5 precauções e contraindicações do consumo de espirulina

A espirulina é uma alga cada vez mais consumida. Embora para muitos ela seja um superalimento, devemos enfatizar que seu uso envolve alguns cuidados.
5 precauções e contraindicações do consumo de espirulina

Última atualização: 28 Fevereiro, 2021

Nos últimos tempos, a espirulina ganhou espaço no setor alimentício porque seus benefícios para o organismo foram reconhecidos. No entanto, como qualquer componente dietético, seu uso tem precauções e contraindicações. Afinal, quem deve evitar o consumo de espirulina?

A espirulina é uma alga que cresce facilmente em áreas desérticas e ainda mais onde a água é alcalina. Pela quantidade de nutrientes que fornece, é considerada um superalimento. Por outro lado, isso não significa que a sua ingestão não tenha que ser feita com precauções.

Quais nutrientes podemos obter com o consumo de espirulina?

Embora esse alimento tenha sido consumido desde a antiguidade por civilizações como os astecas e os incas, há pouco tempo as suas propriedades importantes para a saúde humana foram redescobertas. Consequentemente, hoje em dia ela é valorizada e comercializada em pó, cápsulas, na sua forma líquida e em comprimidos.

Seu interior contém grandes quantidades de proteínas, ácidos graxos essenciais, antioxidantes, minerais como ferro, cobre e zinco e vitaminas A, E e do complexo B.

Benefícios da espirulina

Vários estudos destacam que, graças aos seus componentes, ela tem efeitos na prevenção de algumas doenças e no fortalecimento do sistema imunológico. Suas ações mais reconhecidas são as seguintes:

  • É antioxidante e antiviral.
  • Retém metais pesados.
  • Regula a glicose no sangue e os níveis de colesterol.
Espirulina em pó
A espirulina é uma alga considerada um superalimento devido às suas propriedades nutricionais.

Quais são as precauções e contraindicações do consumo de espirulina?

Apesar deste suplemento alimentar ser seguro para a maioria das pessoas, em alguns casos específicos o seu consumo deve ser evitado, pois pode ter alguns efeitos adversos. Vejamos com mais detalhes 5 situações que merecem atenção.

1. Pessoas com distúrbios hemorrágicos

A espirulina tem um efeito anticoagulante, o que significa que retarda a ação das plaquetas que bloqueiam as feridas nos vasos sanguíneos. Desta forma, a ação natural que permite parar o sangramento é afetada.

Nesse sentido, quem toma medicamentos com o mesmo efeito, para patologias como fibrilação atrial ou acidente vascular cerebral, deve evitar a espirulina. Pacientes com distúrbios hemorrágicos podem intensificar a aparição de hematomas e sangramento intenso.

2. Mulheres grávidas e lactentes

Não há dados totalmente precisos que exponham os efeitos deste suplemento durante a gravidez. No entanto, sabe-se que as algas podem estar contaminadas com toxinas ou metais.

O envenenamento por metais pesados é uma situação grave que afeta vários órgãos. O cérebro, os rins e os glóbulos vermelhos são suscetíveis ao acúmulo dessas toxinas, o que a médio prazo constitui um risco aumentado de desenvolver outras patologias.

A placenta e a unidade de comunicação entre o feto e a mãe também podem ser envenenadas com metais pesados. Portanto, na gravidez, podemos dizer que há contraindicação para o uso da espirulina.

3. Pessoas com doenças autoimunes

Apesar da sua ingestão fortalecer o sistema imunológico, em algumas situações, como na esclerose múltipla, lúpus, artrite reumatoide e outras patologias do mesmo tipo, a espirulina poderia reforçar esse efeito e, com isso, agravar essas condições. Portanto, é aconselhável não consumi-la.

4. Alérgicos

De acordo com alguns estudos, a espirulina pode ter um componente alergênico; portanto, existe a possibilidade de causar reações adversas. Embora você deva ser exposto a ela para detectar a alergia, aqueles que já sofrem de outras alergias alimentares devem tomar ainda mais precauções.

