Como combater a obsessão por um ex?

A obsessão por um ex não só nos causa um grande sofrimento, mas também nos deixa estagnados e nos impede de seguir em frente. Descubra o que você pode fazer a respeito.
Como combater a obsessão por um ex?

Última atualização: 19 Abril, 2021

A maioria de nós já enfrentou uma separação em algum momento. Quando isso acontece, podemos sentir que o mundo inteiro vira de cabeça pra baixo. O impacto emocional de terminar um relacionamento é inegável e inevitável. No entanto, algumas pessoas não lidam de forma adequada com o processo de luto, e isso pode levar a comportamentos prejudiciais, como a obsessão por um ex.

A incapacidade de desviar a nossa atenção de quem era nosso parceiro é relativamente comum. São muitas as pessoas que ficam presas nas memórias, que sempre verificam os perfis do ex nas redes sociais ou procuram por eles na esperança de retomar o relacionamento.

Todas as situações acima prejudicam a nossa autoestima e nos impedem de seguir em frente. No entanto, às vezes o impulso parece imparável. Entender por que isso acontece e aplicar algumas diretrizes será de grande ajuda para sairmos desse círculo vicioso.

Por que é tão comum sentir obsessão por um ex?

Sentir obsessão por um ex é algo que acontece com frequência quando o término do relacionamento é recente. Não se trata de fraqueza ou falta de vontade. Na verdade, existem poderosas causas físicas e psicológicas que levam a isso.

Quando estamos apaixonados, o cérebro libera substâncias como a dopamina, a serotonina e a oxitocina. Elas ativam nosso circuito de recompensa neural e produzem sensações agradáveis ​​de euforia e plenitude.

Quando o vínculo é quebrado, essa torrente de hormônios cessa, gerando uma espécie de síndrome de abstinência. Além disso, o cortisol (o hormônio do estresse) começa a fluir pelo corpo, causando desconforto subjetivo e até problemas de saúde. É fácil entender que o corpo quer recuperar os níveis anteriores de neurotransmissores, o que nos leva a buscar o contato com o ex.

Por outro lado, o fim da relação também implica a destruição de expectativas e planos futuros compartilhados. Se a nossa identidade estava intimamente ligada ao papel de alguém como parceiro, a ruptura implica a necessidade de reconfigurar quem somos. Tudo isso pode ser assustador e opressor, então reagimos tentando recuperar a nossa segurança emocional.

Mulher imaginando seu ex
A obsessão por um ex-parceiro é de se esperar, mas só até certo ponto. Quando ultrapassa certos limites, torna-se contraproducente.

Como frear a obsessão por um ex?

Como seres humanos, não estamos livres de experimentar as emoções negativas e desagradáveis ​​que acompanham o luto. No entanto, há muitas coisas que podemos fazer.

Parar de ficar obcecado por um ex é, em parte, uma questão de decisão e disciplina. Nesse sentido, as seguintes orientações podem ser muito úteis.

Aceitar a realidade

O primeiro estágio do luto geralmente é a negação. No entanto, é importante não ficar nesse estado por muito tempo e aceitar que o relacionamento acabou. Continuar pensando que foi só uma discussão, que tem solução ou que a outra pessoa vai reconsiderar e voltar a te procurar só vai estagná-lo e mantê-lo amarrado ao outro.

Contato zero

Se a separação for recente, é normal que você queira manter contato com seu ex, saber como ele está ou como se sente. No entanto, praticar o contato zero, pelo menos nos primeiros meses, é essencial.

Evite ver essa pessoa, falar com ela e ter qualquer tipo de contato. Certifique-se de não ver fotos ou conversas antigas e não procurar pelas suas movimentações nas redes sociais.

Trata-se de acostumar o cérebro à ausência dessa pessoa. Se continuarmos a avivar a sua presença física ou simbólica, continuaremos a nutrir e fortalecer as antigas conexões neurais. Permita-se se libertar da torrente hormonal que estava acontecendo dentro de você.

Ressignifique o que aconteceu

Muitas vezes ficamos obcecados por um ex porque é demais aceitar que todo o tempo, energia e sonhos investidos foram em vão. Nenhum de nós gosta de sentir que falhamos.

Portanto, é importante mudar a forma como percebemos o que aconteceu e lembrar que cada experiência nos enriqueceu. Portanto, tudo ganha um sentido, independentemente de o vínculo do casal ter terminado.

Mulher olhando redes sociais do ex
Verificar o status e ver se a outra pessoa está ou esteve online são comportamentos que fazem parte dos sintomas de uma pessoa obsessiva.

Foque em você

Por último, concentre-se em si mesmo. O mais saudável é continuar atendendo e cultivando as demais áreas da vida, mesmo quando estamos em um relacionamento. No entanto, isso muitas vezes não acontece e tendemos a nos concentrar excessivamente no outro.

Ao perdê-lo, podemos sentir um vazio que não sabemos preencher. A melhor alternativa sempre é começar a dedicar todo esse tempo e atenção a nós mesmos. Reencontre-se consigo mesmo e cuide de si e dos seus objetivos.

O esforço para parar com a obsessão por um ex vale a pena

Evitar ficar obcecado por um ex não é fácil, principalmente quando sofremos de baixa autoestima ou estamos em um relacionamento de dependência emocional. No entanto, é uma decisão que devemos tomar e manter para o bem da nossa saúde mental e emocional. 

A única pessoa que, sem dúvida, permanecerá com você para sempre é você mesmo. Portanto, priorize seu bem-estar e concentre a sua energia e recursos para trabalhar em você. Seja grato pelo tempo compartilhado com a outra pessoa, perdoe e abra-se para as novas experiências e oportunidades que estão por vir.

Pode interessar a você...
5 dicas de Walter Riso para se afastar do seu ex
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
5 dicas de Walter Riso para se afastar do seu ex

Já muitos autores falaram sobre como se afastar do seu ex; no entanto, esses conselhos podem fazer você reflexionar e evitar cair em obsessões.



  • Anguita Corbo, A. (2017). Propuesta de intervención para la dependencia emocional: superación de la dependencia tras la ruptura de la pareja (Master’s thesis).
  • Rangel, H. LA QUÍMICA DEL AMOR. Memorias Arbitradas de las IV Jornadas Científicas del Departamento de Ciencias Naturales, 15.
  • Burunat, E. (2016). AMOR: inicio y fin en el cerebro. RIDPSICLO1(1), 40.
  • Sandoval Rodríguez, A. L. La pérdida experimentada tras la finalización de una relación de pareja en el marco del enfoque sistémico.