O câncer é uma doença hereditária? Dados a considerar

· 24 de outubro de 2017
Ainda que muitas pessoas se preocupem com o fato de que o câncer pode ser hereditário, o certo é que há muito mais fatores externos que podem causá-lo

Esta é uma pergunta que a grande maioria das pessoas já se fez alguma vez: o câncer é hereditário? Se minha mãe sofreu de câncer no seio, por exemplo, eu também o padecerei?

Esclareceremos, em primeiro lugar, que o câncer tem, sem dúvidas, um componente genético. Porém, genético não implica que seja “hereditário”.

Na atualidade, esta doença é tão comum que muitos de nós contamos, certamente, com algum familiar doente. Alguém que superou a prova mais dura de sua vida ou que, infelizmente, não pôde suportá-la.

Porém, tal e como nos dizem alguns especialistas, há certos tipos de câncer que parecem ser mais comuns em algumas famílias.

A obesidade das diferentes gerações ou inclusive o hábito de fumar em todos eles, são fatores de risco potencial que podem determiná-los.

Por outro lado, também sabemos que há diferentes tipos de câncer que são mais suscetíveis de herdar na árvore genética.

Estamos diante de uma doença com componente genético, mas não necessariamente hereditário.

A seguir, oferecemos aos nossos leitores mais dados a respeito. Não deixem de conferir!

O câncer é uma doença hereditária?

O Centro de Pesquisa do Câncer da Universidade de Salamanca (Espanha), publicou em 2010 um trabalho intitulado: “Conselho genético: guia para prevenir o câncer hereditário”.

Este trabalho tentou revelar por meio de uma análise genética se uma pessoa é portadora ou não dessa sequência de DNA que pode nos tornar mais “suscetíveis” a desenvolver um câncer.

Geralmente, a probabilidade de que herdemos de nossos familiares determinadas doenças oncológicas está entre 5 e 10%. O câncer quase sempre tem fatores não conhecidos ou ambientais.

Mulheres com doença hereditária

O câncer aparece por uma complexa conjunção de diversos fatores

O câncer é uma doença genética. Tem sua origem em genes que, seja por questões internas ou externas, alteram-se e sofrem mutação para ordenar, finalmente, uma proliferação celular descontrolada.

  • Estas variações genéticas podem ser propiciadas por elementos associados aos nossos hábitos de vida. O ambiente no qual transitamos todos os dias também pode ser um desencadeante.
  • Ainda assim, o mais habitual é que seja uma sutil união de tudo isso. Porém, a probabilidade de desenvolver um tumor por fatores hereditários é muito baixa.
  • O problema do cigarro, a contaminação e uma alimentação incorreta supõem um perigo muito maior.

Quando podemos suspeitar que temos certa pré-disposição hereditária ao câncer?

Visto que o surgimento do câncer é, como vimos, a união de diversos fatos, é necessário ter em conta vários aspectos.

Explicaremos a seguir:

  • Quando aparece sempre o mesmo tipo de câncer em diversos membros de nossa família.
  • Este câncer afeta a diferentes gerações: avós, filhos, netos.
  • Quando o diagnóstico de câncer aparece em alguns familiares em idades jovens (antes dos 60 anos).

Mulher com flor

Tipos de câncer com componente hereditário

Existem determinados tipos de câncer que apresentam um componente hereditário. Este fator de risco continua no limiar de 5% a 10%.

Não é alto, mas nos obriga a ficar atentos e a comunicar aos nossos médicos para nos submetermos às revisões correspondentes.

  • Câncer de mama
  • Câncer de ovário
  • Câncer de cólon não policístico
  • Melanoma (o câncer de pele mais perigoso)

Existe alguma prova que possa determinar se podemos ou não desenvolver esse câncer?

Existem diversos exames que podem, efetivamente, nos dar uma informação sobre isso. Porém, cabe esclarecer algumas questões chave:

  • Estes exames genéticos não nos dirão se vamos desenvolver ou não um câncer com componente hereditário: nos dirão que probabilidade temos.
  • A primeira coisa que faremos será consultar nosso médico. Mais tarde nos derivarão às chamadas “unidades de conselho genético em câncer”.
  • Sua função é estudar o chamado câncer hereditário e nos dar um assessoramento genético. Não se trata de receber unicamente o resultado de um teste de laboratório.
  • Seu trabalho é de nos assessorar também: avaliam o risco pessoal e familiar. Também nos explicam quais estratégias de seguimento devemos pôr em prática e como reduzir o risco.

Cabe recalcar, mais uma vez, que o risco de desenvolver um câncer por linha hereditária é baixo.

Porém, visto que este medo é muito alto entre a população, foram criadas estas unidades de conselho genético em câncer, tão úteis e eficazes.

Célula de câncer

Se há um componente familiar, de que forma podemos prevenir o câncer?

Tal e como assinalamos antes, a primeira coisa a fazer é contar com assessoria médica. Se em nossa família, por exemplo, várias mulheres sofreram de câncer de mama, o mais importante serão as revisões periódicas.

Ainda, devemos saber que o componente genético por si só não faz com que a doença se desenvolva. Na maioria das vezes aparecem outros elementos que aumentam o risco e a predisposição.

  • É necessário que evitemos o cigarro.
  • A obesidade ou o peso elevado são outros fatores de risco.
  • Manter uma dieta rica em gorduras ou açúcares é outro perigo que deve ser evitado.
  • O sedentarismo.
  • Viver em um entorno pouco saudável ou trabalhar em um cenário com contaminantes é outro risco.

Em qualquer caso, serão sempre os especialistas que nos indicarão quais estratégias é conveniente seguir no dia a dia.