Queijo feta: tudo que você precisa saber

Você já ouviu falar do queijo feta? Este laticínio vindo da Grécia pode fazer muito pela nossa saúde. Conheça seus benefícios e saiba como consumi-lo a seguir.
Queijo feta: tudo que você precisa saber

Última atualização: 07 Fevereiro, 2021

O queijo feta é um produto lácteo da cultura grega que, aos poucos, se espalhou pelo resto dos países graças à sua versatilidade e propriedades. É um alimento comercializado em salmoura, o que aumenta a sua vida útil.

Cabe destacar que ele é feito com leite de ovelha, embora também seja possível adquirir variedades cujo ingrediente principal é o leite de égua. É caracterizado por ter um sabor ácido e uma alta porcentagem de gordura em relação ao total de calorias. Além disso, costuma ser vendido em caixas de madeira ou em latas de alumínio, que retêm suas qualidades organolépticas.

Propriedades nutricionais do queijo feta

Como todo laticínio, o queijo feta se destaca, em primeiro lugar, pelo seu teor proteico, de acordo com a literatura científica atual. São nutrientes de alto valor biológico, que possuem todos os aminoácidos essenciais e são de fácil digestão.

A ingestão de proteínas é essencial para prevenir as patologias associadas ao envelhecimento e à degeneração do tecido muscular. Uma revisão publicada na revista Nutrients indica que o consumo de proteínas atrasa e evita a destruição do tecido magro e a perda da sua funcionalidade.

Como se não bastasse, o queijo feta contém uma alta proporção de ácidos graxos saturados em sua composição. Até recentemente, isso seria considerado uma má notícia. No entanto, a ciência mudou sua posição sobre o tema.

Os lipídios saturados não são mais considerados prejudiciais. Atualmente, os benefícios do seu consumo são reconhecidos, pois há evidências suficientes para afirmar que a contribuição desses ácidos graxos reduz o risco cardiovascular, bem como a incidência de outras doenças complexas.

Queijo feta temperado
O queijo feta é originário da Grécia e é um laticínio com um alto teor de proteínas.

Não deixe de ler: Qual é o queijo mais saudável para o nosso corpo?

Micronutrientes presentes no queijo feta

O teor de macronutrientes do queijo feta é importante e representativo, mas ele também contém minerais e vitaminas benéficos para a saúde. Um exemplo é o cálcio.

Foi demostrado que a ingestão de produtos lácteos reduz o risco de osteoporose devido ao seu teor de cálcio. O queijo feta, portanto, não seria exceção em relação a este mineral.

Além disso, ele contém uma dose significativa de vitamina D em sua composição. Este nutriente é fundamental para a manutenção de um bom estado de saúde, bem como para a prevenção de patologias cardiovasculares e metabólicas complexas.

Até alguns tipos de câncer têm um prognóstico melhor quando os níveis de vitamina D no corpo estão adequados. Sua influência na patologia oncológica da pele é bem conhecida.

Paradoxalmente, essa vitamina é um dos nutrientes mais deficientes na população geral. Para garantir a sua ingestão diária, é aconselhável consumir produtos lácteos (como queijo feta), peixes oleosos e ovos. Além disso, a exposição frequente ao sol é recomendada para estimular a sua síntese endógena.

Receitas

Vamos apresentar duas receitas simples com queijo feta para que você possa começar a introduzir este alimento na sua rotina alimentar.

Ao forno

O queijo feta pode ser preparado no forno, de forma semelhante ao provolone. Com uma simples combinação de especiarias, como orégano, tomilho, pimenta e um pouco de azeite, já conseguimos montar o prato.

Só falta levar ao forno por 8 minutos a 200 graus Celsius, com calor proveniente de cima e de baixo. Na hora de retirar o prato, recomenda-se temperar novamente com um pouco de azeite.

Salada

As saladas são uma ótima opção para a introdução do queijo feta como ingrediente. Basta cortar o queijo em pequenos quadrados e adicioná-lo à sua combinação favorita de vegetais.

Tempere com azeite e vinagre para ter uma salada saborosa e nutritiva. Se você quiser elevar ainda mais o teor de proteínas do prato, considere adicionar atum em lata.

Salada com queijo feta
A presença do queijo feta em saladas proporciona uma textura diferente que contrasta com os ingredientes vegetais.

Leia também: 5 saladas com abacate que você vai adorar

Benefícios do queijo feta

Como você viu, o queijo feta é um derivado do leite saudável que pode ser consumido regularmente. Seu teor de proteínas, gorduras e micronutrientes o torna um alimento capaz de atender às necessidades nutricionais diárias e prevenir o aparecimento de doenças.

Além disso, ele pode ser preparado de diferentes maneiras. Você pode torná-lo a estrela do prato, mas também é possível utilizá-lo como acompanhamento para dar um toque ácido a algumas refeições.

De qualquer forma, não hesite em incluí-lo na sua alimentação de agora em diante. Você não vai se arrepender!

Pode interessar a você...
3 receitas que você pode preparar com uma lata de atum
Mejor con SaludLeerlo en Mejor con Salud
3 receitas que você pode preparar com uma lata de atum

Você está procurando receitas rápidas e nutritivas? Se sua resposta for sim, experiemente estes pratos feitos com uma lata de atum.



  • Tessier AJ., Chevalier S., An update on protein, leucine, omega 3 fatty acids, and vitamin D in the prevention and treatment of sarcopenia and fucntional decline. Nutrients, 2018.
  • Szajewska H., Szajewski T., Saturated fat controversy: importance os systematic reviews and meta analyses. Crit Rev Food Sci Nutr, 2016. 56 (12): 1947-51.
  • Thorning TK., Raben A., Tholstrup T., Soedamah Muthu SS., et al., Milk and dairy products: good or bad for human health? An assessment of the totality of scientific evidence. Food Nutr Res, 2016.
  • Anagnostopoulos AK., Tsangaris G., Feta cheese proteins: manifesting the identity of Greece’s national treasure. Data Brief, 2018. 19: 2037-2040.
  • Gilaberte, Y., et al. “La vitamina D: evidencias y controversias.” Actas dermo-sifiliográficas 102.8 (2011): 572-588.
  • Álvarez, A. Alonso, V. Martínez Suárez, and J. Dalmau Serra. “Profilaxis con vitamina D.” Acta Pediátrica Española 69.3 (2011).