Prevenção de náuseas e vômitos associados à quimioterapia

30 Junho, 2020
O tratamento de náuseas e vômitos associados à quimioterapia sempre foi um tópico importante para a oncologia. A melhoria da qualidade de vida dos pacientes depende do controle desse efeito adverso.
 

As náuseas e vômitos associados à quimioterapia estão entre os efeitos adversos mais comuns desse tipo de tratamento e entre os mais temidos pelos pacientes. A prevenção desses sintomas melhora a qualidade de vida e favorece uma melhor adesão dos pacientes ao tratamento.

Apesar de atualmente termos um grande número de opções para a prevenção das náuseas associadas à quimioterapia, os pacientes costumam fazer um uso inadequado delas. Isso pode acontecer porque eles não estão acostumados com essa situação, ou porque as usam em excesso.

Os fatores de risco para as náuseas e vômitos induzidos pela quimioterapia dependem do paciente e do tratamento. Ambos os fatores se reúnem para que esse efeito adverso seja mais ou menos evidente.

Classificação de náuseas e vômitos associados à quimioterapia

Dependendo do momento em que o paciente sofre com esses sintomas, os vômitos podem ser classificados em três grupos principais:

  • Êmese aguda: definida como náusea e vômito que ocorre nas primeiras 24 horas após a administração da quimioterapia.
  • Êmese tardia: náuseas e vômitos associados à quimioterapia que aparecem depois das primeiras 24 horas, após a administração do tratamento, e podem persistir por 6-7 dias. A cisplatina é a droga quimioterápica que provoca esse tipo de efeito adverso com mais frequência.
  • Êmese antecipatória: geralmente começa dentro das 24 horas anteriores à administração da quimioterapia. Foi relatado que após o terceiro ou quarto ciclo, 20% a 40% dos pacientes apresentam êmese antecipatória.
 
Sessão de quimioterapia
As náuseas e os vômitos provocados pela quimioterapia podem aparecer antes da aplicação em tratamentos avançados.

Prevenção e tratamento de náuseas e vômitos associados à quimioterapia

As medidas de prevenção e tratamento variam de acordo com o tipo de êmese que o medicamento quimioterápico pode provocar:

Êmese aguda

Por muitos anos, os principais agentes farmacológicos para a prevenção e tratamento de náuseas e vômitos agudos foram antagonistas dopaminérgicos, anti-histamínicos, corticosteroides, canabinoides e benzodiazepínicos.

Embora esses agentes ofereçam algum grau de eficácia, também podem causar efeitos colaterais consideráveis. Desde que apareceram os antagonistas dos receptores de serotonina, há uma nova classe de agentes com maior eficácia e menor frequência e gravidade de efeitos adversos.

Em doses equivalentes, os quatro antagonistas 5-HT3 existentes – ondansetrona, granisetrona, dolasetrona, tropisetrona – são igualmente eficazes na prevenção de êmese induzida por quimioterapia moderada ou altamente emética. A decisão sobre qual deles usar deve se basear na sua disponibilidade, conveniência, custo e perfil de efeitos adversos.

Saiba mais: Remédios naturais com gengibre para náuseas

 

Êmese tardia

A êmese tardia costuma ser mais difícil de tratar do que a êmese aguda. Também é preciso considerar que o paciente geralmente experimenta esse efeito adverso estando em sua casa, portanto a possibilidade de fazer um controle adequado pode ser menor.

Por outro lado, o impacto pessoal e familiar é mais considerável. Portanto, sempre que houver risco de náuseas e vômitos tardios, o paciente deve ser instruído sobre o uso correto de medicamentos antieméticos.

Isso deve ser feito antes da indicação do primeiro ciclo de quimioterapia, pois o controle adequado reduz o risco de êmese aguda, tardia e antecipatória nos ciclos subsequentes. Assim, é possível evitar consultas desnecessárias e o estresse pelo qual os envolvidos costumam passar.

Nesse caso, as drogas antagonistas dos receptores da serotonina não apresentam boa eficácia em comparação com seus efeitos na êmese aguda. Os corticosteroides são os agentes mais ativos para a prevenção da êmese tardia. Devem ser tomados durante 3-4 dias após o tratamento quimioterápico.

Além disso, assim como na prevenção da êmese aguda, a combinação de agentes antieméticos parece ser mais eficaz do que o uso de agentes únicos. Os antagonistas de 5-HT3 seriam indicados como tratamento de segunda linha quando um controle adequado não for alcançado com a combinação acima.

Efeitos colaterais da quimioterapia
 

Êmese antecipatória

A melhor maneira de evitar a êmese antecipatória é conseguir um controle adequado da êmese aguda e tardia. Caso este efeito adverso ocorra, a terapia cognitivo-comportamental pode ser eficaz.

Leia também: 5 tipos de câncer que poucos conhecem

Conclusão

O objetivo ideal de qualquer tratamento antiemético é prevenir completamente o aparecimento de náuseas e vômitos associados à quimioterapia. Isso melhora consideravelmente a qualidade de vida dos pacientes com câncer durante as internações e em casa.

Infelizmente, apesar do progresso observado nos últimos 20 anos, esse objetivo está sendo difícil de alcançar. Como mencionamos anteriormente, as náuseas continuam sendo um efeito colateral frequente e preocupante em pacientes que recebem quimioterapia.

 
  • Carretero Colomer, M. (2001). Ondansetrón. Offarm: Farmacia y Sociedad.
  • FERREIRA, R. G., & FRANCO, L. F. de R. (2017). EFEITOS COLATERAIS DECORRENTES DO TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO NO CÂNCER DE MAMA: revisão bibliográfica. REVISTA DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO VERDE. https://doi.org/10.5892/ruvrd.v15i2.3759
  • Haro, L. M., Mondéjar, R., Muñoz, M. del M., Molina, M. J., Olaverri, A., & Santiago, J. A. (2013). Tratamiento psicológico de las náuseas y vómitos anticipatorios inducidos por quimioterapia o radioterapia. Psicooncologia. https://doi.org/10.5209/rev_PSIC.2013.v10.n2-3.43450