Propriedades e usos do dente-de-leão

Embora seja verdade que o consumo de dente-de-leão pode ser benéfico em alguns casos, você deve sempre consultar seu médico antes de prosseguir com a ingestão dele.
Propriedades e usos do dente-de-leão

Última atualização: 10 janeiro, 2022

O dente-de-leão é uma planta que tem sido usada como alimento. Principalmente suas folhas e flores, embora seja nas raízes que se encontram a maioria de seus compostos com potenciais benefícios à saúde. Tem efeitos: diurético, aperitivo, laxante e purificante.

Antes de conhecer em detalhes os usos do dente-de-leão, é importante revisar suas qualidades nutricionais. Especificamente, cru ou cozido, fornece:

  • Polifenóis
  • Fibra solúvel.
  • Vitaminas A, C e K.
  • Vitamina E, folato e pequenas quantidades de outras vitaminas B.
  • Minerais, como ferro, cálcio, magnésio e potássio.

Usos do dente-de-leão

Dente-de-leão para pressão alta.
O dente-de-leão é diurético. O cuidado deve ser exercido em pacientes com cálculos biliares.

Lembre-se de que os remédios naturais podem ajudar a melhorar uma certa sintomatologia. Porém, seu consumo não te isenta de ir ao médico. Será o especialista quem melhor poderá determinar o tratamento que você deve seguir com base na sua situação, condição geral e necessidades.

Não hesite em consultar o seu médico e evite a automedicação!

1. Como parte da dieta

Todas as partes desta planta podem ser consumidas como alimento. Geralmente, as folhas (com sabor amargo característico) são consumidas em saladas ou cozidas no vapor; as flores são consumidas cruas em alguns tipos de pratos gourmet e em outros países são utilizadas para a produção de vinho. Uma bebida comparável ao café pode ser extraída da raiz e um tipo especial de cerveja também é feito com ela.

2. Como diurético

Na França, o nome dessa planta é pissenlit que, estranhamente, significa “urina na cama”. Esse nome se deve ao fato de que o dente-de-leão tem sido usado por séculos para limpar o trato urinário, prevenir cálculos renais e curar infecções nos rins, bexiga e trato urinário.

Em 2009, um estudo piloto foi realizado para determinar se as propriedades diuréticas atribuídas aos dentes-de-leão estavam corretas ou não. Observou-se que em um período de cinco horas, as pessoas que consumiram o líquido do dente-de-leão excretaram mais urina do que aquelas que não consumiram. No entanto, mais estudos são necessários.

Em relação à prevenção de cálculos renais e à cura de infecções, embora ao longo da história da medicina natural esses benefícios tenham sido atribuídos ao dente-de-leão, é necessário mencionar que atualmente não existem estudos conclusivos que comprovem essas propriedades.

3. Como suplemento para diabéticos

Dente-de-leão e seus efeitos colaterais
O dente-de-leão é valorizado por suas propriedades nutricionais. A pesquisa sugere que ele tem uma atividade farmacológica interessante.

Em muitos países europeus, a raiz é usada para preparar adoçantes artificiais que, sendo naturais, seriam mais fáceis de digerir e assimilar pelos diabéticos.

Alguns estudos realizados em laboratório e em animais afirmam que os ácidos chicórico e clorogênico presentes no dente-de-leão podem ajudar a melhorar a secreção de insulina e, portanto, melhorar a absorção de glicose. Mais pesquisas são necessárias a esse respeito.

4. Como remédio para anemia

Os preparados à base de folhas de dente-de-leão são ricos em vitamina A, cálcio, potássio, ferro, zinco, boro, sódio e vitaminas B, C e D. Por esse motivo, têm sido usados historicamente em curas relacionadas a doenças do sangue e principalmente como suplemento para quem sofre de anemia.

5. Como tratamento para doenças de pele e fígado

Na medicina natural, esses dois órgãos (a pele e o fígado) e seu bem-estar estão inter-relacionados, razão pela qual o dente-de-leão é freqüentemente usado contra doenças hepáticas. Vale ressaltar que ainda são necessárias pesquisas sobre seu efeito em humanos para comprovar esses benefícios.

O mesmo se aplica às suas outras propriedades, incluindo alívio da icterícia, hepatite, congestão hepática, edema, erupções cutâneas, eczema, psoríase e outras doenças de pele.

Quanto à possibilidade de que o consumo do dente-de-leão ajude a minimizar o avanço das células cancerígenas, é verdade que alguns estudos apontam alguns benefícios de seu consumo. No entanto, pesquisas mais extensas são necessárias para testar seus possíveis efeitos.

6. Como laxante

As infusões podem nos ajudar a melhorar muitos aspectos de nossa saúde.

O dente-de-leão seria um laxante suave e menos prejudicial ao corpo do que outros tipos de medicamentos. Na verdade, essa planta contém inulina, um prebiótico que, de acordo com um estudo de 2014, ajudaria a aliviar a constipação crônica.

Acredita-se que o dente-de-leão estimule o apetite e a produção de bile, razão pela qual às vezes é usado para aliviar a constipação, a falta de apetite e distúrbios gástricos.

7. Vários usos

Infusões de dente-de-leão ou enemas têm sido usados ao longo dos anos para ajudar a melhorar os sintomas de artrite, reumatismo e outros distúrbios crônicos das articulações.

Também seria eficaz em várias doenças femininas, como casos de menstruação irregular, falta de leite materno ou inflamação nos seios.

Como você pode ver, esta humilde erva que muitas vezes se torna um incômodo para os amantes da jardinagem, pois cresce “como uma praga”, pode ser benéfica para a saúde.

Como sempre, lembramos que em caso de algum desconforto ou doença você deve ir ao médico para iniciar um tratamento e, em qualquer caso, será ele quem recomendará um remédio natural para ajudar a melhorar os sintomas.

This might interest you...

Tratamento natural para a síndrome dos ovários policísticos
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Tratamento natural para a síndrome dos ovários policísticos

Muitas mulheres sofrem de síndrome dos ovários policísticos. Existem remédios naturais que podem ajudar a tratá-la, regulando os níveis hormonais.