Septicemia meningocócica, uma doença grave que devemos conhecer

A sepse meningocócica é uma doença grave, causada pela disseminação de meningococos na corrente sanguínea e em vários órgãos. Isso resulta na formação de trombos que podem causar gangrena e outras complicações.
Septicemia meningocócica, uma doença grave que devemos conhecer

Última atualização: 05 Novembro, 2020

A septicemia meningocócica é uma emergência médica que, portanto, deve ser tratada o mais rapidamente possível. É uma doença de progressão rápida que pode causar choque e falência simultânea de vários órgãos do corpo.

Esta condição decorre de uma infecção por meningococo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que existam cerca de 500.000 novas infecções por ano. Entre 20 e 50% daqueles que desenvolvem sepse meningocócica morrem.

Doença meningocócica

A doença meningocócica é causada por um meningococo. É uma bactéria causadora de doenças graves e é adquirida pelo contato com as gotículas que uma pessoa infectada expele ao tossir ou espirrar.

Alguns indivíduos são muito sensíveis a essa bactéria, mas a ciência não sabe o motivo. A verdade é que esse microrganismo invade progressivamente a nasofaringe. O intervalo entre o contágio e o aparecimento dos sintomas é de cerca de 10 dias, embora possa ser menor.

Logo depois, o meningococo penetra na mucosa e entra na corrente sanguínea. A apresentação mais comum desse tipo de doença é a meningite ou inflamação das meninges, que são as membranas que recobrem o cérebro e a medula espinhal.

Um dos possíveis efeitos da doença meningocócica é o desenvolvimento de sepse meningocócica. Esta é uma condição muito grave, com alta taxa de mortalidade. Aqueles que sobrevivem podem ficar com sequelas permanentes.

Mulher com febre
A septicemia meningocócica pode começar como uma meningite com seus sintomas típicos, como febre e dor de cabeça.

Leia também: 6 sintomas de meningite que os pais não devem ignorar

Septicemia meningocócica

A sepse meningocócica é uma forma de choque séptico, que consiste em uma condição médica em que os tecidos e órgãos não recebem oxigênio e nutrientes suficientes. A consequência disso é uma morte gradual das células e uma falha geral que pode levar à morte.

A multiplicação do meningococo no sangue forma coágulos. Estes dificultam a circulação em um ou mais órgãos ou extremidades, causando gangrena. Paradoxalmente, também ocorrem hemorragias de difícil controle.

Estima-se que uma em cada quatro pessoas com esta doença necessitará da amputação de um membro. Da mesma forma, a sepse causa lesões cutâneas que geram cicatrizes e levam a deformidades. Este último quadro frequentemente leva à cirurgia e tem um processo de cicatrização muito lento.

Sintomas e manifestações da septicemia meningocócica

Os sintomas dessa patologia são muito amplos. A princípio, pode aparecer uma febre leve, mas em muitos casos isso se transforma em falência de múltiplos órgãos e morte em poucas horas.

Normalmente, nas primeiras quatro a seis horas, aparecem os sintomas comuns aos de qualquer infecção viral: febre, calafrios, tontura, náusea, dor de cabeça e fraqueza. Também pode haver diarreia e vômitos.

Além dessas manifestações, os sintomas típicos da sepse são os seguintes:

  • Pele pálida e com manchas.
  • Respiração acelerada.
  • Tremores em mãos e pés frios.
  • Sonolência e confusão.
  • Pressão sanguínea baixa.
  • Dor nas articulações ou membros.
  • Erupção cutânea tipo rash: a erupção cutânea derivada da sepse se parece com pequenas manchas vermelhas e brilhantes. Elas podem se juntar e assumir a forma de hematomas recentes. Nem todas as pessoas com essa condição os apresentam.

Diagnóstico e tratamento

A septicemia meningocócica pode se manifestar com ou sem meningite. Normalmente, o diagnóstico é feito a partir de um exame de sangue, meio de swab (cotonete) na mucosa nasofaringe, radiografia de tórax e amostra de fezes.