5. Pacientes com fenilcetonúria

A fenilcetonúria é uma doença hereditária com baixa taxa de ocorrência na população geral. Nesses pacientes, ocorre uma alteração no metabolismo do aminoácido denominado fenilalanina.

Para eles, a ingestão de produtos que contenham essa substância, como algas, é contraindicada. Se o fizerem, seu corpo será incapaz de atingir o metabolismo específico e os sintomas aparecerão.

Espirulina em pó
A espirulina também é comercializada em cápsulas concebidas como medicamentos, embora seja comestível.

O que devemos lembrar sobre o consumo de espirulina?

Para ficar claro, a espirulina é um alimento usado como suplemento, e não como medicamento. Seu consumo em doses adequadas é seguro na maioria das pessoas, exceto para as mencionadas na seção anterior.

No entanto, em alguns casos particulares, podem ocorrer efeitos colaterais, como erupção e coceira na pele, sede, prisão de ventre, dor de estômago e tonturas. Embora esse componente seja uma opção para o fornecimento de proteínas, ácidos graxos essenciais e outros nutrientes, isso não significa que não possa apresentar reações adversas.

Ao contrário do que todos acreditam, o fato de um produto ser natural não significa que sempre será seguro. Por este motivo, se você sofre de alguma doença, está amamentando ou tem alergia a determinados alimentos, é recomendável consultar o seu médico para entender se você pode incorporar essa alga à sua alimentação.

Pode interessar a você...
4 benefícios da espirulina para perder peso
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
4 benefícios da espirulina para perder peso

Você já conhece as propriedades da espirulina para perder peso? Não deixe de conferir os benefícios que listamos neste artigo.



  • Chen, Y. Y., Chen, J. C., Tayag, C. M., Li, H. F., Putra, D. F., Kuo, Y. H., … & Chang, Y. H. (2016). Spirulina elicits the activation of innate immunity and increases resistance against Vibrio alginolyticus in shrimp. Fish & shellfish immunology55, 690-698.
  • Deng, R., & Chow, T. J. (2010). Hypolipidemic, antioxidant, and antiinflammatory activities of microalgae Spirulina. Cardiovascular therapeutics28(4), e33-e45.
  • Gutiérrez-Salmeán, G., Fabila-Castillo, L., & Chamorro-Cevallos, G. (2015). Aspectos nutricionales y toxicológicos de Spirulina (arthrospira). Nutricion hospitalaria32(1), 34-40.
  • Deng, R., & Chow, T. J. (2010). Hypolipidemic, antioxidant, and antiinflammatory activities of microalgae Spirulina. Cardiovascular therapeutics28(4), e33-e45.
  • Guardia_Alcántara, María_del_Mar. “Revisión del estado actual de la problemática y de los métodos de análisis para determinación de metales pesados en espirulina.” (2018).
  • Bernstein, J. A., Ghosh, D., Levin, L. S., Zheng, S., Carmichael, W., Lummus, Z., & Bernstein, I. L. (2011, March). Cyanobacteria: an unrecognized ubiquitous sensitizing allergen?. In Allergy & Asthma Proceedings (Vol. 32, No. 2).
  • Ponce López, E. (2013). Superalimento para un mundo en crisis: Spirulina a bajo costo. Idesia (Arica)31(1), 135-139.
  • Jensen, Gitte S., et al. “Clinical safety of a high dose of Phycocyanin-enriched aqueous extract from Arthrospira (Spirulina) platensis: Results from a randomized, double-blind, placebo-controlled study with a focus on anticoagulant activity and platelet activation.” Journal of medicinal food 19.7 (2016): 645-653.
  • Zaragozano, Jesús Fleta, and Jorge Fleta Asín. “Valoración nutricional y económica de la utilización de algas.” Revista española de estudios agrosociales y pesqueros 253 (2019): 37-64.