Os riscos de emendar relacionamentos

O hábito de emendar relacionamentos surge do medo de ficar sozinho, da dependência emocional, da falta de autoestima, entre outras carências. Você já começou uma relação nova logo depois de terminar a anterior?
Os riscos de emendar relacionamentos

Última atualização: 16 Junho, 2021

O hábito de emendar relacionamentos, começando um novo logo depois de terminar o anterior, é um tema que vem sendo cada vez mais analisado devido ao significado que carrega consigo.

Supõe-se que, quando uma relação amorosa termina, o que se segue é um período de luto, ou seja, uma resposta emocional caracterizada pela dor, conforme demonstram diferentes estudos.

No entanto, há algumas pessoas que, logo depois de terminar um relacionamento, já engatam outro com uma pessoa nova. Qual pode ser a explicação por trás deste comportamento?

O que pode explicar o hábito de emendar relacionamentos?

Quando uma relação termina e começa o processo de luto, é normal que a pessoa experimente alguns dos seguintes sintomas:

  • Tristeza
  • Ansiedade
  • Raiva
  • Solidão
  • Culpa
  • Impotência
  • Fadiga

Além disso, podem ir surgindo outras emoções à medida que o processo vai avançando. No entanto, o que acontece quando a pessoa “pula” esta etapa e começa um novo relacionamento?

O psicólogo Vicente Garrido explica que quem mantêm este hábito faz isso porque tem uma certa carência, ou seja, algo que lhe falta, e considera que pode preencher esse algo com outra pessoa.

Casal de mãos dadas
As pessoas que começam uma relação logo após terminar outra costumam ter carências emocionais, de acordo com especialistas no tema.

O que fazer nessas situações?

É importante que você avalie se este costuma ser o seu caso. Se você nota que seus períodos de solteirice são muito curtos, e que você geralmente emenda um relacionamento em outro, é provável que precise repensar algumas coisas.

Nesses casos, outros problemas podem estar presentes, talvez relacionados à sua autoestima, ao medo de ficar sozinho ou à dependência emocional.

Se esta é a sua situação, você precisa avaliar o que há por trás deste comportamento, já que se houver algum assunto que você precisa resolver para se sentir melhor, é conveniente consultar um psicólogo e evitar repetir este tipo de relação afetiva que, no fim das contas, pode acabar sendo nociva.

Por que emendar relacionamentos pode ter tão prejudicial?

Muitas pessoas emendam relacionamentos para evitar que a sua autoestima seja prejudicada. No entanto, no fundo, elas acabam se machucando ainda mais. Você pode acreditar que esta “anestesia” está fazendo efeito, mas se a nova relação não for boa, for pior do que a anterior ou também não acabar bem, você pode sofrer duplamente.

A sua autoestima pode ser abalada em dobro, e além disso, você não vai solucionar o seu medo de ficar sozinho. A dependência emocional continuaria, o que também é um risco, principalmente para o alcance das suas metas como pessoa.

Se você não quer que a sua autorrealização seja prejudicada, é preferível enfrentar e resolver este assunto de uma vez por todas.

Como evitar cair nesse tipo de situação?

Alguns enfoques analíticos apontam que estas relações de transição funcionam como um colchão emocional para quem não quer enfrentar a etapa do luto pelo ex-parceiro.

No entanto, é melhor seguir algumas recomendações e entrar no novo relacionamento de forma harmoniosa e tranquila, podendo dar e receber um amor de qualidade.

Não deixe de ler: O apego nos relacionamentos

Relacionamento possessivo
É importante abordar o hábito de começar um novo relacionamento logo após terminar outro, já que isso pode nos limitar e nos levar a repetir fracassos amorosos.

O que fazer se você tem o hábito de emendar relacionamentos?

Analise o seu histórico de relacionamentos. Observe se os períodos em que você ficou sozinho compreendem um tempo considerável ou se você sempre coloca um band-aid na sua ferida emocional e encontra um substituto rapidamente.

Se você terminou uma relação recentemente, espere um tempo significativo antes de iniciar uma nova. Cada pessoa precisa de uma certa quantidade de tempo para enfrentar o luto, mas tente esperar alguns meses antes de começar a sair com alguém.

  • Identifique as suas emoções após o término. Você tem medo de ficar sozinho? Quer fazer seu ex ficar com ciúme? Responder a estas perguntas pode levar à origem do motivo de emendar relacionamentos.
  • Seja responsável. Saiba que, quando você sai com outra pessoa para esquecer alguém do passado ou preencher um vazio, você só está usando esse alguém que ocupa um lugar na sua vida.
  • Aja de maneira consciente. Uma vez que você identificar as suas emoções, tenha consciência do que você realmente quer para a sua vida afetiva. Pular de relacionamento em relacionamento? Ter um parceiro estável e uma relação sólida? Preencher vazios e entrar em um círculo vicioso?
  • Se você sentir que não é capaz de fazer isso sozinho, consulte um psicólogo para que ele lhe ofereça apoio e acompanhe o processo. Talvez você precise fazer terapia para solucionar problemas internos.
  • Lembre-se, acima de tudo, de que você é uma pessoa completa, cheia de virtudes, capaz de chegar aonde quiser. Inclusive, você pode alcançar as suas metas mais rapidamente se estiver em boa companhia, e não com alguém que serve apenas para preencher um buraco emocional.

Não tenha medo de estar sozinho. Muitas vezes, as melhores coisas da vida acontecem quando recomeçamos e tomamos decisões de forma consciente.

Pode interessar a você...
Os 5 passos para encontrar o equilíbrio emocional
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Os 5 passos para encontrar o equilíbrio emocional

Estar em equilíbrio emocional faz com que nos sintamos melhores com nós mesmos. Assim, se você quiser refletir sobre o assunto, leia esse artigo.



  • Villegas Besora, M. (2006). Amor y dependencia en las relaciones de pareja. Revista de Psicoterapia17(68), 5–64.
  • Sanpedro, P. (2005). El mito del amor y sus consecuencias en los vínculos de pareja. Disenso45. Retrieved from http://cdd.emakumeak.org/ficheros/0000/0392/Pilar_Sanpedro.pdf
  • Ruptura de la pareja en jóvenes: factores relacionados con su impacto. (2017). Enseñanza e Investigación En Psicología22(3), 342–352.