Pontos-gatilho: o que são e como são tratados?

17 Novembro, 2020
O que são os pontos-gatilho? Eles fazem parte da síndrome miofascial e sua detecção está se tornando cada vez mais comum. Em casos extremos, podem ser muito incapacitantes.

A dor muscular é uma causa comum de consulta entre adultos, seja em serviços de emergência ou em consultórios. Hoje, vamos ver o que é a síndrome miofascial ou síndrome da dor miofascial, quais são os pontos-gatilho e suas possibilidades atuais de tratamento.

A musculatura esquelética é responsável por quase 50% do peso de um adulto; portanto, não é incomum que a dor muscular seja uma causa de desconforto frequente. Os pontos-gatilho são uma parte fundamental da explicação da síndrome miofascial, e referem-se a regiões de pontos dolorosos dos músculos.

O que são os pontos-gatilho?

Um ponto-gatilho é uma pequena área de irritabilidade focal no músculo. Ou seja, é uma região minúscula em comparação com o resto do músculo, que dói diante da pressão.

Síndrome miofascial é, portanto, um conjunto de dores musculares causadas por pontos-gatilho e sua estimulação. Então não podemos considerar a síndrome sem identificar onde essas regiões dolorosas estão e como reagem.

Na síndrome miofascial, ao examinar um músculo, observa-se uma dor pontual e circunscrita que faz parte de um conjunto palpável maior. Este conjunto tende a estar tenso, como uma contratura das fibras musculares.

A área circunscrita de dor são os pontos-gatilho. Pelo menos 255 pontos-gatilho distribuídos por diferentes músculos do corpo foram descritos. Nenhuma parte do organismo está isenta de possuí-los.

O próprio paciente pode se referir a onde essa pequena área é dolorosa à pressão, ou sentir dor espontaneamente. Ninguém conhece seu corpo melhor do que você, e esse é um dos princípios importantes ao abordar doenças crônicas.

Fibras musculares
Os pontos-gatilho podem ser encontrados em quase qualquer músculo do corpo.

Continue lendo: A fibromialgia está relacionada à flora intestinal?

Quais são os sintomas dos pontos-gatilho?

Os pontos-gatilho estão por todo o corpo e em quase todos os músculos. No entanto, há regiões mais propensas a ter dor miofascial. Estas incluem:

Os sintomas da estimulação dos pontos-gatilho são predominantemente dor e contratura. A tensão muscular aumenta e as fibras apertam, encurtando o tamanho total do músculo afetado.

Isso leva à fraqueza e diminuição da força, bem como à redução da tolerância ao esforço. Aqueles com síndrome miofascial reclamam de não conseguir terminar exercícios de ginástica, por exemplo, ou ter que parar longas caminhadas.

Quando um ponto-gatilho está ativo, a dor é espontânea, e não é necessária pressão sobre ele para gerar sintomas. Por outro lado, os pontos latentes são aqueles que respondem apenas a estímulos externos.

Se os músculos da face são afetados no paciente, sintomas relacionados ao sistema auditivo, como tontura, desequilíbrio e zumbido nos ouvidos estão associados. Os casos mais graves podem causar desmaios espontâneos e vômitos.

Como os pontos-gatilho são tratados?

Felizmente, os pontos-gatilho podem desaparecer sem tratamento, desde que o descanso adequado seja realizado e as causas subjacentes não sejam perpetuadas. Claro, isso nem sempre acontece, e às vezes algum tipo de tratamento pontual é necessário.

Existem diferentes técnicas para a remoção de pontos-gatilho, algumas invasivas e outras baseadas em medidas gerais. Entre as modalidades não invasivas, temos as seguintes:

  • Digito-pressão
  • Massoterapia descontracturante
  • Relaxamento pós-isométrico
  • Crioterapia: aplicação de frio local

Casos graves podem exigir medidas mais drásticas e invasivas, como punção de agulha seca, eletroterapia ou infiltração. O ultrassom também é usado com uma boa resposta.

O uso da proloterapia ganhou espaço na terapia miofascial. Consiste na aplicação de substâncias irritantes diretamente nos tendões e tecidos afetados. O objetivo principal é devolver a mobilidade perdida.

Dor articular nas mãos
A dor crônica dos pontos-gatilho pode ser tratada por meio de uma abordagem ampla e vasta. Técnicas de massagem e até mesmo infiltrações podem ser usadas.

Saiba mais: A dor neuropática: uma incômoda companheira noturna

A síndrome miofascial é crônica e requer acompanhamento

Na longa lista de possíveis diagnósticos diferenciais, é necessário fazer uma consulta com o médico para orientar os passos a serem seguidos. Ao mesmo tempo, será muito importante modificar hábitos ou comportamentos que perpetuam posturas incorretas.

Podemos dizer que, embora seja verdade que os pontos-gatilho podem desaparecer por conta própria, as síndromes de dor miofascial devem ser tratadas para evitar sua cronicidade. É por isso que sempre é aconselhável fazer uma consulta com um especialista.

  • https://www.uptodate.com/contents/approach-to-the-patient-with-myalgia?search=trigger%20points&source=search_result&selectedTitle=3~44&usage_type=default&display_rank=3
  • https://www.uptodate.com/contents/overview-of-soft-tissue-rheumatic-disorders?sectionName=Myofascial%20pain%20syndrome&search=trigger%20points&topicRef=5625&anchor=H3&source=see_link#H3
  • https://www.uptodate.com/contents/differential-diagnosis-of-fibromyalgia?sectionName=Myofascial%20pain%20syndromes&search=trigger%20points&topicRef=2751&anchor=H1397504&source=see_link#H1397504
  • https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=22094195
  • Travell, JG, Simons, DG. Myofascial Pain and Dysfunction. The Trigger Point Manual: Upper Half of Body, 2nd edition. Lippincott, Williams & Wilkins, Baltimore 1988.
  • https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=16942471
  • P T. Dorsher y col. Revista internacional de acupuntura.Vol. 3. Issue 1. Pages 15-25 (January 2009)
  • Simona D. Dolor y disfunción miofascial. Editorial Panamericana.