7 remédios caseiros e naturais para tratar o pé de atleta

06 Outubro, 2020
Além de manter uma higiene adequada e evitar a umidade na área, para tratar o pé de atleta, podemos aproveitar as propriedades antifúngicas de alguns ingredientes naturais como o bicarbonato. Descubra outros!

O pé de atleta é uma infecção que ocorre devido a um fungo. Este se prolifera em ambientes opostos: em áreas ou muito quentes ou muito úmidas.

Você sabe como reconhecê-lo? Sabe qual é o tratamento? Neste artigo, vamos falar sobre seus principais sintomas e causas. Além disso, apresentamos alguns remédios naturais que ajudam a combatê-lo.

Quais são as causas do pé de atleta?

O pé de atleta é uma infecção causada por fungos que crescem facilmente em ambientes quentes e úmidos.

De acordo com informações reunidas em National Center for Biotechnology Informationo pé de atleta é causado pela infecção de fungos dermatófitos. Estes podem chegar à pele através de pequenas rachaduras ou feridas em sua camada externa.

Como os pés geralmente ficam em um ambiente úmido e quente, esses fungos conseguem se proliferar. Por sua vez, a probabilidade de contrair a infecção aumenta devido aos seguintes fatores:

  • Umidade nos pés durante longos períodos de tempo.
  • Transpiração excessiva.
  • Não se secar bem.
  • Pequenas lesões na pele.
  • Deficiências imunológicas.
  • Usar meias que não sejam de algodão ou sapatos de plástico fechados, com os quais os pés não são ventilados adequadamente.

Para piorar o assunto, é muito contagioso ao contato: de dedo com dedo, de pé com pé, em pisos de banheiros, com o sapato, para citar algumas formas de contágio. Portanto, uma vez detectado, deve ser neutralizado eficientemente para evitar sua propagação.

Visite este artigo: Como deter a micose nos pés: 6 remédios caseiros

Quais são os sintomas do pé de atleta? 

Os sintomas do pé do atleta podem se manifestar de uma maneira ou de outra, dependendo da gravidade da infecção. Frequentemente, pode causar:

  • Mau cheiro.
  • Erupção cutânea escamosa de cor vermelha.
  • Dor ao esticar os dedos.
  • Bolhas que liberam líquido ou formam crostas.
  • Ressecamento na pele.
  • Ardor e coceira.

Remédios naturais para combater o pé de atleta

O pé de atleta é uma infecção fúngica, portanto, seu tratamento de primeira linha costuma ser com produtos antifúngicos prescritos ou de venda livre. Informações divulgadas na Cochrane Library destacam que para combater essa infecção os antifúngicos devem ser utilizados 2 vezes ao dia, durante cerca de 4 semanas.

No entanto, em algumas pessoas, por existir o risco de reinfecção, o tratamento deve ser prolongado ou repetido. Além disso, é conveniente manter os pés secos, usar calçados ventilados e evitar andar descalço em piscinas e locais públicos.

Também existem uma série de remédios caseiros que podem servir como coadjuvantes contra essa infecção. Embora as evidências sobre sua eficácia sejam limitadas, geralmente são seguros de usar e, de acordo com a cultura popular, oferecem bons resultados.

1. Vinagre

O vinagre deve ser usado em quantidades moderadas, pois é ácido e pode alterar o pH da pele. Duas colheres de sopa serão suficientes.

Os banhos de vinagre de maçã são um dos remédios populares contra o pé de atleta. De acordo com um estudo publicado no Medscape General Medicine, possui propriedades anti-infecciosas. No entanto, não há evidências sobre sua eficácia contra o pé de atleta.

De qualquer forma, é um remédio seguro e econômico que, ao que parece, alivia sintomas como a coceira. Se você quiser experimentá-lo em casa, siga estas instruções.

Ingredientes

  • 2 colheres de sopa de vinagre (30 ml).
  • 3 xícaras de água (750 ml).

Modo de Preparo

  • Primeiro, misture o vinagre com água morna em um balde.
  • Depois, introduza os pés e mantenha-os de molho por 15 minutos.
  • Ao finalizar, seque-os muito bem. Repita esse processo duas vezes por dia.

Leia também: 8 benefícios de consumir uma colher de sopa de vinagre de maçã por dia

2. Sal

Outro remédio que pode ajudar a aliviar o pé de atleta é nada mais e nada menos que o sal. Como no caso anterior, o utilizaremos por meio de banho.

Ingredientes

  • 6 colheres de sal (60 g)
  • 4 xícaras de água (1 litro)

Modo de Preparo

  • Em primeiro lugar, adicione o sal em um balde com água e, depois, mergulhe os pés.
  • Depois de quinze a vinte minutos, seque-os bem.
  • Você deve fazer isso durante, pelo menos, quinze dias.

3. Bicarbonato de sódio

O bicarbonato de sódio misturado com água costuma ser seguro para a maioria das pessoas. Entretanto, seu uso deve ser suspenso caso seja observada alguma reação indesejada.

Na literatura popular, ingredientes como o bicarbonato de sódio têm sido usados ​​como adjuvantes para problemas como fungos nos pés. Embora faltem pesquisas para apoiar esse uso, um estudo publicado na revista Mycopathologia descobriu que esse ingrediente tem atividade antifúngica quando usado na pele.

Em qualquer caso, como mais pesquisas são necessárias, você deve usá-lo com cautela. Caso seja observada reação desfavorável, será necessário suspender o uso e enxaguar com água em abundância.

