O que se esconde nas notas de dinheiro?

· 2 de setembro de 2014
Durante as atividades diárias, estamos sujeitos a utilizar as notas de dinheiro. Hoje veremos quais as batérias e micro-organismos que se escondem nelas.

Durante as atividades diárias, estamos sujeitos a utilizar o dinheiro. Todos os dias, podemos tocar em uma grande quantidade de notas de dinheiro que contêm uma grande quantidade de bactérias.

Se não tomarmos as medidas de higiene adequadas, elas podem afetar nossa saúde de uma maneira bastante perigosa.

Esta é uma boa razão para lavarmos as mãos frequentemente, já que com esta simples medida, podemos evitar muitos problemas de saúde.

Ao tocarmos uma nota de dinheiro, pode-se aderir em nossas mãos uma quantidade de bactérias que logo podem passar para o nosso organismo caso levemos as mãos à boca ou aos olhos.

À partir de estudos realizados nos Estados Unidos e na Colômbia, pode-se demonstrar que nas notas de dinheiro encontram-se altas quantidades de bactérias que causam infecções.

Leia também: Manose: excelente remédio natural para infecções

Além disso, elas possuem micro-organismos com capacidade de provocar doenças que o sistema imunológico do corpo não consegue repelir.

Também foi possível comprovar que tanto as notas de dinheiro quanto as moedas podem abrigar até sete tipos diferentes de bactérias.

O que se esconde nas notas de dinheiro?

Staphylococcus epidermidis

Esta bactéria pode causar infecções em diferentes partes do corpo. Alguns de seus sintomas podem ser: febre, fadiga, dor localizada, respiração e batimentos cardíacos acelerados, transpiração excessiva, entre outras.

Bacillus

Algumas espécies de Bacillus não apresentam sintomas, mas existem outras que causam patologias tanto nas pessoas quanto nos animais. Os diferentes tipos desta bactéria podem provocam vômitos e diarreias de cinco à dez horas após terem sido ingeridas.

Streptococcus

Os Streptococcus são os responsáveis de muitas e graves enfermidades, entre elas podemos destacar a meningite, a pneumonia bacteriana, a fasciíte necrosante, a faringite, entre muitas outras.

No entanto, existem certos tipos dessa bactéria que não causam patologias.

Escherichia coli

Os sintomas que indicam a contaminação por essa bactéria podem ser uma forte dor de estômago acompanhada de diarreia, a qual em muitos casos pode conter sangue; também se pode apresentar vômitos, náuseas e febre de pouca intensidade.

Todos esses sintomas se apresentam logo após as três, quatro ou dez primeiras horas após a contaminação.

Lave as mãos, não esqueça!

Lavar as mãos

Muitas dessas bactérias se encontram em nosso entorno, portanto, acaba sendo fácil a contaminação.

Esses micro-organismos podem chegar em nosso organismo mediante um descuido, ou simplesmente por não termos tomado a devida precaução de lavar as mãos antes de consumir os alimentos.

Recordemos que, ainda que muitas bactérias as quais estamos expostos possam provocar uma simples infecção, existem outras que podem chegar a causar uma grave gastroenterite e, em casos extremos, a morte.

Recomendamos a leitura: O primeiro dia de gastroenterite, cuidados básicos

Devemos ter a precaução de lavar as mãos muito bem logo após a manipulação do dinheiro, antes de comer ou tocar alguma parte de nosso corpo, e antes de encostar ou acariciar um bebê.

Esses simples hábitos podem evitar grandes problemas de saúde.

Lembre-se…

As moedas podem conter até 2400 bactérias, algumas delas similares as que são encontradas nas notas.

Entretanto, nas notas, os micro-organismos vão se acumulando e aumentando cada vez que estas passam de mão em mão, já que os micróbios que uma pessoa com alguma doença venha a ter podem ser transmitidos às pessoas que recebem essas notas contaminadas.

Bacterias

Não esqueça de que as notas e as moedas são os meios mais eficientes de propagação de bactérias entre as pessoas de todo o mundo. Por isso, recomenda-se tomar cuidado para que as crianças não manipulem as notas, muito menos as moedas.

Evite tocar a boca, os olhos e, em geral, qualquer parte do corpo depois de tocar no dinheiro. Caso o faça, é necessário manter uma boa higiene das mãos.

  • Fischetti, V. A., & Ryan, P. (2015). Streptococcus. In Practical Handbook of Microbiology, Third Edition. https://doi.org/10.1201/b17871
  • Poolman, J. T. (2016). Escherichia coli. In International Encyclopedia of Public Health. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-803678-5.00504-X
  • Vuong, C., & Otto, M. (2002). Staphylococcus epidermidis infections. Microbes and Infection. https://doi.org/10.1016/S1286-4579(02)01563-0