Primos que perderam os braços resgatando pipa viram fenômenos paralímpicos

Samuel de Oliveira e Tiago Oliveira Ferreira competem pelo Brasil nas paralimpíadas 2022.
Primos que perderam os braços resgatando pipa viram fenômenos paralímpicos

Última atualização: 04 julho, 2022

Samuel e Tiago Oliveira são primos e representaram o Brasil no Mundial de Natação Paralímpica em Madeira, Portugal, entre 12 e 18 de junho. A estreia na competição foi uma virada surpreendente para dois meninos que, há sete anos, tiveram as vidas marcadas por um episódio trágico: perderam os braços resgatando uma pipa.

Em seu primeiro Campeonato Mundial, com apenas 16 anos, o caçula da seleção brasileira, Samuel Oliveira, já ganhou cinco medalhas, sendo três de ouro, e está em busca de mais uma. E ele está acompanhado nessa jornada por um primo, Tiago Oliveira, seu colega e rival na classe S5, com quem dividiu o pódio nos 200m medley.

Os dois tiveram os dois braços amputados em 2015. Samuca, então com nove anos, foi passar as férias na casa do pai, em Campinas, e em uma tarde ele e Tiago viram uma pipa caída em uma árvore. Subiram no segundo andar da casa, onde encontraram uma barra de ferro e se penduraram em um parapeito para tentar puxar a pipa.

Infelizmente, as quatro mãos seguravam a barra quando o objeto encostou na rede elétrica, e eles tomaram um choque de 13 mil volts. Os braços entraram em estado de necrose e, para evitar uma infecção mais grave, precisaram ser amputados na altura dos ombros. Tiago ainda precisou ser internado em um hospital especializado em queimaduras, onde ficou quatro meses.

Após o acidente, os primos descobriram talento no esporte paralímpico

Mas foi por causa do acidente que Samuca, que não sabia nadar, passou a gostar de ficar na água. “Eu fazia tratamento na AACD, em São Paulo, e fazia fisioterapia na água. Depois de uns meses, eu só queria ficar brincando na água. Como eu não sabia nadar antes de perder os braços, eles me apresentaram para dois professores de natação, que foram meus primeiros técnicos”, conta o garoto, que, aos 12 anos, passou a treinar no CT Paralímpico.

Tiago ficou quatro meses internado em Bauru (SP), com queimaduras sérias nas pernas e passou mais de um ano em tratamento, sem nem pensar em entrar na água com cloro. Por isso, teve um contato mais tardio com o esporte (SP). Quando foi liberado, seguiu o exemplo do primo e passou a procurar um lugar para aprender a nadar em Campinas.

“Meu pai foi atrás dos clubes da região, mas ninguém queria me ensinar a nadar, diziam que não tinham especialização. Aí nisso passaram o contato para ele de um moço que era presidente da Associação Paralímpica de Campinas, que foi o clube onde eu comecei a nadar”, lembra. Por ser mais velho, foi ele quem teve bons resultados primeiro, entre os dois primos.

Quando veio a pandemia e as piscinas fecharam, Samuca logo pôde voltar a nadar no CT Paralímpico, que reabriu para atletas que buscavam índice para os Jogos Paralímpicos, caso dele, que só tinha 14 anos. Mas Tiago ficou mais de um ano sem cair na água em Campinas. Então, o primo mais novo passou o mais velho.

Um futuro promissor na natação

No começo desse ano, os dois foram convidados a treinarem em Uberlândia (MG), defendendo o Praia Clube, instituição que hoje mais investe na natação paralímpica de alto rendimento.

Os primos que antes se encontravam apenas eventualmente passaram a morar na mesma cidade e nadar na mesma piscina. E, juntos, se classificaram para o primeiro Mundial deles, apesar de Tiago estar em recuperação de uma lesão no joelho.

Na Ilha da Madeira, os primos subiram juntos no pódio dos 200m medley, com Samuel em segundo, com a medalha de prata e o tempo de 2min59s25, e Tiago com o bronze, com 3min15s01. Para o mais velho, foi a despedida da competição depois de dois sextos lugares, nos 50m costas e 50m borboleta, justamente as duas provas individuais vencidas pelo mais novo. Na segunda, com direito a recorde das Américas.

A antiga melhor marca era de Daniel Dias, astro da natação paralímpica que também nadava na classe S5 e se aposentou depois de Tóquio-2020. Natural que uma enorme expectativa seja depositada em Samuca, que está se acostumando com a ideia.

“Acho que é questão de tempo, de se acostumar, de saber lidar com essa nova etapa da minha vida. Pra mim é uma conquista muito grande, estar representando o Brasil desse jeito. A gente já é uma inspiração para pessoas que tem deficiência, que sofreram acidente. De nunca desistir, deixar as coisas para trás. Isso é o mais importante”.

Pode interessar a você...
Natação para pessoas com necessidades especiais: recomendações e equipamentos
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Natação para pessoas com necessidades especiais: recomendações e equipamentos

As pessoas com necessidades especiais podem precisar de algumas medidas e equipamentos específicos para nadar com segurança. Confira!