Qual é a importância de expressar as nossas emoções?

Você sabia que o fato de expressar suas emoções te ajuda a se liberar de um peso psicológico semelhante a você carregar um peso sobre os ombros? Não fazer isso pode repercutir em sua saúde física.
Qual é a importância de expressar as nossas emoções?

Última atualização: 22 Fevereiro, 2021

Você já se perguntou alguma vez qual é a importância de expressar nossas emoções? Se reter as emoções é algo bom ou ruim?

A grande maioria das ações humanas é baseada em algum sentimento ou emoção. Assim, devemos sempre lidar com o que carregamos dentro de nós de uma forma ou de outra. Por outro lado, ao expressar o que sentimos (bem como o que pensamos), devemos não só levar em consideração os benefícios de “deixar sair”, mas também nos conscientizar do contexto e dos sentimentos das outras pessoas. É quando a assertividade entra em jogo.

Neste artigo, refletiremos sobre a importância de expressar nossas emoções e daremos a você as chaves para desenvolver a inteligência emocional e aproveitá-la para obter bem-estar.

Expressar nossas emoções e sentimentos: necessário e saudável

Sem dúvida, expressar nossos sentimentos e emoções é uma necessidade intrínseca do ser humano, pois eles constituem uma parte fundamental de nossa vida. É um grande erro pensar que devemos reprimi-los ou tentar fazer com que deixem de existir dentro de nós de repente. Em vez disso, o ideal é aprender a gerenciá-los corretamente para aprender com eles, experimentar o crescimento pessoal e seguir em frente.

Parte do que é necessário para aprender a gerenciar sentimentos e emoções tem a ver com a assertividade. Isso significa que, além de aprender a conviver com eles, devemos aprender a externá-los de acordo com o contexto, a estabelecer e manter relações saudáveis.

A exemplo de outros especialistas em saúde mental, a psicóloga Fátima Servián Franco afirma que não é aconselhável reprimir emoções e sentimentos (nem os positivos nem os negativos), pois isso pode posteriormente se traduzir em desconforto físico:

“Alongo prazo, a tensão que acompanha as emoções e que foi inibida acaba se expressando por outras formas, como contrações ou rigidez muscular, dores no pescoço e nas costas, doenças gástricas, dores de cabeça e, claro, nas doenças hepáticas”.

Expressar nossas emoções e sentimentos: necessário e saudável

Problemas derivados mais frequentes

Além dos já mencionados, entre os problemas mais comuns envolvidos na repressão de sentimentos e emoções podemos encontrar:

  • Uma reação imprópria ou incoerente a um determinado momento vivido.
  • Uma resposta sem sentido ao momento vivido.
  • Emoções limitadas e não de acordo com o que é vivido.

A supressão das emoções pode afetar o funcionamento de alguns órgãos. Por exemplo, o agravamento das condições estomacais e hepáticas, como úlceras, pode estar associado ao mau gerenciamento da tensão emocional constante.

Na esfera popular, é dito que:

  • O acúmulo de sentimentos de tristeza pode afetar os pulmões.
  • Por sua vez, o medo excessivo que se acumula pode afetar os rins e a bexiga.
  • Suprimir as emoções é como colocar muito peso sobre seus ombros. Por outro lado, o estômago se contrai, os intestinos se retorcem ou ocorrem fortes dores de cabeça.
  • Além disso, você pode começar a sofrer de insônia, cair em depressão, etc.

De tudo o que falamos, emerge a verdadeira importância de expressar nossas emoções e sentimentos. Ao fazê-lo corretamente, não é apenas a nossa mente que se beneficia, mas o corpo todo.

Inteligência emocional, empatia e assertividade: peças-chave do quebra-cabeça

Inteligência emocional

Saber canalizar e expressar o que carregamos em nosso mundo interior não é algo que possa ser conquistado em um determinado momento apenas porque o propomos. Embora isso ajude, na verdade é um processo de aprendizado contínuo que merece nossa atenção, bem como algum esforço. Portanto, pode-se dizer que sempre temos a possibilidade de melhorar e crescer, onde quer que estejamos ou vamos.

Cada pessoa, situação e momento podem nos dar a oportunidade de trabalhar a inteligência emocional, bem como a empatia e a assertividade, peças-chave do quebra-cabeça que compõe nosso mundo interior. Ao aproveitá-los, não só sentiremos satisfação com o que aprendemos, mas poderemos obter algum alívio (físico e mental), além de aumentar nosso bem-estar. Algo como o equivalente ao alívio físico que vem de tirar uma grande e pesada carga sobre seus ombros.

A importância da assertividade

Podemos entender assertividade como a capacidade de expressar nossas ideias, preocupações ou convicções, de forma clara, franca, respeitosa e serena. Sem a necessidade de atacar os outros, sem que nossas emoções transbordem.

  • Desenvolver essa capacidade é muito importante para a nossa saúde física e mental.
  • Ser assertivo te permite expressar emoções no momento em que surgem, bem como expressá-las na sua medida adequada, sem atacar ou gritar, mesmo que sejam de valência negativa.
  • Permite que você previna muitas doenças futuras e evite o acúmulo de tensão física e mental.

Aprender a dizer o que pensamos e sentimos, sem prejudicar os que estão ao nosso redor ou a nós mesmos, é o segredo e a importância de expressar nossas emoções para desfrutar o bem-estar e os relacionamentos saudáveis.

Pode interessar a você...
Os efeitos das emoções e pensamentos negativos no nosso corpo
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Os efeitos das emoções e pensamentos negativos no nosso corpo

Há várias décadas, tem crescido o interesse pela relação entre as emoções e os pensamentos negativos e o corpo físico. Não perca!



  • Lee, Y. S., Ryu, Y., Jung, W. M., Kim, J., Lee, T., & Chae, Y. (2017). Understanding Mind-Body Interaction from the Perspective of East Asian Medicine. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine. https://doi.org/10.1155/2017/7618419
  • Scheid, V. (2013). Constraint as a Window on Approaches to Emotion-Related Disorders in East Asian Medicine. Culture, Medicine and Psychiatry. https://doi.org/10.1007/s11013-012-9300-0
  • Ots, T. (1990). The angry liver, the anxious heart and the melancholy spleen – The phenomenology of perceptions in chinese culture. Culture, Medicine and Psychiatry. https://doi.org/10.1007/BF00046703
  • Daidoji, K. (2013). Treating Emotion-Related Disorders in Japanese Traditional Medicine: Language, Patients and Doctors. Culture, Medicine and Psychiatry. https://doi.org/10.1007/s11013-012-9297-4
  • Tan, C., Yanbing, W., & Chen, S. (2013). Chinese medicine for mental disorder and its applications in psychosomatic diseases. Alternative Therapies in Health and Medicine.