Melhor Com Saúde
 

Raiz de malvavisco: benefícios e efeitos colaterais

A raiz de malvavisco é usada na medicina natural como adjuvante para tratar a tosse, a irritação da pele e o desconforto digestivo. Como podemos usá-la? Quais são os seus efeitos colaterais?

Raiz de malvavisco: benefícios e efeitos colaterais

Última atualização: 23 Novembro, 2020

A raiz de malvavisco (Althaea officinalis) é uma casca fibrosa marrom que vem do malvavisco, uma planta perene nativa da Europa, Ásia Ocidental e norte da África. Seus extratos são utilizados na produção de xaropes para a tosse e produtos para a pele.

Além disso, ela parece ter outros usos medicinais devido às suas propriedades particulares. No entanto, por enquanto não há evidências sólidas sobre seus efeitos na saúde, uma vez que estudos em humanos têm sido realizados em pequena escala e são inconclusivos.

Portanto, embora muitos a usem como suplemento de ervas, ela não é aceita como tratamento de primeira linha em caso de doença. Além disso, devido aos seus possíveis efeitos colaterais e interações, é recomendável consultar um médico antes de experimentá-la.

Benefícios da raiz de malvavisco

As propriedades medicinais atribuídas à raiz de malvavisco provêm, em grande parte, do seu conteúdo de mucilagem. Esse termo se refere a uma substância vegetal gelatinosa, semelhante à seiva, que tem sido utilizada como espessante.

De fato, os doces conhecidos como malvavisco receberam esse nome porque, no início, seus fabricantes usavam a mucilagem dessa raiz para a sua elaboração. No entanto, atualmente, eles não usam esta erva, e sim açúcar e gelatina.

Voltando ao tópico principal, as mucilagens das raízes de malvavisco possuem atividade antioxidante, e evidências gerais sugerem que elas ajudam a combater a irritação da pele e problemas digestivos. Deseja saber mais sobre isso? Detalharemos seus principais benefícios a seguir.

Contribui para o tratamento da tosse e do resfriado

Mulher com tosse seca
A raiz de malvavisco pode ser eficaz para acalmar a irritação da tosse seca.

Alguns xaropes para a tosse e pastilhas usam raiz de malvavisco entre seus componentes. A razão? A mucilagem que ela contém pode revestir o esôfago, reduzindo a irritação causada por esse sintoma. Um estudo publicado na Complementary Medicine Research descobriu que alguns suplementos com extratos dessa raiz ajudavam a combater a tosse seca.

Enquanto isso, um pequeno estudo divulgado no Avicenna Journal of Phytomedicine descobriu que crianças que consumiam uma mistura de ervas, como malvavisco, camomila e sálvia, tiveram tosse menos grave e menos despertares noturnos em comparação com aquelas que receberam um placebo.

Portanto, acredita-se que a raiz de malvavisco possa ser útil contra os sintomas da gripe e do resfriado. No entanto, são necessárias mais evidências. Ainda assim, essa raiz pode ser consumida na forma de chá, pílulas ou xarope.

Pode acalmar a pele irritada

Um efeito anti-inflamatório é atribuído à raiz do malvavisco, que pode ser útil para acalmar a irritação da pele em casos de furunculose, eczema ou dermatite. Uma revisão publicada na Advances in Dermatology and Allergology descobriu que uma pomada com 20% de extrato de raiz de malvavisco foi útil contra a irritação na pele.

Além disso, foi sugerido que a aplicação tópica de produtos com esses extratos contribui para mitigar os efeitos negativos dos raios UV ou da exposição ao sol. Obviamente, ela não deve substituir o protetor solar, pois não fornece proteção suficiente.

Proteção contra úlceras

Por si só, o extrato de raiz de malvavisco não tem a capacidade de impedir a formação de úlceras. No entanto, em conjunto com hábitos saudáveis, pode ajudar a reduzir o risco, conforme mostrado em um estudo com animais publicado na Pharmaceutical and Biosciences Journal.

Os pesquisadores sugerem que as mucilagens e flavonoides desta planta são responsáveis ​​por esse efeito. Em particular, eles parecem recobrir e proteger o revestimento mucoso do sistema digestivo, o que reduz a formação de úlceras.

