O mercúrio em peixes é perigoso?

14 de novembro de 2019
O mercúrio é encontrado principalmente em peixes grandes e azuis. Mulheres grávidas e crianças devem tomar cuidado especial com o seu consumo. Saiba mais sobre isso.

Sabemos que o consumo de peixe é benéfico para a saúde devido à contribuição de ácidos graxos insaturados. No entanto, existe alguma preocupação com os riscos que o mercúrio em peixes pode produzir.

O mercúrio em peixes

O mercúrio é encontrado naturalmente nos organismos do solo, da água, das plantas e dos animais. O problema é que a atividade humana contribui com grandes quantidades de mercúrio para o meio ambiente, através da incineração de resíduos sólidos, do uso de combustíveis fósseis ou do uso desse metal nas indústrias.

O mercúrio passa aos peixes através dos alimentos, de modo que os peixes mais predadores, que também são os maiores, acumulam mais quantidade.

Riscos do consumo de mercúrio em peixes

A toxicidade do mercúrio depende de sua forma química, tipo, dose de exposição e idade em que ocorre. De todas as espécies químicas de mercúrio presentes nos alimentos, o composto orgânico de metilmercúrio é o que apresenta a maior toxicidade. Pode ser encontrado principalmente em peixes e mariscos.

Essa forma química pode afetar os rins e o sistema nervoso central, especialmente durante o desenvolvimento, atravessando a barreira hematoencefálica e a placenta. Também pode causar alterações no desenvolvimento normal do cérebro dos bebês e, em doses mais altas, induzir alterações neurológicas em adultos.

Não deixe de ler: Como eliminar os metais pesados do seu organismo?

Em que peixes está mais presente?

Podemos encontrar mercúrio em peixes como o atum

Existem algumas variedades de peixes que correm maior risco de apresentar altas concentrações de mercúrio. Entre estes, destacam-se principalmente os peixes grandes.

As maiores concentrações de mercúrio são encontradas em peixes de água doce e salgada, principalmente em espécies grandes, localizadas no nível mais alto da cadeia alimentar.

Atum de olhos grandes

O atum é um dos peixes que contém quantidades mais alarmantes de mercúrio. No entanto, não é o atum mediterrânico que deve nos interessar, mas o atum de olhos grandes. Esta variedade de atum habita áreas tropicais e subtropicais do Atlântico, Índico e Pacífico.

Já o atum rabilho (thunnus thynnus) do Mediterrâneo não contém porcentagens tão altas de mercúrio. Tal como acontece com a albacora (thunnus albacares).

Peixe espada

O peixe-espada ou imperador é um dos peixes comerciais com a maior quantidade de mercúrio. É um predador que consome grandes quantidades de peixe por dia e, portanto, acaba adicionando mercúrio ao seu corpo.

Tubarão

Esta espécie também possui altas porcentagens de mercúrio. Tubarões incluem desde pequenas espécies até o tubarão-baleia.

Peixe Lúcio

O esox lucius é um grande predador, que se alimenta de espécies de todos os tipos, incluindo caranguejo. Desde 2003, foi adicionado ao “Catálogo Espanhol de Espécies exóticas invasoras”.

Quanto peixe podemos comer sem colocar nossa saúde em risco?

É importante escolher o tipo de peixe com mais benefícios

Para um consumo seguro de peixes, é melhor limitar a ingestão de variedades identificadas com altos níveis de mercúrio. Além disso, é aconselhável limitar as porções e evitá-las em caso de gravidez.

A “Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos” recomenda limitar a ingestão de atum rabilho, peixe espada, tubarão e lúcio. No entanto, a origem da carne deve ser levada em consideração, pois existem águas mais poluídas do que outras.

O Comitê Conjunto de Especialistas em Aditivos Alimentares da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) e da OMS (Organização Mundial da Saúde) revisou em junho de 2003 a ingestão semanal tolerável de metilmercúrio, reduzindo-a de 3,3 μg / kg de peso corporal para 1,6 μg / kg de peso corporal.

As recomendações da AESAN (Agencia Española de Seguridad Alimentaria y Nutrición) para grupos de risco são as seguintes:

  • Mulheres grávidas ou que podem engravidar ou amamentar. Evitar o consumo
  • Crianças menores de 3 anos. Evitar o consumo
  • Crianças entre 3-12 anos. Limitar de 50 g / semana ou 100 g / 2 semanas (não consumir nenhum outro peixe nesta categoria na mesma semana)

Leia também: Relação entre o autismo e a ingestão de peixe contaminado com mercúrio durante a gravidez

Recomendações sobre o consumo de peixe

O peixe é essencial para uma dieta equilibrada, pois fornece proteínas de alto valor biológico, vitamina A, D e B12, iodo e selênio. Uma dieta contendo peixe e marisco ajudará a manter nossa saúde cardiovascular. Por outro lado, não há evidências de qualquer relação entre a ingestão de mercúrio e o risco de doença cardíaca coronária.

Tendo em conta os benefícios dos ácidos graxos DHA, em comparação com o risco de mercúrio, o consumo de peixe em mulheres em idade fértil, gestantes e bebês reduz o risco de desenvolvimento neurológico anormal das crianças.

O fundamental é alternar o peixe que consumimos.

  • Escolha de preferência outros tipos de peixes azuis, como robalo, dourado, salmão, sardinha, truta, etc.
  • Adultos saudáveis ​​não deveriam consumir mais de uma vez por semana peixes com mais mercúrio, como atum, peixe-espada, lúcio ou tubarão.
  • Evite comer atum enlatado com frequência. Aliás, neste estudo, onde examinaram estudantes universitários que frequentemente consumiam latas de atum, encontraram níveis mais altos de mercúrio em seus cabelos do que naqueles que não consumiam esse peixe.
  • É importante alternar peixes azuis com peixes brancos que contêm menos mercúrio.

Em resumo

Altas concentrações de mercúrio em algumas variedades de peixes são razões suficientes para limitar a sua ingestão. Aliás, seu consumo tem sido relacionado a um risco aumentado de problemas de saúde. No entanto, não devemos ignorar que, pelo contrário, outras variedades de peixes são benéficas para o organismo.

E se quiser receitas deliciosas com peixes saudáveis, continue aqui na nossa página, porque temos muitas para você se deleitar.

  • AMBIENTE, Y. M., & DE ESPAÑA, G. O. B. I. E. R. N. O. LAS CUALIDADES NUTRICIONALES DE LOS PRODUCTOS PROCEDENTES DE LA PESCA EXTRACTIVA Y DE LA ACUICULTURA: BINOMIO RIESGO-BENEFICIO.
  • Informe del Comité Científico de la Agencia Española de Seguridad Alimentaria y Nutrición (AESAN) en relación a los niveles de mercurio establecidos para los productos de la pesca (2010).
  • Mercurio en el pescado, un serio problema. OCU.
  • Murata, Y., Finkelstein, D. B., Lamborg, C. H., & Finkelstein, M. E. (2019). Tuna consumption, mercury exposure, and knowledge about mercury exposure risk from tuna consumption in university students. Environmental toxicology and chemistry.
  • Recomendaciones de consumo de pescado (Pez Espada, Tiburón, Atún Rojo y Lucio) debido a la presencia de mercurio. AESAN.