O tratamento da doença é realizado em hospital ou clínica médica, mas não requer isolamento. A abordagem convencional inclui quatro medidas:

  • Administração de antibióticos: devem ser administrados de maneira precoce. Se houver um foco visível de sepse ou infecção, ele deve ser drenado.
  • Fluidos: realiza-se a hidratação parenteral para preencher o espaço vascular e manter a pressão arterial, de forma que não se atinja a hipotensão extrema.
  • Uso de drogas vasoativas: essas drogas neutralizam as alterações cardiocirculatórias que, por sua vez, são decorrentes da inflamação causada pela sepse.
  • Medidas de suporte vital: incluem administração de oxigênio, intubação traqueal e ventilação mecânica. Se houver sangramento, geralmente são usados ​​coagulantes e plasma fresco congelado.
Vacina contra meningite
As vacinas meningocócicas são importantes pois diminuem a circulação dessas bactérias na população.

Isso também pode te interessar: Sepse urinária: causas e tratamento

Prevenção da septicemia meningocócica

A prevenção da sepse meningocócica consiste principalmente em evitar o contágio através do meningococo. Existem duas vacinas disponíveis para contribuir para esse propósito:

  • Vacina pneumocócica: protege contra a meningite pneumocócica. Está no calendário de vacinação de bebês e frequentemente é aplicada em pessoas com mais de 65 anos. Especula-se que esta vacina possa apresentar reação cruzada e prevenir, por semelhança, infecções meningocócicas. Em qualquer caso, por enquanto, só deve ser considerada eficaz contra S. pneumoniae.
  • MenC: oferece proteção contra o grupo de meningococos do tipo C. É aplicada em bebês e está disponível para menores de 25 anos.

As vacinas não protegem contra todos os tipos de meningococos, mas reduzem muito a circulação das bactérias mais associadas ao problema. Outras orientações de prevenção são a limitação do contato com os doentes, a lavagem frequente das mãos e a higiene dos objetos de uso pessoal.

Pode interessar a você...
Combata os sintomas da septicemia com estas plantas medicinais
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Combata os sintomas da septicemia com estas plantas medicinais

Se identificarmos os sintomas da septicemia, além de aproveitar as propriedades desses remédios naturais, é conveniente ir ao médico.



  • Wilhelm, J., & Villena, R. (2012). Historia y epidemiología del meningococo. Revista chilena de pediatría, 83(6), 533-539.
  • Solórzano-Santos, F., Ortiz-Ocampo, L. A., Miranda-Novales, M. G., Echániz-Avilés, G., Soto-Noguerón, A., & Guiscafré-Gallardo, H. (2005). Serotipos prevalentes de Streptococcus pneumoniae colonizadores de nasofaringe, en niños del Distrito Federal. salud pública de méxico, 47(4), 276-281.
  • Navalón, I. C., Herrejón, E. P., & Torralba, J. J. (2003). Sepsis meningogócica. Una enfermedad rara, grave y potencialmente letal. ¿Existe alguna alternativa al tratamiento? ¿ Cuál es el papel de la proteína C activada? Puesta al día en urgencias, emergencias y catástrofes, 4(1), 6-11.
  • Arnáiz-García, María Elena, et al. “Mutilating purpura fulminans in an adult with meningococcal sepsis.” Puerto Rico Health Sciences Journal 36.3 (2017): 179-182.
  • de Tena, J. García, et al. “Protocolo diagnóstico del rash cutáneo y fiebre en adultos.” Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado 12.59 (2018): 3485-3491.
  • Vázquez, E. García, et al. “Infecciones por meningococo.” Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado 11.58 (2014): 3407-3411.
  • Pedraz, J., and Eduardo López-Bran. “Protocolo diagnóstico de los exantemas cutáneos eritematopurpúricos.” Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado 12.48 (2018): 2872-2876.
  • Cid, Jesús López Herce. “¿ Debe administrarse tratamiento antibiótico prehospitalario en la sospecha de sepsis meningocócica?.” Evidencias en pediatría 2.4 (2006): 1.
  • Klugman, Keith P. “Eficacia y efectividad de las vacunas antineumocócicas conjugadas.” Vacunas: Prevención de enfermedades, protección de la salud. Washington: OPS-OMS (2004): 114-8.
  • Artola, Beatriz Sánchez. “Tratamiento de las infecciones graves por Neisseria meningitidis (meningococo).” Revista Electrónica de Medicina Intensiva Artículo C11 (2004).