Pancreatite aguda: sintomas, causas e tratamento

9 de abril de 2020
A pancreatite aguda pode ser tratada e aliviada na maioria dos casos. No entanto, quando ocorrem complicações ou a condição é muito grave, a situação se torna muito mais perigosa e pode até levar à morte.

A pancreatite aguda é uma inflamação repentina do pâncreas. Normalmente, após esse episódio, a função da glândula é completamente restaurada. Esses tipos de episódios ocorrem com mais frequência em pessoas entre 50 e 70 anos.

Qualquer pessoa com boa saúde pode sofrer um episódio de pancreatite aguda. No entanto, o mais comum é que isso ocorra em quem tem algum problema de saúde que os predispõe a sofrer dessa doença. O fator de risco mais comum são as pedras na vesícula biliar.

Outro fator que pode causar a pancreatite aguda é o consumo de álcool, quando ingerido em grandes quantidades ou de maneira muito frequente. Maus hábitos nutricionais também aumentam a chance de surgimento desta doença.

O que é a pancreatite aguda?

Causas da pancreatite

Pancreatite é a inflamação do pâncreasÉ uma glândula localizada no abdômen superior, atrás do estômago. Produz enzimas que contribuem para o processo digestivo, e hormônios que contribuem para regular o processamento de açúcar ou glicose.

Existem dois tipos de pancreatite:

  • Pancreatite aguda: é aquela que ocorre de repente e permanece apenas por alguns dias.
  • Pancreatite crônica: é a que permanece ativa por mais de seis meses.

A pancreatite aguda pode ser grave, moderada ou leve, de acordo com o efeito que produz nas funções do organismo e nas complicações que isso acarreta. De um modo geral, quando a pancreatite é leve ou moderada, geralmente não tem consequências fatais. No entanto, se for grave, o risco de morte é alto.

Leia também: Metabolismo hepático: antibióticos e álcool

Causas

As principais causas da pancreatite aguda são as seguintes:

  • Cálculos biliares: correspondem a aproximadamente 40% dos casos. Embora todo o mecanismo não esteja claro, supõe-se que as pedras obstruam o duto pancreático, causando a ativação do processo enzimático dentro do pâncreas. Isso leva à destruição do tecido do órgão.
  • Consumo de álcool: corresponde a cerca de 30% dos casos. O consumo sistemático de álcool, mesmo que a ingestão seja moderada, leva à pancreatite crônica após alguns anos. Não ocorre em todas as pessoas que bebem; outros fatores também entram em jogo para que o problema apareça.
  • Outros fatores: uma mutação genética foi detectada no gene do tripsinogênio catiônico que causa pancreatite aguda em 80% dos portadores. É também uma complicação que aparece em 5 a 10% dos casos daqueles que realizam colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE).

Sintomas da pancreatite aguda

Diagnóstico de pancreatite

O sintoma típico da pancreatite aguda é a dor no abdômenEstá presente em mais de 95% dos casos. Tem uma intensidade que varia de moderada a grave e é sentida como se uma faca estivesse passando pelas costas. Você só sente algum alívio quando não realiza movimentos. Essa dor ocorre repentinamente e em um momento específico.

Náuseas e vômitos também aparecem em 80 ou 90% daqueles que têm um episódio dessa natureza. A princípio, a pessoa vomita o que comeu, depois o vômito se torna mais líquido e com a presença da bile. Também é frequente que haja distensão abdominal e febre.

Em alguns casos, outros sintomas aparecem, incluindo insuficiência respiratória ou renal, insuficiência cardíaca, pressão arterial baixa e distúrbios mentais. No caso de pancreatite leve, a dor é muito mais moderada e os outros sintomas podem passar despercebidos.

Você também pode se interessar: Câncer de pâncreas pode se tornar o segundo com maior mortalidade

Tratamento

Normalmente, esses tipos de episódios são tratados no hospital. Primeiro, um jejum é estabelecido por um ou dois dias. Quando a inflamação desaparece, uma dieta líquida começa, e depois uma dieta leve. Medicamentos para a dor e fluidos intravenosos também são administrados para evitar a desidratação.

Após o tratamento inicial, um tratamento específico deve ser iniciado, de acordo com os motivos que causaram a pancreatite. Isso pode incluir procedimentos para desbloquear os dutos biliares, cirurgia da vesícula biliar, cirurgia do pâncreas ou tratamento para o alcoolismo.

É aconselhável que a pessoa afetada, após superar o episódio, mantenha uma dieta pobre em gordura e com bastante ingestão de líquidos. Da mesma forma, é apropriado parar de ingerir álcool e não fumar.

O prognóstico depende da gravidade do episódio. É menos encorajador se a pessoa afetada tiver mais de 60 anos de idade, tiver outros problemas de saúde, for obesa, apresentar sintomas de hipovolemia, síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SRIS), derrame pleural ou mostrar sinais de alterações em seu estado mental.

  • Sánchez, A. C., & Aranda, J. A. G. (2012). Pancreatitis aguda. Boletín médico del Hospital Infantil de México, 69(1), 3-10.
  • Salvador Moreno, E., & Ramírez Paesano, C. (2016). Pancreatitis aguda. DOLOR. https://doi.org/10.1016/j.med.2016.03.018
  • Carneiro, M. C., Antônio, V. E., Siqueira-Batista, R., De Albuquerque, A. K. A. C., Gomes, A. P., Santos, S. S., & Nacif, M. S. (2008). Pancreatite aguda. Revista Brasileira de Medicina. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v49i2p93-119