Por que alguns bebês só dormem quando estão perto da mãe?

· 16 de agosto de 2018
É normal e natural que os bebês durmam quando a mãe está perto. Não acontece só com alguns, acontece com todos. Mas nos empenhamos em "ensiná-los a dormir sozinhos".

Depois de passarem nove meses abraçados e sustentados dentro do corpo da mãe, dormindo e acordando ao som de seu coração que batia muito perto, deveríamos perguntar: como é possível pensar que possa ser diferente depois de nascerem?

É o normal, ou deveria ser

Os bebês precisam e procuram o contato físico, para se sentirem tranquilos e protegidos, tal e como estavam no útero materno. Precisam disso enquanto estão acordados, para dormir, enquanto dormem e quando voltam a acordar.

Foi assim durante os nove meses da gestação e continuará sendo assim durante mais um tempo. Primeiro, porque precisam viver os nove meses de exterogestação; e segundo porque seus padrões de sono não serão regulares até que alcancem os 5 ou 6 anos.

Bebê que só dorme perto dos pais

Porém, alguns consideram que desde que nascem devem dormir em seu próprio berço, em seu próprio quarto. Outros aceitarão que ficam de 4 a 5 meses no berço no quarto dos pais, mas não mais do que isso, e depois devem ser realocados em seus quartos.

Como se um bebê entendesse desses lapsos de tempo, ou que seus pais precisam dormir porque vão trabalhar na manhã seguinte, ou precisam de intimidade. Os bebês não sabem de nada disso, dormem se estão perto da mãe, porque é a única pessoa que conhecem.

Leia: O que é a exterogestação

Dormir junto é uma opção

O sono dos bebês é uma das angústias mais frequentes dentre as quais estreiam como mãe. Enquanto procuram “receitas mágicas” para conseguir fazer com que o bebê durma mais tempo corrido ou que ao acordar durma por si mesmo, não pensam na solução mais fácil: dormirem juntos.

Por gerações as crianças dormiram com seus pais, e os pais com os avós. Às vezes dormiram compartilhando o mesmo quarto, a maioria das vezes a mesma cama. O compartilhamento da cama continua sendo a prática de muitos pais, sem que nessa decisão interfira a classe social, os costumes culturais ou o país de origem.

Bebê que só dorme perto da mãe

Entre 1980 e 1990, apareceram as teorias de Feber e Lozoff a interromper o sono plácido dos bebês junto de sua mãe. Uma grande quantidade de médicos, psiquiatras e especialistas apoiaram a tendência de deixar o bebê dormir sozinho, mas se esqueceram que os bebês humanos são mamíferos.

Como todo ser que é alimentado pelos seios de sua mãe, os bebês só dormem se estão perto da mãe; enquanto são amamentados e ninados, ouvem o coração da mãe, sente o cheiro de sua pele e dormem.

Dormir perto da mãe

Os manuais mais famosos para fazer os bebês dormirem se atrevem a afirmar que os fetos dormem sozinhos no útero, sem a ajuda de ninguém! Atribuem os problemas de sono dos bebês aos pais, que ao embalarem e ninarem os bebês fazem com que “desaprendam” o que já faziam de “forma natural”.

Isso te parece lógico? Acredita realmente que o bebê está sozinho no útero? Não se dão conta de que o bebê no útero sempre está embalado, ninado e ouvindo ao coração de sua mãe?

Bebê que só dorme perto da mãe

As mulheres grávidas caminham, sobem e descem escadas, dirigem, dançam, fazem sexo e praticam exercícios. Inclusive nas gravidezes com indicações de repouso total, o bebê ouve e sente sua mãe.

Todo esse movimento, todos esses sons, acompanham os bebês enquanto dormem no útero, o que não se parece em nada com dormir sozinho em um berço estático em um quarto silencioso.

Recomendamos ler: Meu bebê só quer dormir nos meus braços

Se restam dúvidas…

Não são alguns bebês, são todos os que dormem se estão perto da mãe, porque esse é o natural. Mas nos empenhamos em deixá-los sozinhos no berço. Eles choram e dormem mal, os pais também, quando é tão fácil deixá-los mais perto da mãe.

Ainda que muitos de nossos pais ou avós tenham dormido conosco, ao invés de fazermos o mesmo estamos determinados a buscar uma nova pesquisa científica que nos confirme que os bebês podem voltar a dormir mais perto da mãe e do pai. Ao invés de confiar no que seu coração e seu filho pedem.