O que é a ruptura do músculo da panturrilha?

13 Setembro, 2020
Uma lesão na panturrilha ocorre com mais frequência durante a prática de esportes, quando você pula, faz uma mudança rápida de direção ou força os pés para acelerar.
 

Uma ruptura do músculo da panturrilha é uma lesão súbita e séria. Esse tipo de lesão pode exigir atendimento médico. O músculo da panturrilha é composto por dois músculos, o gastrocnêmio e o sóleo.

O músculo da panturrilha ajuda a flexionar a perna, mas também está envolvido em movimentos rápidos, como saltos e corridas curtas.

Causas de ruptura do músculo da panturrilha

Uma lesão na panturrilha ocorre com mais frequência durante a prática de esportes, quando você precisa empurrar rapidamente com o pé para acelerar de repente. No entanto, ela também pode acontecer quando você pula ou faz uma mudança rápida de direção.

Esse movimento repentino pode sobrecarregar a panturrilha, fazendo com que ela se estenda além dos seus limites normais. Dessa forma, pode ocorrer uma ruptura do músculo da panturrilha. Pessoas que praticam esportes como tênis e basquete são mais propensas a sofrer essa lesão.

Quando a lesão ocorre, é possível ouvir um clique ou sentir uma fisgada na panturrilha. Além disso, outros sintomas podem aparecer, tais como:

  • Dor
  • Inflamação
  • Contusões
  • Problemas para caminhar ou suportar o peso com a perna machucada

Talvez você possa se interessar: Ruptura do menisco: características e sintomas

Sintomas

Massagem na panturrilha
 

Os sintomas dependem da gravidade da lesão. Se for apenas um inchaço, você sentirá um forte alongamento na perna. Você pode até sentir uma dor latejante.

No entanto, uma ruptura do músculo da panturrilha causa uma dor muito aguda e você mal conseguirá andar. Existem três graus, dependendo da gravidade da lesão:

Ruptura de grau 1

Envolve micro-rupturas nas fibras musculares em até 10%. É caracterizada por dor leve na parte de trás da perna e perto do calcanhar. Quase não há perda de força e movimento e você pode continuar fazendo exercícios regularmente.

A recuperação total ocorrerá várias semanas após a lesão. Isso vai depender da porcentagem de fibras envolvidas e do tratamento.

Ruptura de grau 2

Envolve danos mais extensos e mais dor. No grau 2, há uma perda significativa de força e mobilidade muscular. A inflamação também é mais grave e os hematomas aparecem rapidamente. Além disso, existem limitações para as atividades.

O músculo gastrocnêmio é considerado de alto risco no que diz respeito à ruptura muscular. Isso ocorre porque ele cruza os joelhos e os tornozelos e possui uma alta proporção de fibras musculares de contração rápida.

Ruptura de grau 3

Neste grau, há uma desagregação completa do corpo muscular. A dor neste caso é muito aguda e a inflamação é grave e imediata. Há também uma protuberância palpável na panturrilha à medida que a parte quebrada se contrai.

A incapacidade de andar é característica da ruptura do grau 3. As fibras musculares não podem se encontrar e é necessária uma intervenção de emergência.

 

Leia também: Exercícios para ganhar músculo e força

Como é tratada uma ruptura do músculo da panturrilha?

Ruptura muscular

O protocolo de tratamento mais eficaz para a ruptura do músculo da panturrilha é conhecido como R.I.C.E, na sigla em inglês:

  • Repouso (rest)
  • Gelo (ice)
  • Compressão (compression)
  • Elevação (elevation)

O primeiro passo é descansar, parando temporariamente todo tipo de atividade física. A terapia com gelo ou frio deve ser aplicada na área lesionada o mais rápido possível. Dessa forma, é possível cessar o sangramento interno e reduzir a inflamação.

É aconselhável aplicar o frio por 10 a 15 minutos a cada hora e depois reduzir a frequência conforme a dor e a inflamação forem diminuindo. Também ajuda o ato de comprimir o gelo contra a lesão com um curativo de compressão.

Se a ruptura for mais grave, é conveniente saber qual músculo dos dois que compõem a panturrilha é o mais afetado. Para isso, é provável que seja necessário fazer uma ultrassonografia ou ressonância magnética para diagnosticar melhor a localização e a extensão da lesão.

As rupturas de grau 3 e algumas do grau 2 requerem cirurgia para conectar e reparar músculos e tendões prejudicados. Nesse caso, o tempo é essencial, porque quanto mais tempo um músculo lesionado se contrair, mais difícil será alongá-lo e obter um tônus ​​muscular adequado.

 

Após a cirurgia, o protocolo R.I.C.E e as orientações indicadas pelo fisioterapeuta serão aplicadas para fortalecer os músculos.

  • López, A. A. (1996). Bases científicas para el tratamiento del desgarro muscular Movilización versus inmovilización. Revista Española de Cirugía Osteoarticular.

  • Vaisman Burucker, A., Scheu Goncalves, M., Araya Proboste, I., Calvo Mena, R., Figueroa Poblete, D., Gallegos Angulo, M., … Conget Molina, P. (2018). ¿Podemos Mejorar La Cicatrización de un Desgarro Muscular Masivo? Revista Chilena de Ortopedia y Traumatología. https://doi.org/10.1055/s-0038-1641564

  • José Bugeda Becerril. (2013). DISTENSIÓN MUSCULAR EN EL DEPORTE: TRATAMIENTO FISIOTERÁPICO. Diplomado En Fisioterapia Por La Universidad Alfonso X El Sabio de Madrid .