Paroxetina: usos e efeitos colaterais

22 Outubro, 2020
A paroxetina é um fármaco usado para tratar a depressão. Ele deve seu efeito antidepressivo à sua capacidade de aumentar a concentração de serotonina.

A paroxetina é um medicamento que pertence à família de inibidores da recaptação de serotonina, ou ISRS. Esses medicamentos são antidepressivos amplamente utilizados para o tratamento de várias patologias, como depressão clínica, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno de ansiedade social e transtorno de ansiedade generalizada, entre outros.

Os inibidores da recaptação de serotonina são capazes de aumentar a concentração sináptica desse neurotransmissor nas terminações nervosas. Veremos esse mecanismo mais tarde e em detalhes. É um medicamento análogo à fluoxetina, um dos medicamentos mais representativos nesse grupo de antidepressivos.

A paroxetina foi comercializada em 1992 pela empresa atualmente conhecida como GlaxoSmithKline. No entanto, essa empresa teve que pagar uma multa imposta pelo Departamento de Justiça dos EUA por promover o uso de paroxetina em menores. Outra causa foi a elaboração de um artigo em que eles relataram falsamente sua eficácia no tratamento da depressão em adolescentes.

O que é a depressão?

A depressão e a paroxetina

A depressão é um distúrbio emocional que se desenvolve causando um constante sentimento de tristeza, bem como uma perda de interesse ao realizar atividades diferentes. Esse distúrbio, também conhecido sob o nome de transtorno depressivo maior ou depressão clínica, afeta:

  • Sentimentos.
  • Pensamentos.
  • Comportamentos.
  • Atividades da vida cotidiana.

A depressão é uma doença grave, não é um sentimento de tristeza temporária. Pode até incitar o paciente a cometer suicídio. No entanto, apesar do tratamento durar vários anos, esta doença pode ser superada.

Com relação às causas, cabe destacar que, exceto em alguns casos em que a depressão se desenvolve secundária a outras doenças como Parkinson ou tuberculose, a depressão geralmente é desencadeada por uma combinação de fatores. Entre eles, mencionamos:

  • Biológicos: alterações hormonais ou alterações nos neurotransmissores cerebrais, como a serotonina, por exemplo.
  • Psicossociais: como problemas familiares ou no local de trabalho.
  • Personalidade: especialmente aqueles mecanismos relacionados à defesa psicológica.

Como a paroxetina exerce seu efeito no corpo?

A paroxetina aumenta a serotonina no sistema nervoso central . No entanto, diferentemente de outros medicamentos antidepressivos, ela não afeta as concentrações de outras aminas biológicas, como a noradrenalina.

Apesar de conhecer essas informações, a ação precisa da paroxetina ainda não está clara, nem a dos outros antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina.

Em estudos com animais, a paroxetina demonstrou ser mais potente que a sertralina e muito mais potente que a fluoxetina em sua capacidade de inibir a recaptação desse neurotransmissor.

A serotonina é, como vimos, um neurotransmissor do sistema nervoso central. Especificamente, é responsável pela regulação do humor e muitas pessoas a conhecem como a molécula da felicidade. Baixos níveis de serotonina estão relacionados ao desenvolvimento de depressão. É por isso que a paroxetina, inibindo sua recaptação, disponibiliza mais neurotransmissores para desencadear seus efeitos.

Você também pode estar interessado em ler: Como detectar a depressão em um amigo

Efeitos colaterais da paroxetina

Antidepressivos

A paroxetina, como todos os medicamentos do mercado, pode produzir uma série de efeitos indesejados para o paciente.

Entre os mais comuns, vale destacar o aparecimento de náusea e vômito em 25% dos pacientes, e constipação ou diarreia em 16,5%, sendo esses efeitos responsáveis ​​por 20,9% dos pacientes tratados com paroxetina que interrompem o tratamento.

No entanto, se o paciente continuar com o tratamento, costuma se habituar a alguns dos problemas gastrointestinais; eles podem até desaparecer. No entanto, existem outros, como boca seca, que podem persistir.

Por outro lado, vale destacar que, se a paroxetina é administrada com outros medicamentos que também aumentam os níveis de serotonina, a síndrome da serotonina pode ser desencadeada, manifestando-se com os seguintes sintomas:

  • Náusea e vomito
  • Sedação
  • Tontura
  • Sonolência
  • Hipertensão
  • Outras

Descubra também: Prevenção de náuseas e vômitos associados à quimioterapia

Conclusão

A paroxetina é uma droga usada para tratar a depressão. Ela deve seu efeito antidepressivo à capacidade de aumentar a concentração de serotonina, um neurotransmissor que intervém no humor das pessoas e cujo déficit favorece o aparecimento da depressão.

Consulte o seu médico ou farmacêutico se tiver alguma dúvida sobre este medicamento e siga as recomendações que eles lhe derem para tentar evitar efeitos adversos e possíveis complicações.

  • Talamonti, F. (1994). PAROXETINA. Rivista Di Psichiatria.
  • De, R., Luís, C., Cavallazzi, O., & Grezesiuk, A. K. (1999). SÍNDROME SEROTONINÉRGICA ASSOCIADA AO USO DE PAROXETINA. Arq Neuropsiquiatr.
  • Chocrón Bentata, L. (2006). El tratamiento con paroxetina durante 2 años previene la recurrencia de depresión en ancianos. FMC – Formación Médica Continuada En Atención Primaria. https://doi.org/10.1016/s1134-2072(06)71371-8