Ingredientes

  • 2 colheres de sopa de bicarbonato (20 g)
  • Água (a quantidade necessária)

Modo de Preparo

  • Inicialmente, misture o bicarbonato com um pouco de água. A ideia é que fique uma pasta espessa. Assim, em função da quantidade que precisar, você pode adicionar mais água ou mais bicarbonato.
  • Depois, massageie a região afetada com a pasta e deixe agir. Enxágue depois de 20 minutos.

4. Suco de cebola

A cebola possui propriedades antifúngicas que, aparentemente, podem ajudar no tratamento do pé de atleta. Em uma pesquisa publicada na revista Fitoterapia, foi determinado que esse ingrediente, assim como o alho, tem efeitos promissores no tratamento de doenças fúngicas, como as que causam os dermatófitos.

Como no caso anterior, faltam evidências para confirmar sua segurança e eficácia. Portanto, caso note algum efeito indesejado, é melhor suspender seu uso.

Ingredientes

  • 1 ou 2 cebolas

Modo de Preparo

  • Em primeiro lugar, processe as cebolas até obter seu suco.
  • Em seguida, com ajuda de um algodão, aplique o suco na região infectada (depois de limpar com algum produto antimicótico).
  • Por último, limpe e proteja com talco para evitar resíduos de umidade.

5. Chá

Os banhos com saquinhos de chá têm um efeito calmante contra sintomas como a coceira e a irritação causada pelo pé de atleta
Há quem diga que colocar os pés em uma tigela de chá pode ajudar contra fungos. No entanto, faltam evidências para comprovar sua eficácia.

Os banhos com saquinhos de chá têm um efeito calmante contra sintomas como a coceira e a irritação causada pelo pé de atleta. Dizem que também ajuda contra os fungos, mas não há evidências.

Ingredientes

  • 2 xícaras de água (500 ml)
  • 6 colheres de chá (60 g) ou 6 saquinhos

Modo de Preparo

  • Primeiro, esquente a água e, quando ferver, adicione o chá e deixe por 15 minutos.
  • Depois do tempo indicado, retire do fogo e espere esfriar.
  • Quando estiver frio, filtre e lave os pés com o líquido.
  • Convém repetir o processo durante um mês.

7. Iogurte natural

O iogurte tem várias propriedades. Nesse caso, suas bactérias vivas, também conhecidas como probióticos, parecem ajudar a impedir que o fungo do pé de atleta se espalhe ainda mais, de acordo com descobertas compartilhadas em Frontiers in Microbiology.

Modo de Preparo

  • Em primeiro lugar, coloque um pouco de iogurte natural na área afetada e deixe secar.
  • Ao finalizar, remova com cuidado com uma toalha limpa e assegure-se de que o pé esteja totalmente seco.

8. Higiene

Por último, mas não menos importante, é importante rever os hábitos de higiene. É bom lembrar que eles são decisivos para o controle da infecção.

  • Para começar, use sempre meias secas e limpas.
  • Durante o banho, lave os pés com água e sabão e depois seque-os bem.
  • Use sandálias no chão de banheiros e piscinas públicas.
  • Coloque pós antimicóticos (como o talco) nos pés para evitar a formação de umidade.
  • Por fim, use calçados de materiais naturais, como o couro, e alterne vários calçados.

O tratamento médico é importante

Os remédios discutidos não são milagrosos e podem ser ineficazes em muitos casos. Muitas vezes, seus efeitos são alcançados após várias aplicações, em longo prazo. Por outro lado, não substituem o tratamento médico. Se o médico indicar, eles podem ser utilizados ​​como um complemento.

  • InformedHealth.org [Internet]. Cologne, Germany: Institute for Quality and Efficiency in Health Care (IQWiG); 2006-. Athlete’s foot: Overview. 2015 Jan 14 [Updated 2018 Jun 14]. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK279549/
  • Sroka, C. B. (1956). Athlete’s Foot. British Medical Journal. https://doi.org/10.1136/bmj.2.4989.420-b
  • Budak, N. H., Aykin, E., Seydim, A. C., Greene, A. K., & Guzel-Seydim, Z. B. (2014). Functional Properties of Vinegar. Journal of Food Science. https://doi.org/10.1111/1750-3841.12434
  • Gupta AK, Daigle D, Paquet M, et al. Topical treatments for athlete’s foot. Cochrane Database Syst Rev. 2018;2018(1):CD010863. Published 2018 Jan 24. doi:10.1002/14651858.CD010863.pub2
  • Johnston CS, Gaas CA. Vinegar: medicinal uses and antiglycemic effect. MedGenMed. 2006;8(2):61. Published 2006 May 30.
  • Letscher-Bru, V., Obszynski, C. M., Samsoen, M., Sabou, M., Waller, J., & Candolfi, E. (2013). Antifungal Activity of Sodium Bicarbonate Against Fungal Agents Causing Superficial Infections. Mycopathologia175(1–2), 153–158. https://doi.org/10.1007/s11046-012-9583-2
  • Shams-Ghahfarokhi, M., Shokoohamiri, M. R., Amirrajab, N., Moghadasi, B., Ghajari, A., Zeini, F., … Razzaghi-Abyaneh, M. (2006). In vitro antifungal activities of Allium cepa, Allium sativum and ketoconazole against some pathogenic yeasts and dermatophytes. Fitoterapia77(4), 321–323. https://doi.org/10.1016/j.fitote.2006.03.014
  • Leyva Salas M, Thierry A, Lemaître M, et al. Antifungal Activity of Lactic Acid Bacteria Combinations in Dairy Mimicking Models and Their Potential as Bioprotective Cultures in Pilot Scale Applications. Front Microbiol. 2018;9:1787. Published 2018 Aug 7. doi:10.3389/fmicb.2018.01787