Outros possíveis benefícios da raiz de malvavisco

  • Remédios à base de plantas contendo raiz de malvavisco têm demonstrado um efeito positivo contra a boca seca.
  • Foi sugerido que a planta e os seus extratos também contribuem para promover a cicatrização de feridas. Acredita-se que até mesmo diminua o risco de infecção.
  • Possui propriedades diuréticas que podem ajudar a promover a eliminação de líquidos retidos no organismo. No entanto, deve ser utilizada com cuidado, principalmente se a pessoa afetada já estiver fazendo outros tratamentos.

Flor de malvavisco
O malvavisco, junto com medidas de proteção gástrica, pode ter um efeito positivo contra as úlceras.

Efeitos colaterais da raiz de malvavisco

Na maioria dos adultos saudáveis, a raiz de malvavisco é bem tolerada e não causa reações indesejadas em doses moderadas. No entanto, algumas pessoas podem ter dores de estômago e tonturas. Diante disso, a recomendação é começar com uma dose baixa, até atingir a dose sugerida pelo médico ou pelo fabricante do suplemento.

De acordo com informações da corporação norte-americana WebMD, essa raiz pode causar baixos níveis de açúcar no sangue em algumas pessoas. Além disso, devido à falta de evidências sobre a sua segurança e eficácia, deve ser evitada nos seguintes casos:

Em geral, ela pode ter interações com o lítio, medicamentos para diabetes e medicamentos tomados por via oral. Portanto, antes de consumir essa raiz, é melhor consultar o seu médico.

Salsaparrilha para tratar a psoríase

Salsaparrilha para tratar a psoríase

Saiba como tratar a psoríase, doença causada por uma deficiência no sistema imunológico, com a salsaparrilha. Confira nossas dicas!



  • Tabarsa, M., Anvari, M., Joyner (Melito), H. S., Behnam, S., & Tabarsa, A. (2017). Rheological behavior and antioxidant activity of a highly acidic gum from Althaea officinalis flower. Food Hydrocolloids69, 432–439. https://doi.org/10.1016/j.foodhyd.2017.02.009
  • Fink, C., Schmidt, M., & Kraft, K. (2018). Marshmallow root extract for the treatment of irritative cough: Two surveys on users’ view on effectiveness and tolerability. Complementary Medicine Research25(5), 299–305. https://doi.org/10.1159/000489560
  • asma javid, nasrinsadat motevalli haghi, Ahmad Emami, aida ansari, seyed abbas zojaji, maryam Khoshkhui, & Hamid Ahanchian. (2018). Short-course administration of a traditional herbal mixture ameliorates asthma symptoms of the common cold in children. Avicenna Journal of Phytomedicine, Online First. https://doi.org/10.22038/ajp.2018.11678
  • Dawid-Pać R. Medicinal plants used in treatment of inflammatory skin diseases. Postepy Dermatol Alergol. 2013;30(3):170‐177. doi:10.5114/pdia.2013.35620
  • Zaghlool, S. S., Shehata, B. A., Abo-Seif, A. A., & Abd El-Latif, H. A. (2015). Assessment of Protective Effects of Extracts of Zingiber officinale and Althaea officinalis on Pyloric Ligation-Induced Gastric Ulcer in Experimental Animals. UK Journal of Pharmaceutical Biosciences, 3(4), 48. https://doi.org/10.20510/ukjpb/3/i4/89472
  • Rezaei M, Dadgar Z, Noori-Zadeh A, Mesbah-Namin SA, Pakzad I, Davodian E. Evaluation of the antibacterial activity of the Althaea officinalis L. leaf extract and its wound healing potency in the rat model of excision wound creation. Avicenna J Phytomed. 2015;5(2):105‐112.
  • Skrinjar, I., Vucicevic Boras, V., Bakale, I., Andabak Rogulj, A., Brailo, V., Vidovic Juras, D., … Vrdoljak, D. V. (2015). Comparison between three different saliva substitutes in patients with hyposalivation. Clinical Oral Investigations19(3), 753–757. https://doi.org/10.1007/s00784-015-1405-8
  • Shiffa, M., Aslam, M., Fahamiya, N., & Muzn, F. (2016). Unani perspective of Khatmi (Althaea officinalis). Journal of Pharmacognosy and Phytochemistry JPP, 357(56), 357–360. Retrieved from http://www.phytojournal.com/archives/2016/vol5issue6/PartE/5-6-35-802.pdf