5 dicas para evitar os surtos de psoríase

3 de maio de 2019
Para evitar os surtos de psoríase, é essencial conhecer seus gatilhos e os hábitos que podem ajudar a aliviá-los. A seguir, te contamos o que você pode fazer para otimizar o tratamento da doença.

Esta doença de pele é um distúrbio autoimune muito comum na população. Isso acontece devido a produção e acúmulo excessivos de células na pele, o que dá origem ao aparecimento de manchas vermelhas, secas e grossas em áreas como os cotovelos, joelhos e couro cabeludo, entre outros.

Seus sintomas podem ser leves ou graves, dependendo do tipo de psoríase e das medidas tomadas para o seu tratamento. Assim, é essencial saber o que pode desencadear os surtos e como melhorar o estilo de vida para tornar a condição mais suportável.

Por que surtos de psoríase se desenvolvem?

Homem com brotos de psoríase coçando o braço

A psoríase pode se manifestar de diferentes maneiras em cada pessoa, dependendo do tipo de psoríase e da resposta imune.

A forma mais comum é a psoríase em placas, com a presença de escamas espessas e brilhantes ou manchas que podem ser acompanhadas por ressecamento, vermelhidão, coceira e, por vezes, dor.

Segundo a Fundação Nacional de Psoríase, os casos leves se manifestam com manchas que cobrem até 3% do corpo. Em contrapartida, os casos mais graves da doença podem afetar até 10%. Embora suas causas exatas não sejam estabelecidas, dois fatores-chave foram identificados: a genética e o sistema imunológico.

Além disso, existem certos componentes ambientais e de estilo de vida que podem afetar a aparência ou o agravamento dos surtos. Embora alguns sejam difíceis de evitar, outros podem ser mantidos longe para reduzir o risco de complicações. Os mais comuns são:

  • Infecções em qualquer parte do corpo
  • Consumo de cigarros
  • Cortes ou queimaduras
  • Exposição constante ao estresse
  • Ar seco, seja por causa do clima ou por estar em uma sala com aquecedor
  • Consumo de muito álcool
  • Consumir certos medicamentos (como lítio ou medicamentos para pressão alta)
  • Tem deficiência de vitamina D
  • Sofrer de obesidade

Descubra ademais: 6 cremes naturais para tratar a psoríase

Dicas para prevenir surtos de psoríase

Por razões óbvias, a melhor maneira de evitar surtos de psoríase em outras partes do corpo é melhorar o estilo de vida. Isso permite reduzir a exposição aos seus possíveis gatilhos e, portanto, complementa o tratamento médico.

1. Adote uma dieta saudável

Mulher se alimentando bem para prevenir os brotos de psoríase

Manter uma dieta saudável é um dos hábitos essenciais para prevenir surtos de psoríase ou evitar que ela piore. É essencial que as pessoas afetadas corrijam seus hábitos alimentares, evitando completamente o álcool, fontes de glúten e todos os tipos de alimentos irritantes.

Em vez disso, é conveniente aumentar o consumo de alimentos ricos em ômega 3, vitamina D e antioxidantes; legumes, frutas e óleo de peixe são altamente benéficos. No entanto, é melhor planejar a dieta com o médico, uma vez que as necessidades nutricionais podem variar em cada pessoa.

2. Evite o uso de tabaco

O tabaco é tão prejudicial quanto o álcool para pacientes com psoríase. De fato, seu consumo é classificado como uma das causas dos surtos da doença. Portanto, no caso de ter o mau hábito de fumar, é essencial ter acesso a estratégias para parar.

3. Proteja a pele

Para tratar os brotos da psoríase é preciso proteger a pele

Os cuidados com a pele desempenham um papel muito importante na prevenção de surtos de psoríase. Como a doença afeta diretamente sua saúde, os hábitos devem ser reforçados para protegê-la de diferentes fatores ambientais.

