5 tipos de câncer ginecológico que deveríamos conhecer

4 de junho de 2018
Visto que os diferentes cânceres ginecológicos em muitas ocasiões ocorrem de forma assintomática e que em outras os sintomas podem ser confundidos com outras doenças, é fundamental realizar exames médicos adequados

Quando falamos de câncer ginecológico, nos referimos propriamente a cinco tipos de doenças associadas ao colo uterino, aos ovários, ao útero, à vagina e à vulva.

Anualmente milhares de mulheres em todo o mundo são diagnosticadas com algum tipo de câncer associado aos seus órgãos reprodutores, e apesar de diariamente a medicina avançar, nos oferecendo tratamentos melhores, a prevenção é o que principalmente pode salvar vidas.

Hoje animamos nossos leitores a conferir este artigo e ter acesso a mais informação a respeito, assim, principalmente nossas queridas leitoras, não se esquecerão mais das revisões periódicas com o ginecologista.

O motivo? Existem muitas doenças que começam de forma simples, por isso é importante examinar os casos já que, tais doenças, em sua maioria, são indolores. Então fique por dentro, vale a pena!

A conscientização sobre o câncer ginecológico

Mulher indicando local do câncer ginecológico

Nunca existirá forma de saber 100% se vamos sofrer ou não em alguma ocasião de um câncer ginecológico. Apesar de o fator genético nos conferir certa pré-disposição em muitas ocasiões, devemos ser conscientes de que cada pessoa é única e de que nada mais do que nós mesmas é quem sabemos quando algo está bem e quando está mudando em nosso corpo.

A prevenção salva vidas e faz com que os tratamentos sejam na maioria das vezes mais efetivos. Assim, não vale a pena prevenir?

Ainda que muitas mulheres ainda sejam jovens, ainda que não existam antecedentes na família de muitas dessas mulheres, perante qualquer incômodo, dor abdominal ou alteração na menstruação não pode-se deixar de consultar um ginecologista.

É bom ressaltar mais uma vez que o câncer ginecológico é um dos campos que mais evoluiu dentro da oncologia, tanto no diagnóstico como nos tratamentos médicos ou cirúrgicos. Assim, não associe de imediato a palavra “câncer” com “morte”, mas enxergue a doença como algo tratável.

Considere como um problema que deve ser enfrentado com coragem, entrega e muito apoio familiar. Então, vamos ao que interessa!

Tipos de câncer ginecológico

1. Câncer do colo do útero

Ano após ano os casos de câncer do colo do útero foram diminuindo graças, principalmente, ao uso de preservativos à citologia cérvico-vaginal e aos testes de detecção par ao vírus do papiloma humano (HPV). Porém, tal e como podemos ver, o diagnóstico precoce é o segredo do sucesso na hora de tratar a doença e o processo tumoral.

Alguns dos sintomas de um câncer no colo do útero são:

  • Sangramento fora do período menstrual.
  • Fluxo vaginal abundante e com pequenos rastros de sangue.
  • Sangramento depois das relações sexuais.
  • Dor abdominal e incômodos na parte baixa das costas.

Muita atenção, pois estes sintomas podem estar relacionados também a outras doenças, como por exemplo, uma infecção. Porém, quando algum desses sintomas ocorre é preciso colocar-se em alerta e procurar a um médico.

2. Câncer de ovários

Apesar de o câncer de ovário se desenvolver principalmente em mulheres entre 50 e 70 anos, também não podemos descuidar dele se formos jovens, visto que esse tipo de doença oncológica tem uma incidência muito elevada.

Atualmente as causas deste tipo de câncer ginecológico não são conhecidas. Os especialistas dizem que se deve a fatores hormonais, ou reprodutivos, à dieta, ao cigarro, ao sobrepeso ou inclusive ao uso de produtos como o pó de talco, visto que o peso genético desta doença não está em valores muito destacáveis: entre 10% e 15%.

O câncer de ovário em geral produz poucos sintomas até que se encontre em uma fase mais avançada. Por isso a importância das revisões periódicas.

Assim, fique atenta aos seguintes sintomas:

  • Pode-se sentir um leve mal-estar na parte inferior do abdômen, algo parecido com uma indigestão;
  • Dor na pelve;
  • Anemia e perda de peso;
  • Falta de apetite, cansaço;
  • Aumento de pelo corporal devido à alteração nos hormônios;

3. Câncer de útero

O colo uterino é a parte inferior do útero, que forma o canal que leva à vagina. Os problemas neste tipo de câncer surgem em uma parte específica, onde o ectocérvice se une com o endocérvice e onde podem-se formar todos os tipos de carcinomas.

O câncer de ovário tem menos incidência em mulheres que passaram por vários episódios de gravidez. Porém, devemos saber também que este tipo de doença tem um componente genético muito elevado.

Um caso muito famoso é o da atriz Angelina Jolie que, como alguns já sabem, optou por extrair os ovários e as trompas de Falópio devido à alta predisposição genética ao câncer de ovário e de mama.

Os sintomas desse câncer podem ser os seguintes:

  • Sangrar quando não está menstruando;
  • Fluido vaginal abundante e com sangue;
  • Sangrar depois de manter relações sexuais;

Saiba também quais são as possíveis causas de irregularidades na menstruação.

4. Câncer de vagina

Ainda que também tenha um componente genético importante, vale ressaltar primeiramente que o câncer de vagina não é tão frequente como os citados anteriormente. Dentro deste tipo de câncer ginecológico podemos diferenciar duas tipologias:

  • Carcinoma de células escamosas: forma-se nas células escamosas que revestem a vagina. Tem uma progressão lenta, quase sem sintomas, até que chega a outros órgãos.
  • Adenocarcinoma: inicia-se nas células glandulares da vagina que produzem e liberam líquidos tais como o “muco vaginal”. É mais comum em mulheres pós-menopausicas.

Os sintomas são:

5. Câncer de vulva

Dor é um sintoma de câncer ginecológico

Cabe dizer que este tipo de câncer não é muito frequente, e afeta principalmente a área dos grandes lábios vaginais.

Tem uma evolução lenta e se associa, em geral, a mulheres que iniciaram muito cedo sua vida sexual e que tiveram vários companheiros (só lembrando que esses são dados gerais da doença, e que nunca devemos nos descuidar por não nos identificarmos com esses dados).

Os aspectos que deveríamos considerar são os seguintes:

  • Ter uma infecção causada pelo vírus do papiloma humano (HPV);
  • Ter antecedentes de exames de Papanicolau (também conhecido como exame frotis de Pap) anormais;
  • Nódulos na vulva ou pequenas massas estranhas, como verrugas, com uma cor diferente;
  • Sentir coceira e muito incômodo na região da vulva;
  • Sofrer de sangramentos não relacionados à menstruação;

Considere que o mais importante de tudo isso é a PREVENÇÃO. Lembre-se de estabelecer suas revisões periódicas e que perante qualquer incomodo, por menor que seja, deve procurar um médico.

Recomendados para você