Segundo estudo, ter marido significa ter 7 horas a mais de trabalho

4 de fevereiro de 2019
Ainda que geralmente a mulher seja a encarregada das tarefas do lar, a verdade é que os papéis estão mudando e cada vez mais há igualdade na hora de dividir as tarefas.

É muito possível que o título deste artigo tenha incomodado algumas pessoas. Pois bem, “ter ou não ter um marido NÃO é uma causa direta” para que uma mulher tenha mais ou menos responsabilidades em casa.

Falamos simplesmente da desigualdade de gênero que continua existindo em muitas famílias; algo que os pesquisadores da Universidade de Michigan quiseram analisar através de um estudo.

Os resultados são claros e contundentes: atualmente a mulher continua sendo a responsável por grande parte das tarefas domésticas.

Obviamente, e isso deve ser deixado bem claro, não podemos generalizar.

Todos conhecemos lares onde são os maridos os responsáveis por quase tudo e; por outro lado também, há casais que mantêm uma distribuição perfeita e equitativa de cada uma das tarefas familiares.

Vejamos os dados analisados por este interessante estudo.

As desigualdades de gênero entre marido e mulher

A notícia não é exatamente nova.

De fato, a Universidade de Michigan fez uso de uma base de dados sobre as dinâmicas familiares que o Institute for Social Research vinha compilando desde 1968.

Recomendamos: Meu parceiro não me ajuda em casa

A ideia era realizar uma pesquisa atual para ver como a divisão das tarefas domésticas haviam mudado ao longo das décadas.

Os resultados foram publicados pela agência Reuters e podemos resumi-los da seguinte maneira:

Desigualdade na divisão de tarefas entre marido e mulher

Mulher com marido na mão

Apesar dos tempos estarem mudando em seu próprio ritmo, despertando assim novas consciências e mudanças legais que permitem conciliar a vida profissional com a familiar; são os homens os que continuam trazendo ao lar os salários mais elevados.

  • As mulheres são as que optam, geralmente, por abandonar temporal ou definitivamente suas responsabilidades profissionais e laborais para se dedicarem à criação dos filhos e ao cuidado do lar.
  • Quando há igualdade de condições, ou seja, quando ambos os cônjuges trabalham; continua sendo, em média, as mulheres quem mais horas de trabalho dedicam por semana para a casa e os filhos.
  • Há diferenças, dependendo da geração. As mulheres com mais de 60 anos dedicam até 28 horas semanais ao cuidado da casa. Por sua vez, as mulheres com 3 filhos são as que investem mais tempo na atenção das crianças e da casa; muito mais do que o próprio marido.
  • O restante das mulheres comprometidas dedica em média 7 horas a mais por semana do que seu companheiro ou marido às tarefas do dia a dia com a casa e as crianças; caso o casal tenha filhos.

Por outro lado, não nos surpreende saber que no passado as diferenças eram muito mais pronunciadas. Em 1976, por exemplo, a média de horas que as mulheres dedicavam às tarefas domésticas era de 26; enquanto seus maridos dedicavam apenas 6 horas.

Recomendamos: Os efeitos da violência doméstica a longo prazo

Desigualdade nas tarefas de cuidado de pessoas dependentes

Mulher segurando uma casa na mão

Este dado é um dos mais relevantes. Um casal pode, sem dúvida, repartir perfeitamente as tarefas de cuidado e criação dos menores.

No entanto, no que se refere à atenção a pessoas dependentes, sejam idosos ou outros familiares com grandes limitações físicas, a responsabilidade recai sobre a mulher.

Aqui continua pesando muito a tradição e o esquema em que as mulheres sempre foram as que, na esfera privada do lar, se ocuparam do cuidado e atenção de seus familiares; assim como das tarefas domésticas.

Voltamos a ressaltar que, obviamente, cada família terá suas próprias dinâmicas, e haverá milhares de homens, companheiros e maridos que se responsabilizam por este papel. No entanto, segundo o estudo da Universidade de Michigan, as diferenças continuam sendo notáveis.

Mudar a consciência e educar em igualdade

Avançamos um pouco desde a época em que nossas avós ou mães entendiam que era responsabilidade delas cuidar e atender a todas as tarefas da casa.

No entanto, também há aspectos que devemos ter claros: um casal chega a seus próprios acordos em função de sua realidade e de suas necessidades particulares.

  • As tarefas do lar são responsabilidade de ambos; se os dois membros trabalham. Igualdade de condições e igualdade de investimento.
  • Se o casal chegar a um acordo em que um dos dois decide ficar em casa e cuidar das crianças para que o outro cônjuge seja o responsável por trazer dinheiro para o lar se sua posição profissional é melhor; é algo respeitável.
  • No entanto, a autêntica desigualdade acontece quando, em igualdade de condições pessoais, somente um investe, somente um dedica seu tempo, enquanto o cônjuge entende e dá como certo, simplesmente, que é assim que se constroem os papéis e que é assim que deve ser.
  • Não é o adequado. É necessário mudar a consciência e investir na igualdade de gênero, na igualdade de responsabilidades e de oportunidades.
Mulheres com maridos andando de bicicleta

Algo assim só se consegue através de uma educação respeitosa onde ensinamos às crianças desde bem cedo que todos somos uma grande equipe; que homens e mulheres têm os mesmos direitos, que todos somos pessoas com necessidades e obrigações.

  • Mody, P. (2015). Marriage. In International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences: Second Edition. https://doi.org/10.1016/B978-0-08-097086-8.12107-5
  • Shanhua, Y. (2012). Marriage and family. In Chinese Society – Change and Transformation. https://doi.org/10.4324/9780203116739