Além disso, as queimaduras solares, poluição e cortes podem levar ao agravamento dos sintomas. Portanto, você deve seguir uma série de dicas:

  • Certifique-se de usar protetor solar todos os dias. Use fórmulas suaves, com componentes que não geram alergias.
  • Hidrate a pele todos os dias, usando um creme para peles sensíveis. Além disso, consuma muita água durante o dia.
  • Tenha cuidado com cortes ou arranhões. Dê-lhes um tratamento adequado.
  • Se possível, instale um umidificador para manter o ar em sua casa ou escritório úmido. Isso minimiza o risco de ressecamento.
  • Evite o uso de perfumes ou produtos irritantes. Além disso, fique longe de chuveiros muito quentes.

Leia também: Tratamento da psoríase

4. Gerencie o estresse

É normal ter episódios de estresse quando os sintomas da psoríase pioram ou não apresentam melhora. No entanto, é essencial dar a essas emoções um bom controle, já que têm um impacto negativo na doença. Por isso, para reduzi-lo, recomenda-se:

  • Tenha um horário flexível no trabalho
  • Dedicar tempo a atividades prazerosas
  • Passar tempo com a família ou amigos
  • Mantenha o corpo saudável através da dieta e exercício
  • Adotar uma rotina de meditação e exercícios de respiração

5. Dormir bem ajuda a evitar os surtos de psoríase

mulher tendo um bom descanso para prevenir os brotos de psoríase

O descanso inadequado está relacionado ao estresse e à maior presença de surtos de psoríase. Ter uma boa qualidade de sono, em um período de 7 ou 8 horas por dia, sem interrupções, pode ajudar a prevenir surtos de psoríase. Dormir bem fortalece as funções do sistema imunológico, diminui o estresse e ajuda a manter um peso saudável. Assim, tudo isso tem um efeito positivo no controle da psoríase.

No entanto, não deve ser ignorado que os sintomas podem causar distúrbios do sono. Portanto, estratégias simples devem ser adotadas, como vestir roupas adequadas, garantir o conforto da sala e evitar o uso de elementos que distraem (computadores, telefones celulares ou similares).

Por fim, você está preocupado que a psoríase se espalhe para outras partes do corpo? Tenha em mente as recomendações dadas. Além disso, solicite exames médicos regulares para avaliar o estado da doença e conhecer outras opções para seu tratamento.

  • Afifi, L., Danesh, M. J., Lee, K. M., Beroukhim, K., Farahnik, B., Ahn, R. S., … Liao, W. (2017). Dietary Behaviors in Psoriasis: Patient-Reported Outcomes from a U.S. National Survey. Dermatology and Therapy. https://doi.org/10.1007/s13555-017-0183-4
  • Armstrong, A. W., Harskamp, C. T., Dhillon, J. S., & Armstrong, E. J. (2014). Psoriasis and smoking: A systematic review and meta-analysis. British Journal of Dermatology. https://doi.org/10.1111/bjd.12670
  • Chapman, A., & El Miedany, Y. (2017). Psoriasis. In Comorbidity in Rheumatic Diseases. https://doi.org/10.1007/978-3-319-59963-2_4
  • Menter, A., Gottlieb, A., Feldman, S. R., Van Voorhees, A. S., Leonardi, C. L., Gordon, K. B., … Bhushan, R. (2008). Guidelines of care for the management of psoriasis and psoriatic arthritis. Section 1. Overview of psoriasis and guidelines of care for the treatment of psoriasis with biologics. Journal of the American Academy of Dermatology. https://doi.org/10.1016/j.jaad.2008.02.039
  • Basavaraj, K. H., Navya, M. A., & Rashmi, R. (2011). Stress and quality of life in psoriasis: An update. International Journal of Dermatology. https://doi.org/10.1111/j.1365-4632.2010.04844.x
  • Gupta, M. A., Simpson, F. C., & Gupta, A. K. (2016). Psoriasis and sleep disorders: A systematic review. Sleep Medicine Reviews. https://doi.org/10.1016/j.smrv.2015.09.003