5 sinais de que você está em um relacionamento codependente

Você não sabe ao certo se está em um relacionamento codependente? Você tem dúvidas sobre o que isso significa? Descubra as respostas neste artigo através de 5 sinais evidentes.
5 sinais de que você está em um relacionamento codependente

Última atualização: 01 Maio, 2021

Em meio a toda a terminologia com a qual lidamos, não sabemos muito bem o que é e o que não é um relacionamento codependente. Portanto, é muito importante que você saiba diferenciar esta forma de se relacionar com o seu parceiro. Você quer saber mais sobre o assunto?

Ser uma pessoa com dependência emocional é diferente de ter um relacionamento codependente. Embora ambos os termos usem a palavra dependente, eles não significam a mesma coisa. É por isso que hoje vamos nos aprofundar na relação de codependência, que é bastante comum. Tanto assim que é difícil identificá-la.

O que é um relacionamento codependente?

Grupo de Análise e Estudo da Dependência Emocional (GAEDE) explica, de uma forma muito clara, o que é um relacionamento codependente. O que acontece é que as pessoas ficam obcecadas e se preocupam com o parceiro em uma relação entre iguais.

Para que isso possa ficar claro, um relacionamento codependente é formado por duas pessoas que sofrem de dependência emocional. É assim que elas se retroalimentam. Por esse motivo, esse tipo de relacionamento costuma durar bastante tempo.

Às vezes, as pessoas não são emocionalmente dependentes até que estejam com um parceiro. Isso ocorre porque elas não sabem como se relacionar de forma saudável.

Um relacionamento codependente
Um parceiro caminha ao seu lado, mas não é a sua muleta.

Sinais de que você está em um relacionamento codependente

Estar em um relacionamento assim, mesmo que dure anos, não é o ideal. De fato, esse tipo de relacionamento se desgasta e acaba criando padrões tóxicos que não trazem nenhum benefício.

Felizmente, é possível sair dessa situação e aprender a se relacionar de uma maneira diferente. Para isso, é preciso prestar atenção a todos esses sinais que vão indicar que você está em um relacionamento codependente.

1. Você se sacrifica para fazer a outra pessoa feliz

Você deve esquecer a ideia de que amar alguém significa se sacrificar. Esses dois conceitos não têm nada a ver um com o outro. Se o que você vai sacrificar são os passeios com os seus amigos, encontrar a sua família com frequência, fazer o curso que queria fazer ou mudar de local de trabalho, você não está em um relacionamento saudável. Lembre-se de que você não deixa de ser uma pessoa individual, mesmo que compartilhe a sua vida com alguém.

2. Você tem medo de que a outra pessoa fique com raiva

Na cultura popular, existe um termo para se referir a isso: pisando em ovos. É o que acontece com você em relação ao seu parceiro? Se você sempre tiver o cuidado de não dizer algo para não irritá-lo, ou se assume a responsabilidade pela raiva que ele expressa por algo que você disse ou fez, tome cuidado! Você pode estar em um relacionamento codependente.

3. Você cuida do seu parceiro, mas não sente que ele cuida de você

Isso é algo que acontece com frequência nos relacionamentos codependentes: nada parece ser suficiente para você. Uma vez que você se sacrifica tanto, você espera o mesmo da outra pessoa.

Mas, sabe de uma coisa? Talvez ela não queira se sacrificar ou não seja capaz de chegar ao mesmo nível de sacrifício que você chegou. Para que isso possa ser resolvido, você deve começar a cuidar de si mesmo. Então, você poderá cuidar do seu parceiro, mas com limites.

4. Você tem medo de que o seu parceiro o abandone

Não há nenhum sinal, tudo está correndo bem. No entanto, na sua mente, começam a surgir pensamentos obsessivos que fazem com que esse medo de ser abandonado cresça a cada dia. Isso não é saudável e vai levá-lo a fazer coisas pela outra pessoa para evitar esse abandono imaginário. Você pode até mesmo decidir romper o relacionamento para engatar outro imediatamente, que será, mais uma vez, codependente. Você precisa sair desse ciclo.

Casal brigado
Sentir que o outro não está dando o suficiente é comum em relacionamentos codependentes, o que acaba sendo contraproducente no final.

5. Você tenta mudar a outra pessoa

É bem possível que você não perceba, mas através das suas ações, você tenta mudar a outra pessoa. Isso ocorre porque você controla até os mínimos detalhes, já que o medo de ser abandonado faz com que você se torne obsessivo.

Você quer ter tudo muito bem amarrado, mas chega a um ponto tóxico. Isso é um erro. Conforme diz Silvia CongostÉ possível amar sem se autodestruir e sem tentar mudar o parceiro”.

Os relacionamentos devem nos fazer felizes

Você se sentiu representado em todos esses sinais? Você acha que não pode viver sem a outra pessoa? Você acha que a sua vida não tem sentido sem ela? Relacionamentos desse tipo são mais frequentes do que você pode imaginar, e não são saudáveis.

É por isso que é importante prestar atenção aos sinais para encontrar uma solução para este tipo de relação. Se ter um parceiro se tornou uma necessidade, estamos fazendo algo de errado.

Se você não está feliz no seu relacionamento ou se está vivendo com muita ansiedade, você pode procurar ajuda. Cada vez mais pessoas contam com psicólogos para resolver relacionamentos tóxicos e prejudiciais. O amor deve ser sinônimo de felicidade, desejo e tranquilidade.

Pode interessar a você...
6 hábitos que melhorarão sua relação de casal
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
6 hábitos que melhorarão sua relação de casal

Com o tempo os relacionamentos perdem sua estabilidade. Se você realmente quer melhorar sua relação de casal, aqui estão algumas dicas.



  • Gayol, G. N. (2013). El guión de la codependencia en relaciones de pareja: diagnóstico y tratamiento. Editorial El Manual Moderno.
  • Mansilla Izquierdo, Fernando. (2002). Codependencia y psicoterapia interpersonal. Revista de la Asociación Española de Neuropsiquiatría, (81), 9-19. Recuperado en 26 de noviembre de 2020, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0211-57352002000100002&lng=es&tlng=es.
  • Moscas, O. A. G., & López, M. M. (2012). La dinámica familiar como génesis de la codependencia. Revista de Psicología GEPU3(1), 263-281.