Posso fazer sexo depois do papanicolau?

15 Setembro, 2020
Algumas mulheres se perguntam se podem fazer sexo após o papanicolau. Vamos esclarecer esta dúvida a seguir.

Você já se perguntou se pode fazer sexo depois do exame papanicolau? Essa é uma das principais dúvidas após o exame ginecológico preventivo. Por isso, hoje queremos revisar os aspectos mais relevantes deste exame para esclarecer essa preocupação.

O que é o exame papanicolau?

Em primeiro lugar, é conveniente definir o que exatamente é o exame que chamamos de papanicolau, ou que também costuma ser chamado de PAP-TEST. Trata-se de um exame ginecológico em que um profissional de saúde coleta uma amostra do colo do útero da mulher, o final do útero em contato com a vagina.

Depois que a amostra é coletada com um cotonete, uma escova pequena ou uma pá pequena específica para esse fim, a amostra então é colocada em uma lâmina de vidro ou em uma garrafa com um líquido especial para preservar as células que foram coletadas.

A amostra será enviada para um laboratório, onde um patologista, médico especialista em interpretação de células sob um microscópio, vai preparar um relatório de acordo com o que viu. Esse relatório retorna à mulher dias depois. De acordo com os resultados obtidos, será dado prosseguimento a um tratamento ou não.

Exame papanicolau
O papanicolau é recomendado como uma medida preventiva para a detecção precoce de problemas no colo do útero.

Para que serve esse exame?

O objetivo do PAP-TEST é detectar o câncer do colo do útero. Isso significa diagnosticá-lo precocemente, em seus estágios iniciais, para iniciar o tratamento correto e evitar complicações decorrentes de uma detecção tardia.

Esse câncer é causado pelo vírus do papiloma humano – HPV – que, após ser adquirido por uma infecção, causa alterações nas células do colo do útero da mulher. Essas mudanças, se mantidas por anos, podem levar a alterações cancerígenas, como explica uma publicação da MedlinePlus.

Portanto, o PAP-TEST é uma ferramenta muito poderosa para prevenir esse tipo de câncer. É acessível, barato para o sistema de saúde e está disponível praticamente em qualquer lugar do mundo.

Talvez você possa se interessar: Saiba mais sobre o HPV

Possíveis resultados do exame papanicolau

O PAP-TEST pode ter, basicamente, dois tipos de resultados: normal ou anormal. Um resultado normal é aquele em que o patologista identifica apenas as células do colo do útero que são consideradas saudáveis.

A única ação tomada nesses casos é a continuação das verificações periódicas de saúde. Dependendo da idade e dos resultados anteriores do PAP, a frequência com que a mulher fará seus futuros controles poderá variar.

Em geral, é recomendável fazer um exame a cada três anos se os resultados forem normais, principalmente entre 35 e 64 anos. Ele deve ser feito desde os 18, 21 ou 25 anos, de acordo com as recomendações de cada país.

Os resultados anormais são relatados de maneira diferente:

  • Células escamosas atípicas de significado indeterminado: possivelmente são alterações inflamatórias e não pré-cancerosas. Nesse caso, o PAP pode ser complementado com um teste para detecção do vírus HPV.
  • Lesão intra-epitelial escamosa: se forem detectadas células que possam ser consideradas pré-cancerosas, ou seja, que se transformarão em câncer do colo do útero a longo prazo, o médico solicitará novos exames de diagnóstico.
  • Células glandulares atípicas: essa variedade requer outros testes que o médico solicitará, pois não está claro se são células pré-cancerosas ou não.
  • Carcinoma de células escamosas ou células de adenocarcinoma: este relatório quase confirma a presença de câncer. É o resultado mais improvável, mas, se presente, exigirá uma consulta imediata para definir o tratamento.

Não deixe de ler: 3 razões para fazer o papanicolau ou citologia 

Exame citológico
Os resultados do papanicolau podem determinar se há alguma anormalidade no colo do útero. Nesse caso, é importante iniciar um tratamento.

Preparação preliminar

Para que o PAP-TEST seja o mais preciso possível, além das questões técnicas de coleta de amostras, é essencial uma preparação prévia, que garantirá que o patologista receba as células em boas condições para analisá-las corretamente.

Conforme detalhado em uma publicação especializada da Clínica Mayo, as recomendações básicas para os dias anteriores à amostragem – 2-3 dias antes – são as seguintes:

  • Não fazer sexo.
  • Evitar usar absorventes internos.
  • Não fazer duchas.
  • Não usar esponjas contraceptivas.
  • Reagendar o teste se estiver em tratamento medicamentoso vaginal (óvulos antimicóticos, por exemplo).
  • Não usar cremes ou pós vaginais.

Também é fundamental que o ciclo menstrual da mulher seja respeitado ao realizar o PAP-TEST. Idealmente, o exame deve ser agendado cerca de cinco dias após o final do sangramento menstrual.

Posso fazer sexo depois do exame papanicolau?

Há uma pergunta comum entre as mulheres: posso fazer sexo após o exame papanicolau? A resposta é sim, na maioria dos casos. Imediatamente após a retirada da amostra, a mulher pode retornar à vida normal.

No entanto, é necessário estar ciente de que alguns sintomas podem ocorrer após a realização do exame. De acordo com a Universidade Johns Hopkins, eles são os seguintes:

  • Sangramento: um pouco é normal, mas se for excessivo, é necessário consultar o médico. Nos dois casos, o desejo sexual pode ser afetado.
  • Presença de fluidos com mau cheiro.
  • Febre ou calafrios.
  • Dor abdominal.

Exceto no caso de sangramento leve, para outras consequências do exame, será necessário consultar um médico. É importante esclarecer que, embora isso possa ocorrer, o mais comum é que a mulher não apresente nenhuma alteração após o papanicolau.

A decisão de fazer sexo depois do papanicolau depende de cada mulher

Pelo exposto na seção anterior, podemos concluir que a possibilidade de fazer sexo depois do exame papanicolau depende de cada mulher. Se tudo acontecer normalmente, não há contraindicações; a paciente pode retomar sua vida normal. No entanto, será necessário consultar um médico nos casos excepcionais descritos acima.

  • Naucler, P., Ryd, W., Törnberg, S., Strand, A., Wadell, G., Elfgren, K., … Dillner, J. (2008, February). Human papillomavirus and papanicolaou tests to screen for cervical cancer. Obstetrical and Gynecological Survey. https://doi.org/10.1097/01.ogx.0000300960.25188.fa
  • Naib ZM. Pap Test. In: Walker HK, Hall WD, Hurst JW, editors. Clinical Methods: The History, Physical, and Laboratory Examinations. 3rd edition. Boston: Butterworths; 1990. Chapter 178. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK287/
  • Pap Test. Johns Hopkins Medicine. https://www.hopkinsmedicine.org/health/treatment-tests-and-therapies/pap-test
  • Prueba de Papanicolaou. Mayo Clinic. https://www.mayoclinic.org/es-es/tests-procedures/pap-smear/about/pac-20394841
  • Virus del papiloma humano. MedlinePlus. https://medlineplus.gov/spanish/hpv.html