Os cítricos ajudam a combater a obesidade e infartos cerebrais

4 de fevereiro de 2019
Para aproveitar ao máximo as propriedades e os benefícios dos cítricos é conveniente que consumamos as frutas diretamente, não seu suco, e sempre que pudermos, que optemos pelas de cultivo orgânico.

Todos sabemos que os cítricos são saudáveis. Os consumimos em sucos, de forma natural e combinados em muitos de nossos pratos cotidianos.

Agora, algo que possivelmente não costumamos considerar é que as laranjas e os limões são muito recomendáveis na hora de enfrentar a obesidade.

Ainda, são maravilhosos favorecedores da saúde hepática e cardíaca. Todas essas virtudes que nos oferecem conseguem graças a componentes dos quais queremos falar a seguir: as flavanonas.

Temos certeza de que esta informação será de grande utilidade. Porém, considere algo essencial: procure sempre cítricos de cultivo orgânico livres de pesticidas.

Só assim aproveitaremos ao máximo o tesouro natural destas frutas maravilhosas.

Os cítricos, sinônimo de saúde

Na última reunião da Sociedade Americana de Saúde e Química, celebrada em agosto deste mesmo ano, foi exposto um interessante trabalho sobre o benefício dos cítricos para a nossa saúde.

Este estudo foi publicado em várias revistas científicas. Dessa forma, os dados que muitos já conhecem se completaram com novos dados com os quais nos convencemos ainda mais sobre a necessidade de consumir cítricos com frequência.

Descubra também: Como preparar limonada de cúrcuma para combater a depressão

Laranjas e limões para regular a gordura corporal

A obesidade é, atualmente, um problema de saúde pública. Não manter um peso adequado supõe aumentar o risco de desenvolver determinadas doenças do coração, problemas hepáticos e diabetes.

Mulher que emagreceu graças aos cítricos

A obesidade aumenta o estresse oxidativo e a inflação. Portanto, é desencadeada uma série de reações muito perigosas para a nossa saúde.

  • Ter muitos depósitos de células gordurosas é um problema grave para a nossa saúde, sobre o qual há que atuar o mais rápido possível.
  • Comer “pouco” não é a solução. Devemos comer bem. Qualquer tipo de alimentos que colocamos em nossos pratos são mais importantes, inclusive, do que a quantidade.
  • Os cítricos como por exemplo os limões, laranjas ou toranjas contêm grandes quantidades de antioxidantes. Dentre eles, os mais poderosos são as flavanonas.
  • As flavanonas dos cítricos nos ajudam a reduzir o estresse oxidativo causado pelo excesso de gordura. Se consumimos cítricos de forma regular estes depósitos serão menos resistentes.

Assim, é preciso ter isso em conta: tomar suco de limão não faz com que possamos emagrecer de forma imediata. O que faz, na realidade, é que se torne mais fácil perder peso, porque a gordura já não está tão “compacta”.

Os nódulos de gordura são mais frágeis. Ainda, os cítricos favorecem as funções do fígado. Ajudam a reduzir o nível de glicose no sangue e nos permitem prevenir a obesidade abdominal.

As flavononas dos cítricos reduzem os derrames cerebrais em mulheres

Os infartos cerebrais supõem outro dos maiores riscos de saúde pública na atualidade. Além disso, têm uma incidência muito alto nas mulheres.

Ainda que não possamos preveni-los 100%, podemos reduzir seu desenvolvimento em uma porcentagem interessante.

As flavononas dos cítricos nos ajudam a reduzir o risco de ataque cerebral quase em 19%. Conseguem isso ao evitar a formação de coágulos e principalmente, ao nos ajudar a manter os vasos sanguíneos do cérebro em bom estado.

  • De acordo com um estudo publicado na revista, foi demonstrado que as mulheres que consumiam laranja, limões e toranjas diariamente tinham até 19% menos de probabilidades de ter um acidente cerebrovascular isquêmico.
  • Entretanto, os responsáveis por esse estudo nos advertiram de algo muito importante: é preciso evitar os sucos comerciais, visto que eles contêm açúcares adicionados e não são saudáveis.
  • Devemos comer frutas naturais. Se nos limitamos aos sucos engarrafados aumentamos o risco de sobrepeso e diabetes.
  • O mais adequado será, sem dúvida, comer frutas inteiras e não tantos produtos que as incluam.

Cítricos

Consuma a “parte branca” dos cítricos

Aqui está o segredo dos cítricos como o limão ou a laranja: a parte branca da fruta, que curiosamente é a primeira coisa que jogamos fora.

Não faça isso. Se deseja se beneficiar ainda mais das flavononas, consuma essa parte.

  •  Não apenas lutam contra a obesidade ou de previnem acidentes cerebrovasculares, as flavononas nos ajudam a lutar contra o câncer de cólon e de mama.
  • Este antioxidante favorece a circulação venosa e arterial por causa de suas propriedades antiaglutinantes e vasodilatadoras.

Assim, lembre-se, se você come laranja, descasque-a e sirva os gomos junto com essa pele branca que os envolve.

Por outro lado, se opta por limões, não deixe de preparar o que se conhece como técnica do limão congelado.

  • Basta congelar alguns limões. Em seguida, cada vez que preparar uma vitamina, salada ou salada de frutas natural, basta tirar o limão para ralá-lo.
  • Desse modo, aproveitamos a totalidade da peça de fruta, incluindo a casca, a polpa e a parte branca.

Descubra também: Como preparar uma vitamina de aveia e uvas para cuidar do coração

Em conclusão, para cuidar de nosso bem estar e prevenir doenças, o melhor é manter uma dieta equilibrada. Comer de modo consciente e inteligente é a chave para o nosso equilíbrio interior.

Ainda, lembre-se, escolha sempre cítricos de cultivo orgânico.

  • JOSHIPURA, Kaumudi J. et al. Fruit and vegetable intake in relation to risk of ischemic stroke. Jama, v. 282, n. 13, p. 1233-1239, 1999.
  • CASSIDY, Aedín et al. Dietary flavonoids and risk of stroke in women. Stroke, p. STROKEAHA. 111.637835, 2012.
  • FERNANDES, Pricilla Regina Oliveira Fernandes et al. Vitamin C restores blood pressure and vasodilator response during mental stress in obese children. Arquivos brasileiros de cardiologia, v. 96, n. 6, p. 490-497, 2011.
  • GUO, Jingjing et al. Prevention of obesity and type 2 diabetes with aged citrus peel (Chenpi) extract. Journal of agricultural and food chemistry, v. 64, n. 10, p. 2053-2061, 2016.