Pólipos no cólon: saiba tudo sobre eles

21 de outubro de 2019
Os pólipos no cólon quase nunca causam sintomas exceto em alguns casos em que há sangramento após a evacuação. Geralmente são detectados incidentalmente durante alguns exames do trato digestivo.   

Os pólipos no cólon são um dos problemas mais comuns nessa área do corpo. Afetam aproximadamente 15-20% da população. Na maioria dos casos é um processo benigno, mas às vezes esses pólipos são cancerígenos, ou se tornam câncer ao longo do tempo.

Qualquer pessoa pode ter pólipos do cólon, mas são mais frequentes naqueles que tiveram pólipos antes, têm mais de 50 anos, têm histórico familiar do mesmo problema e/ou tiveram câncer de cólon no passado.

Na maioria das vezes os pólipos no cólon não provocam sintomas. Geralmente são detectados por exames como colonoscopias. É importante realizar esses exames periodicamente, pois a remoção dos pólipos nos estágios iniciais é muito mais simples e segura.

Os pólipos no cólon 

Cólon com pólipos

Os pólipos no cólon são pedaços de tecido adicional que crescem dentro do intestino grosso. Se devem ao agrupamento de um pequeno conjunto de células que crescem mais na mucosa do cólon. São definidos como tumores benignos, que também podem ser encontrados em outras áreas do sistema digestivo.

Seu diâmetro varia de 0,6 cm, até vários centímetros. Se parecem com pequenos inchaços que às vezes crescem em uma espécie de “haste”, então se parecem com fungos. No entanto, os pólipos no cólon também podem ser planos. Comumente estão espalhados na parede do intestino.

Existem dois tipos de pólipos: neoplásico e não neoplásico. Os primeiros correm o risco de se tornar câncer, e podem ser pólipos serrilhados ou adenomas. Os não neoplásicos são geralmente benignos e incluem pólipos hiperplásicos, pólipos inflamatórios e pólipos hamartomatosos. Como regra geral, quanto maior o pólipo, maior o risco de se tornar canceroso.

Descubra: 9 remédios naturais que podem ajudar no tratamento de câncer de cólon

Causas 

A razão pela qual os pólipos aparecem no cólon não é clara. Foi estabelecido que mutações de genes diferentes fazem com que o processo de divisão celular seja alterado e isso continua ocorrendo, mesmo quando não é necessário. É quando os pólipos são formados.

Existem pessoas com maior risco de desenvolver pólipos no cólon, como já indicado: acima de 50 anos, e com histórico pessoal ou familiar de pólipos ou câncer de cólon. Também estão em risco os fumantes, aqueles que consomem álcool, as pessoas obesas e as com diabetes tipo 2.

Outro segmento de risco é composto por pessoas que sofrem de colite ulcerosa ou doença de Crohn no cólon. Em alguns casos, existem doenças hereditárias que predispõem ao desenvolvimento de pólipos. Essas doenças são:

  • Síndrome de Lynch
  • Polipose adenomatosa hereditária.
  • Síndrome de Gardner
  • Polipose associada ao gene MYH .
  • Síndrome de Peutz-Jeghers.
  • Síndrome de polipose serrilhada.

Sintomas e diagnóstico de pólipos do cólon 

Imagem de pólipos

Como já observado, na maioria das vezes os pólipos no cólon não geram sintomas. Algumas pessoas podem ter sangramento no ânus, o que é detectado porque alguns vestígios permanecem em suas roupas íntimas, ou no papel higiênico após a evacuação. Também é possível que haja sangue nas fezes.

Constipação ou diarreia que dura mais de uma semana também é um elemento sugestivo. No entanto, na maioria das vezes, os pólipos são detectados graças a exames específicos, como colonoscopia, colonografia, sigmoidoscopia flexível e/ou análise de fezes.

O teste mais apropriado é a colonoscopia, pois permite detectar pólipos no cólon, mas também removê-los quando forem encontrados ou suspeitos de existir. Por isso esse procedimento é muito mais funcional.

Leia também: Chá de gengibre e camomila para tratar a síndrome do intestino irritável

Outros dados de interesse 

Existem várias maneiras de remover os pólipos durante a colonoscopia. Às vezes são cortados com um fio, ou com uma pinça de biópsia. Também é possível queimar sua base com corrente elétrica. Esses procedimentos não causam dor, uma vez que o revestimento do intestino é insensível a esses estímulos.

Após a remoção o tecido é enviado ao laboratório para estudo. Lá pode-se estabelecer se há câncer ou não. Em algumas ocasiões, os pólipos não podem ser removidos na colonoscopia, mas esta é usada para marcá-los ou para fazer neles uma “tatuagem endoscópica”. Dessa forma, serão facilmente detectáveis ​​durante a cirurgia.

A remoção dos pólipos é um procedimento ambulatorial chamado polipectomia, que muito raramente apresenta complicações. Somente em pouquíssimos casos causa sangramento ou pequenas perfurações, que devem ser tratadas posteriormente. Em todos os casos, o médico solicitará novas colonoscopias nos anos seguintes.

 

  • Barreda, F., Combe, J., Valdez, L. A., & Sánchez, J. (2007). Aspectos clínicos de los pólipos colónicos. Revista de Gastroenterología del Perú, 27(2), 131-147.
  • Rivero, M., Castro, B., & Fernández Gil, P. L. (2012). Pólipos y poliposis cólica. Medicine. https://doi.org/10.1016/S0304-5412(12)70324-4
  • Falconi, L. M. (1976). POLIPOS DEL COLON. Cirugia Del Uruguay.