidas e equívocos conceituais que persistem em um número significativo de pessoas da população feminina e masculina.

De fato, algumas lojas que vendem produtos eróticos também se dedicaram a esse assunto e criaram questionários on-line para que os usuários analisem seus comportamentos sexuais e possam esclarecer o que realmente acontece quando têm um encontro íntimo com alguém.

Sensualidade do casal
Embora ainda existam muitos tabus em torno desse assunto, a verdade é que é possível fazer sexo sem penetração.

Uma crença popular é pensar que o sexo se reduz apenas à penetração para que possa ser considerado como tal. No entanto, esse tipo de pensamento é reducionista. Quando pensamos assim, não consideramos aquelas pessoas que têm uma vida sexual ativa sem a presença de um pênis.

De fato, nossa cultura ocidental tende a ser falocêntrica e a rejeitar outros tipos de encontros sexuais. De acordo com o que foi proposto pela sexóloga, psicóloga e terapeuta de casais Ana Lombardía, existe uma pressão para que tanto as mulheres quanto os homens sintam a obrigação de incluir a penetração na sua rotina.

Assim, ela argumenta que:

 “Somos pressionadas para que todos os encontros sexuais terminem com uma penetração e um orgasmo de filme, mas essas ideias devem mudar. A sexualidade deve estar orientada a fazer tudo o que quisermos e quando quisermos, sem que tenhamos que nos ajustar a normas específicas ”.

Evidentemente, essas ideias vêm da pouca educação recebida em relação à sexualidade e, nos casos em que a pessoa tiver recebido educação sexual, nem sempre o prazer da mulher foi colocado como prioridade.

Leia também: Os comportamentos machistas no sexo não devem ser tolerados

O sexo é muito mais complexo

Outra ideia arraigada que dá força à ideia anterior – de que o sexo se reduz à penetração – é que muitas pessoas ainda acreditam que todos devemos ser heterossexuais e cisgêneros. Isso, é claro, só trouxe mais preconceito.

Por essa razão, alguns sexólogos são contrários ao conceito de preliminares sexuais, pois elas empobrecem a expressividade da verdadeira sexualidade por fazerem acreditar que qualquer coisa que não seja a penetração tem menos importância na intimidade. No entanto, também existem outras formas de fazer sexo nas quais a penetração não importa.

Acredita-se que as preliminares são como brincadeiras anteriores ao que realmente importa, ou seja, a penetração. Por isso, a doutora Lombardía enfatiza que:

 “A única verdade é que todas as práticas sexuais são completas e satisfatórias por si mesmas, com penetração ou não, terminando com um orgasmo ou não.”

De fato, após consultar muitas mulheres, alguns estudos defendem que a penetração não é a prática preferida delas, já que consideram outras expressões sexuais mais excitantes.

Além disso, outras pesquisas também confirmam que nem todas as mulheres conseguem ter um orgasmo apenas com a penetração. No entanto, esse é um aspecto sobre o qual não se fala muito..

Você também pode se interessar: 8 dados sobre a masturbação feminina

Casal fazendo preliminares
Um dos mitos mais difundidos é de que as mulheres só alcançam o orgasmo com a penetração. Diferentemente dessa ideia, existem outras práticas sexuais que podem ser ainda mais excitantes.

As mulheres podem se reeducar

Vale a pena questionar quem realmente são as mulheres que estão dispostas a se reeducar e lutar por uma sexualidade menos exclusiva, na qual haja o reconhecimento de toda a potencialidade sexual que nossos corpos ocultam.

Essa nova forma de observar a sexualidade nos permite libertar todos aqueles conceitos incorretos, ou fora de lugar, que nos obrigam a ter encontros íntimos cujo propósito é a penetração.

Da mesma forma, considerar a sexualidade como a dimensão complexa que ela realmente é nos ajuda a entender que o que realmente importa é a comunicação com o parceiro, é deixá-lo saber o que gostamos que ele faça conosco e o que gostamos de fazer.

  • Hite, S. The Hite Report: A Nationwide Study of Female Sexuality. Canadá. 2004
  • Quilliam, S. Women on sex. 1995
  • Rutter, V. Schwartz, P: The gender of sexuality: exploring sexual possibilities. USA. 2012
  • Herbenick, D., Fu, T. C. (Jane), Arter, J., Sanders, S. A., & Dodge, B. (2018). Women’s Experiences With Genital Touching, Sexual Pleasure, and Orgasm: Results From a U.S. Probability Sample of Women Ages 18 to 94. Journal of Sex and Marital Therapy44(2), 201–212. https://doi.org/10.1080/0092623X.2017.1346530
  • Kontula O, Miettinen A. Determinants of female sexual orgasms. Socioaffect Neurosci Psychol. 2016;6:31624. Published 2016 Oct 25. doi:10.3402/snp.v6.31624