Psoríase em crianças: como abordá-la?

· 12 de maio de 2019
A psoríase é uma doença inflamatória de origem autoimune e, geralmente, crônica. Devido ao fato de aparecerem escamas na pele, pode afetar a psicologia da criança, de forma que é necessário apoiá-la em todos os sentidos.

A psoríase é uma doença que afeta tanto homens quanto mulheres. Costuma afetar cerca de 2 a 3% da população, sendo muito menor sua incidência em crianças. Nesse artigo, tentaremos explicar de forma simples o que é a psoríase, quais são seus sintomas, tratamentos e modo de prevenção em crianças.

A psoríase

Trata-se de uma doença inflamatória da pele de origem autoimuneCaracteriza-se por provocar avermelhamento e pele escamada. Ainda que não seja contagiosa, talvez seja hereditária e crônica.

Normalmente, um organismo saudável produz células cutâneas normais a cada 3 ou 4 semanas. No caso da psoríase, estas células são produzidas de forma muito mais rápida, a cada 15 dias mais ou menos, de forma que se acumulam células mortas na forma de escamas na superfície da pele.

Ainda mais, a psoríase pode afetar qualquer parte do corpo. No entanto, normalmente aparece na zona dos cotovelos, das mãos, da barriga ou das costas.

Além disso, trata-se de uma afecção comum, que costuma se apresentar a partir da adolescência, ainda que possa surgir em qualquer idade, razão pela qual crianças também podem ter psoríase.

Fatores desencadeantes

Crianças com psoríase devem usar protetor solar

A exposição solar é um dos fatores desencadeantes da psoríase em crianças.

Existem alguns fatores que podem desencadear um surto de psoríase ou piorá-la. Entre eles, pode-se destacar:

  • Infecções bacterianas, virais ou causadas por fungos.
  • Traumatismos ou lesões na pele.
  • Fatores psicológicos, principalmente o estresse.
  • Exposição excessiva à luz solar (queimaduras).
  • Falta de luz solar (clima frio).

Recomendamos ler: Remédios naturais contra doenças autoimunes

Manifestações clínicas da psoríase em crianças

As manifestações clínicas da psoríase em crianças costumam ser as mesmas que a dos adultos. No entanto, entre os menores, as formas de psoríase mais comuns costumam ser:

  • Psoríase em placas. Aparecem placas eritematosas de diferentes tamanhos com escamas cinzas prateadas. Costumam aparecer em cotovelos, joelhos e tronco. Além disso, este tipo de lesão pode afetar exclusivamente o couro cabeludo.
  • Psoríase guttata (psoríase em gotas). É a forma mais frequente em crianças e adultos jovens. Em resumo, costuma aparecer de forma repentina logo após uma infecção. Aparece na forma de pequenas pápulas, de 2-10 mm, que costumam afetar o tronco e as extremidades. No entanto, podem também afetar o couro cabeludo.
  • Psoríase invertida. Este tipo de psoríase é pouco comum em crianças, ainda que, precisamente neste grupo, inclui-se a conhecida «psoríase da fralda».

Tratamento da psoríase em crianças

Menina com psoríase

Ante qualquer suspeita ou antecedentes familiares é necessário consultar o pediatra para que ele oriente sobre o tratamento mais indicado.

Em primeiro lugar, é necessário procurar um médico. Somente o pediatra poderá diagnosticar a psoríase e, a partir daí, indicar um tratamento adequado. Em linhas gerais, o pediatra poderá indicar uma terapia à base de cremes hidratantes ou outro tipo de tratamentos tópicos (ácido salicílico, por exemplo).

De qualquer forma, é necessário levar em consideração que a doença pode aparecer rapidamente, enchendo o pequeno de escamas e afetando sua estética, especialmente se o caso for generalizado.

Por isso, é muito importante ajudar a criança a superar e aceitar o problema, apoiando-a também psicologicamente. É bom potencializar sua autoestima. Além disso, é necessário explicá-la que o tratamento a beneficiará e que as escamas e o mal-estar podem desaparecer, ainda que seja crônico.

Recomendamos ler: Tratamento para a psoríase

Conclusão

Devido a sua origem autoimune e a grande diversidade de fatores que podem desencadeá-la, o melhor é atuar rapidamente e prevenir os fatores desencadeantes (estresse, queimaduras solares, lesões na pele).

No entanto, é possível incluir algumas recomendações:

  • Na hora do banho, utilize um gel de banho muito suave. Além disso, retire-o muito bem ao lavar.
  • Posto que o frio pode piorar a condição, deixe a criança bem agasalhada e utilize preferencialmente fibras naturais. De fato, as mais recomendadas são as roupas de algodão.
  • Siga o tratamento indicado pelo médico.
  • Especialmente no caso das crianças, consulte sempre o pediatra antes de iniciar a aplicação de qualquer remédio caseiro ou natural.
  • Apoiar a criança em todo momento.
  • Verbov J. “Psoriasis in childhood”. Arch Dis Child 1992;67:75-76
  • Tollefson MM, Crowson CS, McEvoy MT, Maradit Kremers H. “Incidence of psoriasis in children: a population-based study”. J Am Acad Dermatol. 2010; 62: 979-87.
  • Tollefson MM. “Diagnosis and management of psoriasis in children”. Pediatr Clin N Am. 2014; 61: 261-77.