Por que o peixe panga tem má fama?

A produção de panga está crescendo exponencialmente e este peixe está sendo servido nas mesas de todo o mundo. No entanto, a polêmica em torno do seu consumo continua surgindo de tempos em tempos. Vejamos alguns dos motivos.
Por que o peixe panga tem má fama?

Última atualização: 13 Março, 2021

A má fama do peixe panga levou uma rede de supermercados a parar de vender esta espécie em diversos países europeus. Ele também parou de ser servido em muitas cantinas escolares. No entanto, ainda é um peixe comumente consumido em muitos países europeus e nos  Estados Unidos.

As autoridades alimentares insistem na segurança dos controles na produção e transporte deste peixe. Até o momento, não houve nenhum alerta de saúde relacionado ao consumo do panga. Então, qual é a polêmica? Existem razões para parar de consumir o panga?

Quais são as características do peixe panga?

O panga – hipoftalmo de Pangasius – é um peixe de água doce que vive principalmente nos rios Mekong e Chao Phraya, embora, atualmente, boa parte do que é consumido seja cultivado em fazendas. A maioria delas está localizada no sudeste da Ásia, em países como Vietnã, Tailândia, Camboja e Laos.

O panga pertence ao grupo dos peixes brancos, como o linguado, a pescada e a garoupa. Em geral, o peixe branco é recomendado por seu aporte de proteínas de alto valor biológico, minerais e vitaminas D, A e B1. 

Porém, no caso do panga, esses valores nutricionais costumam ser menores. Ele tem menos proteína por 100 gramas do que a pescada ou o linguado, bem como uma composição lipídica diferente. Ele também tem menos vitamina A e D. 

Peixe com vegetais

Ele se tornou um peixe muito apreciado, tanto nas cozinhas comunitárias (hospitais, asilos…) quanto entre os consumidores privados. Isso se deve, sobretudo, ao seu preço acessível, à sua apresentação em filés sem pele ou espinhas e ao seu sabor suave. 

Por que o peixe panga tem má reputação?

Como vimos, o consumo de panga é polêmico há alguns anos. No entanto, em nenhum momento foi declarado qualquer alerta alimentar pelas autoridades especializadas.

Vamos ver quais são os pontos mais sombrios em torno do consumo do panga:

1. É um peixe contaminado

Uma das polêmicas que giram em torno desse peixe é sua possível contaminação. Aproximadamente 90% de todo o panga consumido no mundo vem do rio Mekong. Este é um dos rios mais poluídos de todo o planeta. Além disso, deve-se levar em consideração que a própria produção desse peixe nas fazendas aumenta essa contaminação. 

Em 2017, a OCU (Organização de Consumidores e Usuários da Espanha), realizou uma análise de 23 amostras de panga, algumas congeladas e outras frescas. Os resultados mostraram que:

  • Em 4 amostras, foram encontrados restos de um herbicida proibido na Europa.
  • Traços de mercúrio foram detectados em 9 amostras. Embora a quantidade não tenha ultrapassado o limite legal de 0,5 mg por quilo, ela ficou muito próxima da metade desse valor. Esses valores podem ser preocupantes para crianças, embora não para adultos. Eles não ultrapassam os níveis que podem ser encontrados em peixes como atum, tubarão ou peixe-espada. 

2. Sustentabilidade ambiental e alimentar

Alguns especialistas desaconselham o consumo deste peixe por razões ambientais. Consumir peixes de países distantes tem um forte impacto no meio ambiente. Isso se deve tanto ao processo de produção pelo qual o peixe passa, quanto aos custos do seu transporte e distribuição.

Além disso, é preciso levar em conta o impacto que a sua produção intensiva tem no próprio território. Algumas das consequências negativas foram o desmatamento de manguezais em países como o Vietnã e a mudança no uso das terras ao redor do rio Mekong. O arroz, um dos pilares da alimentação dos moradores da região, parou de ser cultivado nelas.

Presença de mercúrio nos peixes

3. Processo de produção

O panga é um peixe produzido principalmente em fazendas. A piscicultura intensiva tem várias consequências ambientais e sociais negativas.

Por um lado, as águas estão mais poluídas do que já estavam. Isso ocorre devido à descarga descontrolada de antibióticos e fezes do próprio peixe. Além disso, os espécimes de panga vivem aglomerados em pequenos espaços, são alimentados com ração e representam um perigo para as espécies autóctones.

O impacto social da agricultura em fazendas de peixes não é mínimo. O panga é um peixe muito barato, e isso se deve, em parte, aos baixos salários e às más condições da força de trabalho.

Como escolher um bom peixe?

Embora o peixe panga tenha má reputação, comê-lo não é perigoso. Para manter a segurança, seria interessante limitar o consumo a uma vez por semana no caso de adultos, e uma vez a cada duas semanas no caso de crianças.

Porém, dados os aspectos negativos que deram a má fama ao panga, podemos fazer outras recomendações para manter um consumo de peixe mais saudável e responsável. Se quisermos consumir peixes com base em critérios de sustentabilidade, tradição culinária e saúde, devemos priorizar os seguintes aspectos:

  • Consumir peixes que não sejam cultivados, e sim capturados com métodos que respeitem o meio ambiente.
  • Consumir os peixes típicos das nossas regiões, comprados em mercados e peixarias locais.
  • Prefira as espécies menores, pois elas acumulam menos metais pesados ​​em seus tecidos. 
  • Escolha diferentes variedades entre as opções possíveis. A variedade na dieta é uma das maneiras de garantir que ela seja mais balanceada e tenha menos riscos.

Como fonte de proteínas, minerais e ácidos graxos essenciais, o peixe é um bom aliado da nossa alimentação. Agora sabemos como melhorar a escolha deste alimento tão importante para uma alimentação variada e saudável.

Pode interessar a você...
Quais são os peixes livres de anisakis?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Quais são os peixes livres de anisakis?

Existem algumas variedades de peixes que são livres de anisakis, um tipo de parasita. Saiba quais são as principais neste artigo.



  • FAO Fisheries and Aquaculture Department. Cultured Aquatic Species Information Programme. Pangasius hypophthalmus.
  • Orban E, et al. New trends in the seafood market. Sutchi catfish (Pangasius Hypophthalmus) fillets from Vietnam: Nutritional quality and safety aspects. Food Chemistry. Setiembre 2008. 110(2); 383-389.
  • Rodríguez M, et al. Assessment of mercury content in Panga (Pangasius hypophthalmus). Chemosphere. Abril 2018. 196;53-57